Sinopse: Continuação memorável das fantasias de C. S. Lewis, estas seis histórias revelam mais uma vez o poder e a visão deste importante contador de histórias, um dos nomes centrais da literatura de fantasia universal. A Torre Negra é um esboço de um quarto volume que daria continuidade à aclamada série de ficção científica de Lewis conhecida como Trilogia cósmica. Uma história cativante que continua as aventuras de personagens como Dr. Elwin Ransom e MacPhee. Na trama, cinco homens se reúnem no escritório de Orfeu, na Universidade de Cambridge, para testemunhar a violação do espaço-tempo por meio do cronoscópio, um telescópio que não olha apenas para um outro mundo, mas para outras dimensões. Ao longo das narrativas, seus personagens travam debates brilhantes sobre a matéria, no tempo e no espaço. Para os fãs de Crônicas de Nárnia e da Trilogia cósmica, este é um livro imprescindível.
Viajar no tempo é possível? Sim, mas não do jeito que imaginamos até agora. E você, sabia disso?  Bom, como um engenheiro químico quase formado e amante de ciência, eu gosto muito daquele famoso ócio criativo que levou tantas mentes brilhantes a desvendar os mistérios do mundo e gosto também de ler sobre ficção científica ou qualquer história que aborde assuntos científicos. Ao ler A Torre Negra (que seria a continuação da trilogia cósmica de C.S. Lewis), eu me senti completamente extasiado porque é uma forma romancista de falar sobre assuntos científicos. Se tivéssemos mais cientistas bons em contar histórias, as pessoas entenderiam melhor certos conceitos de física, química, astronomia e outros que explicam um pouco de como nosso universo funciona. C.S. Lewis como bom contador de histórias que era e apaixonado por essa temática escreveu uma bela de uma história.
A parte ruim é que A Torre Negra é uma publicação póstuma cujo manuscrito perdeu páginas (logo, incompleta) e ficar sem saber o fim desta  história é simplesmente dilacerante. De toda forma foi uma leitura válida porque me fez querer a trilogia cósmica de Lewis, além claro de ter me proporcionado ótimos momentos reflexivos acerca de outras temáticas além do tempo.
O livro conta com outros pequenos contos como “O homem que nasceu cego”, que provoca uma certa curiosidade (afinal, você saberia explicar para alguém que nasceu cego e voltou a ver, o que é a luz?), “As terras fajutas” (um tanto intrigante), “Anjos Ministradores” que fala sobre o isolamento social), “As Formas Desconhecidas” (afinal, cabelos balançam num local sem atmosfera?) e “Depois de Dez Anos”, que é uma ótica diferente de uma história grega um tanto quanto famosa. Esse último é outro que penosamente está inacabado. Este livro foi um presente despretensioso que me foi dado, mas que se tornou altamente memorável e querido e eu recomendo muito.

››


Sinopse: Quando Pierrot fica órfão, precisa ir embora de sua casa em Paris para começar uma nova vida com sua tia Beatrix, governanta de um casarão no topo das montanhas alemãs. Mas essa não é uma época qualquer: estamos em 1935, e a Segunda Guerra Mundial se aproxima. E esse não é um casarão qualquer, mas a casa de Adolf Hitler. Logo Pierrot se torna um dos protegidos do Führer e se junta à Juventude Hitlerista. O novo mundo que se abre ao garoto é cada vez mais perigoso, repleto de medo, segredos e traição. E pode ser que Pierrot nunca consiga escapar.
Antes de ler “O Menino no Alto da Montanha” meu primeiro e único contato com John Boyne havia sido através do livro “O Menino do Pijama Listrado”, esta foi uma leitura devastadora que me emocionou bastante. Desde então tinha um certo receio em ler outras obras dele e não gostar muito, porém quando me deparei com o lançamento do livro “O Menino no Alto da Montanha” não hesitei em comprar, devido a similaridade no título e por mais uma vez ser ambientado na época da segunda guerra mundial. A qualidade da escrita não me decepcionou, a segunda guerra mundial pode ser o pano de fundo dos dois livros, porém a originalidade e a distinção da temática em nenhum momento deixou a desejar. Posso dizer que foi uma leitura enriquecedora e tão boa quanto a primeira, mesmo não tendo me levado às lágrimas.
O livro em questão mexeu comigo, o protagonista (Pierrot) passa por uma desconstrução de sua personalidade que é  moldada devido ao meio e as circunstâncias no qual está submetido. Uma criança pura, com boas intenções que passa por diversas situações que nenhuma outra deveria passar, como a perda dos pais e, ainda envolto por uma guerra tenebrosa, se ver buscando um lugar para chamar de lar, querendo atenção e eis que passa a morar na casa de ninguém menos que o Hitler. A partir desse ponto a inocência de Pierrot aos poucos vai dando espaço para a ambição e a necessidade de suprir a falta da imagem paterna que o faz ter convicção de que está seguindo pelo caminho certo. Aos poucos vai deixando de ser Pierrot o garoto francês para se tornar Pieter o garoto alemão que sonha em ser como o Hitler.
Todos os personagens são instigantes e nenhum passa em vão no enredo, todos possuem presença e se encaixam perfeitamente com os momentos vividos pelo protagonista. O destaque vai para o amigo de infância de Pierrot, Anshel, que se mostra muito carismático e um amigo devotado. Os dois se comunicavam através da língua de sinais, já que Anshel é surdo, a todo momento essa amizade é relembrada e mesmo se tornando distante com o passar dos anos ela é um lembrete que um dia Pierrot teve bons sentimentos.  
A relação com o protagonista vai do amor ao ódio em poucos capítulos, a medida que vai crescendo, o processo de mudança choca e ao mesmo tempo é tão bem justificado, bem construído que não deixa de ser convincente. As cenas são bem enlaçadas e os diálogos consistentes. O enredo prende do início ao fim, a leitura é fluida e o livro é curtinho, pode ser lido em algumas horas.
A parte gráfica remete muito ao “O Menino do Pijama Listrado” seguindo o mesmo modelo de design, variando apenas em alguns detalhes e cores, a capa chama a atenção e eu achei bem bonita. A diagramação e a fonte é bem confortável. No mais a parte gráfica é bem simples, nada rebuscada, porém atende bem ao que foi proposto.

Essa é uma leitura que indico a todos, indiferente da faixa etária desde que tenham interesse por fatos históricos misturados com ficção acredito que irão fazer uma boa leitura. Agora eu acredito que superei o meu medo de ser decepcionada e irei buscar realizar outras leituras de obras do autor.

››


Olá pessoal, tudo bem?
O mês de março só começou e a lista de desejados continua aumentando. Esse mês tem tantos lançamentos incríveis que ficou difícil escolher só cinco livros. Espero poder ler logo cada um deles.

Eu simplesmente não poderia deixar de colocar esse livro na lista, afinal é uma história maravilhosa que retrata a beleza interior. Além da estreia do filme com Emma Watson e Dan Stevens que já está fazendo o maior sucesso, o livro foi lançado pela editora Universo dos Livros com essa capa maravilhosa. Não tem como não querer embarcar nessa leitura não é mesmo? Mal posso esperar pra adquirir o meu exemplar.

Sinopse: Bela deseja para sua vida muito mais do que a pequena cidade provinciana de Villeneuve pode oferecer. Lá, ela se destaca da multidão com um ponto de vista único, uma independência vigorosa e um notável amor pelos livros. Ela anseia por viagens e aventuras, e por uma vida tão empolgante quanto as histórias que lê, mas, quando seu amado pai é aprisionado por uma fera em um castelo encantado, o destino de Bela muda para sempre. Ao arriscar sua liberdade e seu futuro, ela assume o lugar do pai, jurando-lhe que escaparia em segredo. No entanto, conforme aprende mais sobre a Fera e seu misterioso castelo, Bela descobre que pode haver mais sobre a história dele – e sobre a sua própria – do que ela jamais poderia ter imaginado.

Desde o momento em que li a sinopse desse livro, fiquei bem empolgada pra ler e imaginando como será essa história. A capa lembra um livro de chick-lit, mas acredito que seja um daqueles romances contemporâneos muito bons. Eu já li Louca por Você da autora e foi uma leitura muito divertida, agora é esperar o que vem nesse livro que já estou ansiosa para colocar na minha lista de leitura.

Sinopse: Mariana trabalha em uma badalada revista de moda. Tem um bom salário, é muito competente... E tem uma queda pelo chefe, daquelas bem poderosas. Eles vivem em mundos completamente diferentes, e Mariana sabe que nunca acontecerá nada entre os dois. Até que Carlos Eduardo repara que sua secretária é muito, muito bonita. O amor entre os dois é arrebatador, e Cadu e Mari sentem que nasceram um para o outro. Mas as coisas logo começam a desandar. Talvez Cadu ainda não esteja preparado para confiar em uma pessoa que teve uma vida tão diferente da sua; talvez Mari ainda não se sinta segura em dividir sua realidade com o chefe. Para viver esse amor, os dois precisarão enfrentar preconceitos e vencer intrigas. Será que estão prontos?

Apesar de não acompanhar o Wattpad algumas pessoas indicaram esse livro que foi escrito lá e está sendo publicado pela editora Pandorga. A capa linda me chamou a atenção e ter uma vida de princesa parece ser um pouco complicado... Apesar de não gostar de triângulos amorosos, fiquei ansiosa pela leitura e espero que seja um livro surpreendente.

Sinopse: Após um convite inesperado do rei a vida de Aurora Avin passa de pacata e desinteressante para uma vida cheia de romances, aventuras e mistérios a serem resolvidos...
Tudo o que era antes simples para Aurora se torna complicado. Sua amizade com o comandante Cassian se torna um pequeno desastre amoroso e sua paixão pelo príncipe Matthew se torna insuportável de evitar.
Três corações envolvidos um deles terá de se quebrar?  Descubra lendo Sangue de Princesa.

Sempre gostei de mitologias gregas e agora com dramas adolescentes, fiquei ainda mais animada. Afinal, Eros foi banida do reino e sua missão é unir três casais. Será que ela será capaz de comprovar seu talento? Já estou ansiosa pra descobrir.

Sinopse: Uma história que mistura Olimpo e dramas adolescentes.
Eros é a deusa do amor, e suas flechas áureas são responsáveis por unir corações perfeitos um para o outro. Mas quando se trata da própria vida amorosa, a deusa pode ser um pouco menos eficiente. Depois de ser expulsa do Olimpo por se apaixonar por Oríon, Eros é banida para Nova Jersey – sem os seus poderes. Para retornar ao conforto de sua antiga vida, ela precisa juntar três casais mortais apenas com a intuição. Eros identifica sua primeira vítima: Charlie. Novo na escola e louco para se livrar da fama de nerd, ele é perfeito para as maquinações da deusa... Até conhecer Katrina. Será que o cupido perdeu o talento?

O Sol Também é Uma Estrela trouxe uma premissa diferente dos livros que já li e não posso negar que estou curiosa para conferir a escrita de Nicola Yoon que conquistou tantos leitores no Brasil com o seu primeiro livro Tudo e Todas as Coisas. Já está na minha meta de leitura e espero fazer a leitura logo, afinal romance e ciência não vemos todos os dias.

Sinopse: Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.
Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.
O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?

Bom pessoal, esses foram os meus livros desejados de março, e vocês? Tem algum dessa lista que vocês querem ler? Quais são seus desejados desse mês? Compartilhe nos comentários, vou amar conhecer novos livros!


››


Sinopse: Neste livro, Serginho (apelido do autor) escreve sobre minorias, celular, estatísticas, empregos, coisas irritantes, a chatice do politicamente correto, frases, Facebook, senhas, elevadores, saúde, aparência, moda, esmaltes, café, gastronomia, coisas antigas, viagens, ficção, histórias reais, fábulas, pensamentos, reflexões, São Pedro, velhice e muito mais. São crônicas curtas com coisas sérias; escritas com humor e para serem lidas entre uma estação e outra do metrô ou dentro do ônibus.

Sempre gostei de crônicas por abordar temas cotidianos. É na simplicidade da escrita e na reflexão da vida moderna que identificamos quem somos e no que temos de comum e de divergente com os autores que as escrevem. #Tava Pensando Aqui de Sergio Nogueira traz os pensamentos do autor em relação a nossa atualidade. Durante a leitura fiquei imaginando o quanto essas reflexões passam por cada um de nós e muitas vezes não atentamos aos detalhes.
De forma leve e divertida, Sergio Nogueira fala sobre as redes sociais, do futebol, do celular, dos alimentos que consumimos, das profissões, de questões que permeiam o nosso mundo moderno além de reflexões de outras épocas. É impossível não pensar em quanto esses assuntos são reais e que muitos de nós passamos por elas. Afinal, será que hoje estamos observando o mundo a nossa volta de forma crítica ou estamos só "passando" por ele?
É impossível falar de crônicas sem citar alguns trechos marcantes desta obra e por isso decidi destacar aqui alguns dos que chamaram a minha atenção. 

"A rede social é o lugar onde tudo é perfeito. A praia é linda, não tem vento virando o guarda-sol do avesso e e jogando areia em todo o seu material..."
"Se quisermos melhorar nossa fama, moral e melhorar nosso conceito perante o mundo, eu creio que deveríamos começar pela moralização do nosso maior esporte. E não acredito que seja tão difícil assim."
"Pensei na pressa que temos em adivinhar o que o outro vai falar. Tenho essa mania, mas com diversos anos de terapia (mentira) estou me controlando mais (quase verdade)."

A edição do livro é simples, com folhas brancas e as letras de bom tamanho. O título faz jus a leitura já que remete não só aos pensamentos do autor, mas em cada crônica somos convidados a refletir sobre os temas também.
#Tava Pensando Aqui é um daqueles livros que você precisa ter por perto para ler e reler sempre que precisar. Seja em casa, durante viagens, em um horário livre vale a pena refletir um pouco sobre a nossa realidade. São situações do dia a dia e que muitas vezes passam por nós sem percebermos. Afinal, quem nunca sonhou em como seria ganhar na mega sena, atingir metas, ou até mesmo em uma forma de alcançar a felicidade além de conselhos? Pois é, #tavapensando aqui que esse seria o livro mais que recomendado pra você.

››



Sinopse: Quem é o Inventor e o que ele quer com a novíssima Miss Marvel e seus amigos? Talvez o Wolverine possa ajudar a encontrar a resposta! Isso é, se Kamala conseguir parar de bancar a tiete ao encontrar seu herói preferido. Depois, o caminho da jovem se cruza com os Inumanos quando ela encontra o cão da família real, Dentinho! Mas qual é o verdadeiro motivo para Dentinho acompanhá-la? Enquanto a Miss Marvel descobre mais sobre seu passado, o Inventor continua ameaçando seu futuro. A guardiã adolescente de Jersey City se junta a alguns heróis improváveis para evitar que o insano vilão faça algum estrago para valer, mas talvez ela esteja dando um passo maior do que as pernas. E por quanto tempo mais a vida da Miss Marvel poderá tomar o espaço da vida de Kamala Khan? Desvende esse mistério, enquanto ela continua provando porque é a melhor (e mais adorável) super-heroína do pedaço! Este volume de 140 páginas reúne as edições 6 a 11 de Ms. Marvel. Escrito por G. Willow Wilson e ilustrado por Adrian Alphona e Jacob Wyatt.
Quando falamos de super heroínas dos quadrinhos é comum imaginá-las logo com uma roupa super sensual, com decotes a mostra e um corpo escultural, uma mulher totalmente idealizada, porém Kamala Khan, a nova Miss Marvel, quebra totalmente esse estereótipo. Ela é apenas uma adolescente que tenta encontrar o seu lugar no mundo, mesmo podendo assumir qualquer forma ela optou por ser ela mesma: nerd, muçulmana, carismática, bem-humorada e toda atrapalhada. Bem mais fácil se identificar com uma super heroína assim, não é?
Desde o primeiro compilado de quadrinhos da nova Miss Marvel (resenha) lançado pela Panini eu já gostei da personagem, porém no “Miss Marvel: questões mil” (que reúne da sexta a décima primeira edição de Miss Marvel) eu tive a confirmação que essa era uma personagem que entraria para a minha lista de favoritas, sem dúvidas ela conquistou o meu coração. Ela é uma personagem que mesmo em meio a todos os problemas enfrentados na adolescência me despertou uma forte empatia, ela cumpre o que propõe quebrando esteriótipos, se mantendo firme no seu caráter e sendo um exemplo para a nova geração.
Nesta edição é apresentado um pouco mais sobre os poderes de Kamala, suas incertezas aos poucos vão se transformando em uma opinião forte e representativa, além disso, os quadrinhos traz críticas construtivas sobre como a sociedade vem caminhando, a dificuldade de comunicação entre gerações e os problemas da adolescência. O Inventor que é o vilão dessa trama ganha mais espaço e seus objetivos ficam cada vez mais claros. Outro ponto forte que vale ressaltar é a participação de Wolverine ajudando Kamala a compreender seus poderes e transmitindo a segurança que ela precisava para começar a tomar decisões acertadas. Adorei a forma como ela lidou com a presença dele, representando todos os fãs desse super herói incrível. Vou parar por aqui para evitar spoilers.
A Panini segue mantendo a qualidade de suas edições encadernadas, capa dura e folhas de alta qualidade. Não sou uma especialista em HQs, porém achei que as ilustrações mantiveram o padrão de qualidade dos outros volumes com cores vivas e repletas de detalhes sensacionais.
Encerro reafirmando que gostei muito desta HQ, merece um lugar especial na estante. Kamala é uma personagem marcante, empoderada, forte e carismática, o enredo possui críticas sociais e mostra uma face que geralmente não está em enfoque.
››


Sinopse: Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker - uma colega de classe e antiga paquera -, que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.
Eu sempre vi leitores elogiando a obra “Os 13 porquês” e até então tinha evitado realizar a leitura por pensar que a trama não poderia ser realmente tudo o que diziam por aí, que era somente um frisson passageiro e eis que me surpreendo com uma narrativa impressionante de um tema tão denso, o suicídio. Confesso que meu interesse pela história se ampliou devido ao trailer da série que será lançada pela Netflix ainda esse mês,  fiquei instigada a conhecer a Hannah e suas razões.
A história se inicia com Clay Jensen recebendo um misterioso pacote ao chegar em casa, ao abrir encontra algumas fitas cassetes embrulhadas em plástico bolha e todas numeradas. Quando começa a ouví-las se depara com a voz de Hannah, a garota por quem foi apaixonado, mas ela desistiu de viver e nas fitas ela irá contar o porquê ou melhor quais foram as pessoas (mais precisamente treze) que influenciaram em sua decisão e se ele recebeu o pacote provavelmente está entre os motivos.
O livro é voltado para adolescentes, mas mesmo não tendo a mesma idade dos personagens o leitor sem dúvidas irá se identificar com muitas das situações narradas e por diversas vezes será convidado para refletir sobre determinados fatos e os efeitos que podem ter na vida de alguém. A adolescência pode ser uma fase muito cruel em alguns casos, todos carregamos um pouco dessa fase ao longo das nossas vidas e algumas decisões tomadas nessa idade podem ser decisivas e nesse caso, para a protagonista não teve um final feliz.
O que de fato chama a atenção nesse livro é justamente como algumas “brincadeiras” levam a consequências desastrosas, desde o menor gesto pode desencadear reações que são incontroláveis. Ações comuns realizadas por adolescentes que a princípio parecem ser inocentes levam a boatos e fofocas que para determinada pessoa acaba tendo proporções ainda maiores e como lidar com tudo isso? Hannah se sentia deslocada e infeliz com tudo que estava acontecendo na vida dela, a escola e as pessoas com as quais conviveu mexeram com a estrutura emocional dela e o tempo todo ela estava procurando ajuda, porém não sabia onde encontrar o apóio do qual precisava. O menor dos gestos em um momento como o vivido pela protagonista pode significar muito e até mesmo evitar o pior. É importante que estejamos atentos aos sinais e mais ainda precisamos mudar essa triste realidade.
"Acho que essa é a questão central. Ninguém sabe ao certo quanto impacto tem na vida dos outros. Muitas vezes não temos noção. Mas forçamos a barra do mesmo jeito."
No livro são apresentadas duas visões diferentes de diversas situações e forma como se casam e completam as lacunas da história é surpreendente e em alguns momentos até mesmo esqueci que Hannah já havia morrido. Acredito que a intenção do autor com esse livro não era comover e sim chamar a atenção para os sinais que uma pessoa que está prestes a cometer suicídio deixa pelo caminho e, mostrar que é possível ser feito algo, mesmo que para a protagonista da história já não tenha solução. Um livro para incomodar e mostrar dois lados de uma mesma situação.
A Netflix irá lançar um seriado baseado no livro e produzido por Selena Gomez (o que é uma novidade) e confesso que estou curiosa para conferir o resultado. Pelo trailer aparentemente a história é bem desenvolvida e mantém fidelidade a alguns fatos do livro, o interessante aqui é justamente o contato com a percepção dos fatos pelos demais personagens. Já adicionei a minha lista e espero ver em breve.
Enfim, mesmo tendo uma temática voltada para o público adolescente a leitura se mostrou agradável e convincente, o tema denso é dissecado de uma forma leve e acessível em poucas páginas, a leitura é dinâmica e rápida. Se ainda não teve a oportunidade de conferir este livro e tem curiosidade não deixe de realizar a leitura.

››



Eu sempre gostei de ler contos, acredito que é uma forma única de conhecer a escrita de alguns autores, ou para familiarizar com a linguagem utilizada, por exemplo, em clássicos da literatura que por muitas vezes acabamos evitando a leitura por medo de se tornar cansativa e difícil. Por isso, acredito que essa coluna irá ajudar a conhecer melhor alguns autores e um pouco de suas obras.
Sir. Arthur Conan Doyle
Para começar com o pé direito escolhi um autor que apesar de já conhecer a escrita todas as vezes eu ainda me surpreendo, Sir. Arthur Conan Doyle. É impossível citá-lo sem mencionar um dos detetives mais querido da literatura policial, Sherlock Holmes, no total foram cerca de sessenta histórias sobre esse personagem icônico, sendo quatro romances e os demais contos. Conan Doyle inovou diversas vezes em suas histórias e conquistou o público. Sem mais delongas irei falar um pouco mais sobre o conto em questão.
(Imagem extraída do site Mundo Sherlock)

Em “Escândalo na Boêmia” um nobre solicita a ajuda de Sherlock para recuperar uma foto em que prova que teve um caso com uma mulher pela qual fora extremamente apaixonado. Esse nobre está de casamento marcado e agora a sua amante insiste em chantageá-lo  ameaçando entregar a fotografia para a noiva dele, como já havia feito outras tentativas sem sucesso ele acredita que a única pessoa capaz de ajudá-lo é Holmes. O que eles não contavam é que essa não é uma mulher qualquer, ela é perspicaz e atenta aos fatos, o que Watson narra logo no início era que todas as vezes que Sherlock chega a mencioná-la ele demonstra certa admiração por ela, Irene Adler.
Como não pretendo dar spoilers sobre o que acontece no conto, não irei me estender na sinopse e irei focar um pouco mais nas minhas percepções. O conto é dividido em três partes, é bem curtinho e foi publicado no livro “As aventuras de Sherlock Holmes”, o desenvolvimento é conciso e bem construído com personagens surpreendentes, além de ser marcado por grandes reviravoltas. Esse é também o primeiro conto de Sherlock, sucessor dos dois primeiros romances, “Um Estudo em Vermelho” e “O Signo dos Quatro” e, acredito que mesmo os leitores não tendo contato com esses dois romances é perfeitamente possível se apaixonar pelo universo do detetive excêntrico e que sempre faz observações assertivas.
Para quem já conhece o detetive não é nenhuma novidade que ele é um observador nato e que a partir dessas observações ele consegue chegar a conclusões incríveis sobre situações e pessoas. Essa imagem permanece inalterada neste conto. O ponto crucial dessa história, na minha opinião, é a presença de Irene, uma mulher a frente do seu tempo, que se mantém misteriosa em grande parte da narrativa, mas se revela bem mais esperta do que é imaginado ao princípio.
Outro ponto que me agrada bastante na escrita de Conan Doyle é que ele não deixa as pontas soltas, ele entrelaça toda a narrativa, tudo se justifica e se mostra plausível, até mesmo os menores detalhes ganham espaço e significado ao final.

Para os amantes de um bom romance policial sem dúvidas Sherlock Holmes já possui um lugar cativo e acredito que não seja necessário recomendar a leitura. Portanto, indico esse conto para todos que querem ler algo do Conan Doyle, porém ainda não tiveram a oportunidade ou mesmo tem um certo receio em realizar a leitura. Mesmo tendo poucas páginas, o conto é surpreendente e capaz de prender a atenção do leitor.

››