Distopia

[Mês do Terror] Resenha - O Ceifador

19 outubro


Título: O Ceifador
Autor: Neal Shusterman
Editora: Seguinte
Ano: 2017
Páginas: 448

Quando recebi da editora Companhia das Letras do selo Seguinte o livro "A Nuvem" fiquei tão interessada na história que a primeira coisa que fiz foi procurar o primeiro volume da série Scythe, "O Ceifador", para comprar. Assim que chegou eu iniciei a leitura, porém como estava em uma fase não muito boa para leitura, pouco tempo e muitos problemas, acabei colocando o livro um pouquinho de lado, mas assim que fui me restabelecendo retomei a leitura de pronto e não demorei para encerrá-la. Posso afirmar que leitura incrível!

Eu decidi trazer a resenha do primeiro livro no especial de Halloween por ter como tema central a morte, porém não classifico-o como terror, talvez se classifique melhor como distopia. No universo em que a história se apresenta a humanidade se tornou imortal, não existem mais doenças e de tempos em tempos as pessoas podem se restaurar para parecerem mais jovens. Uma grande inteligência artificial, que tudo vê, denominada Nuvem rege a população e possibilita a imortalidade. A única organização que não está diretamente sobre o seu controle da Nuvem é a Ceifa, que são os responsáveis por selecionar quais os humanos irão morrer, sim caros leitores, uma organização para controlar a morte, com a imortalidade uma superpopulação tornaria a vida em sociedade inviável. Os ceifadores são responsáveis por escolher quem irão coletar e precisam cumprir uma "cota" de mortes.

Para fazer parte da Ceifa existe um rigoroso treinamento e para alguém se tornar ceifador é necessário que seja escolhido por um membro da organização. Normalmente, são escolhidas pessoas que não desejam ser ceifadores, porém que possuem boa índole. Foi pensando nisso que o ceifador Faraday decidiu treinar Citra e Rowan, os dois precisam passar por um longo treinamento para então se tornarem ceifadores. Porém, esse percurso não será fácil para nenhum dos dois.

A escrita de Neal Shusterman é simplesmente viciante, flui tão bem que mal percebi o tempo passar e estava tão envolvida com o enredo que as mais de quatrocentas páginas pareceram poucas para tamanha genialidade do autor. Quando mencionei que iria ler a série muitas pessoas me falaram que a leitura era muito boa, mas não consegui imaginar o quanto eu iria gostar.

Citra e Rowan são personagens cativantes, mas os demais personagens que vão ganhando destaque ao longo do livro são igualmente envolventes. É difícil se por no lugar deles que precisam escolher quais as pessoas irão selecionar para por fim a vida, uma profissão que é difícil de se imaginar. O autor consegue expressar isso muito bem em seu livro, as dores, as dificuldades e as dúvidas dos dois jovens que precisam passar por todo um treinamento para se tornarem algo que nunca desejaram.

É difícil escrever distopias originais com tantos livros que precederam com tamanha qualidade e estou dizendo isso pensando nas distopias clássicas. Claro que existem as referências, mas com certeza até o momento a série Scythe se manteve original e me deixou bem satisfeita. Se estou curiosa para ler o segundo volume? A expectativa agora está ainda mais alta e espero que seja atendida. Se recomendo? Claro, se você gosta de distopias essa é uma leitura que irá valer a pena.
››

Globo Alt

Resenha: O Amor nos Tempos do Ouro

17 outubro

Título: O Amor nos Tempos do Ouro
Autor: Marina Carvalho
Editora: Globo Alt
Ano: 2016
Páginas: 328
Classificação: 

O primeiro contato que tive com a escrita da Marina Carvalho foi através do livro Azul da Cor do Mar, que até postei a resenha aqui no blog (clique aqui) e na época que li, gostei bastante. Mas depois de terminar O Amor nos Tempos do Ouro, tive ainda mais certeza que a autora tem um talento nato para romances de época, que entrará na minha lista de livros inesquecíveis.


Cécile é uma jovem de família nobre, que cresceu na França e após a morte dos pais e dos irmãos chega ao Brasil depois de uma longa viagem de navio com a sua dama de companhia Marie. Mesmo sofrendo com a perda da família, seu asqueroso tio Euzébio mal a havia recebido e já havia dado a notícia de que ela se casaria com Euclides, um homem muito rico e dono de muitas terras em Minas Gerais. Assim como Euzébio, Euclides também queria parte da herança de Cécile e ele só conseguiria se casando com ela.

Para levá-la até Vila Rica (atual Ouro Preto), Euclides contrata Fernão, um homem que trabalhava com exploração de minérios, mas também fazia outros trabalhos para Euclides, com o objetivo de conquistar uma vida tranquila financeiramente. Para complicar a vida ainda mais de Cécile,seu tio  Euzébio não permite que ela viaje com a sua dama de companhia e sim com outra. Para completar, Cécile e Fernão não se dão bem, ele por achar que ela seja uma jovem interesseira por estar indo casar com um homem que tem um filho da idade dela, e ela o considera arrogante. Mas durante a viagem na estrada que leva vários dias e com diversas situações que podem colocar a vida de Cécile em perigo, aos poucos eles começam a se aproximar e o maior desejo da moça é que Fernão a salve desse casamento, e a livre de Euclides, mas Fernão sabe que não vai ser fácil para Cécile, pois Euclides é um homem muito perigoso.

O Amor nos Tempos do Ouro é um livro muito bem escrito, pois Marina usa uma linguagem formal com um português mais próximo de Portugal, e é possível perceber o quanto a pesquisa da autora só enriqueceu ainda mais a história. A trama se passa a partir do ano de 1734, a narração é feita em terceira pessoa e em alguns capítulos, aparece a narrativa de Cécile através do seu diário. O livro destaca os perigos em que as estradas do Brasil proporcionavam aos viajantes do século XVI, e também fala da fé católica, predominante no país.

De mundos completamente opostos, Fernão e Cécile tem em comum o anseio pela justiça e a busca pela felicidade e tranquilidade depois de tantos momentos difíceis na vida de ambos. Cécile tem uma bondade genuína, foi criada como uma dama, mas tem ideias modernas de origem francesa. Já o Euclides é um personagem cruel, cuja maldade se destina aos que estão próximo dele e justifica muitas de suas atrocidades pela fé.

O Amor nos Tempos do Ouro foi um livro que me surpreendeu em todos os aspectos e ao final da leitura, fiquei ansiosa para ler A História de Malikah que traz a continuação. Em muitos momentos fiquei emocionada e em outros bem tensa, mas foi impossível não se apaixonar por essa história. Mais uma vez Marina escreveu um livro para ficar guardado no coração de todos os leitores que desejam se apaixonar e conhecer um pouco mais da história do nosso país. Sem dúvidas, uma das minhas melhores leituras do ano que entrou para a lista de favoritos e por isso está mais que recomendado!


››

Parceria

Resenha: Céu sem Estrelas

15 outubro

Título: Céu sem Estrelas
Autor: Iris Figueiredo
Editora: Seguinte
Ano: 2018
Páginas: 360
Classificação: 

Dos três livros lidos da Iris Figueiredo, esse foi sem dúvidas o que mais me surpreendeu e me tocou. Em uma narrativa emocionante e complexa, a autora traça a história de uma jovem que infelizmente não é incomum. Nessa bela trama, que também tem muita dor e medo, somos chamados a acordar do nosso mundo para entender o outro, que imerso em seus pensamentos e solidão, muitas vezes está sobrevivendo em um vazio.


Cecília é uma jovem de 18 anos que acaba sendo mandada embora da livraria em que trabalha exatamente no dia do seu aniversário e mesmo sabendo que era um emprego temporário, ela não podia voltar para casa sabendo que seria repreendida pela mãe, já que as duas não eram muito próximas e sua mãe também não fazia questão de se aproximar dela. Para não deixar o seu aniversário passar em branco, ela e seus amigos vão para o bar e mesmo não tendo o costume de beber, Cecília acompanha Iasmin e ambas ficam completamente bêbadas.

Porém Cecília nem imagina tudo o que está prestes a acontecer na sua vida, e mesmo tendo conseguido entrar na faculdade para fazer Desenho Industrial, ela precisa encarar a sua mãe para contar sobre a demissão, não aceita que a mãe tenha que conviver com o seu padrasto que na maioria das vezes só piora a relação entre elas e com o desentendimento que ocorre entre ela e sua família, é na casa de Iasmin que ela decide ficar.

E em meio a tudo isso Bernardo aparece. Ele é o irmão da Iasmin e Cecília é apaixonada por ele desde o colégio e aos poucos ele tem se aproximado para ajudá-la, mas ela acredita que ele jamais irá olhá-la com outros olhos. Ela não consegue se ver  merecendo esses momentos de felicidade, visto que sua auto-estima é baixa, e para ela as pessoas não a aceitam como ela é e ela também não e aos poucos ela tem a impressão de que a escuridão tem tomado cada vez mais espaço em sua vida.

Céu sem Estrelas é um livro que traz diversos temas e fala sobre a saúde mental. Retrata a dificuldade de encontrar um lugar no mundo quando tudo parece estar contra, que muitas vezes não é possível controlar a agressividade por mais que se tente e que a tristeza que aparenta ser infinita está ali presente a todo o momento. Cecília é uma personagem intensa e ao mesmo tempo tem que lidar com seus fantasmas, mesmo sem ter forças para lutar contra eles. É um livro que fala sobre a dificuldade em lidar com a aceitação, a baixa auto-estima e a dor.

A narrativa é na primeira pessoa e é alternada entre Cecília e Bernardo. Assim como Cecília, Bernardo precisa lidar com seus problemas familiares, a falta de verdadeiros amigos, e o esforço para não ganhar tudo nas mãos. Ambos encaram a vida de forma completamente diferente, mas Bernardo busca compreender Cecília e o amor pelos livros é algo que eles têm em comum.

Céu sem Estrelas é um livro que vale a pena ser lido por aqueles que apreciam tramas complexas, que falam sobre a saúde mental. É um livro que nos leva a refletir, emociona, e também a questionar sobre o quanto temos pensado em cuidar do outro e se temos de fato dedicado a nossa atenção para ser mais compreensivo com aqueles que precisam da nossa escuta. Portanto, para quem gosta ou procura um Young Adult mais intenso, esse é o livro que recomendo!


››

Filmes

Filmes: Especial dia das crianças

12 outubro


Tá na hora, tá na hora, tá na hora de brincar!!

Olá Galerinha! Tudo bem com vocês? Espero que sim!
O dia das crianças finalmente chegou!
Hoje é um dia muito alegre, divertido e especial! Para deixar essa data mais empolgante que tal assistir um filmezinho bem legal? Não importa a idade, todos podem assistir juntos, deixe a criança interior falar mais alto. Se liga nas dicas abaixo:
 
#CADA UM NA SUA CASA


Sinopse: O planeta Terra foi invadido por seres extra-terrestres, os Boov, que estão em busca de um novo planeta para chamar de lar. Eles convivem com os humanos pacificamente, que não sabem de sua existência. Entretanto, um dia a jovem adolescente Tip encontra o alien Oh, que foi banido pelos Boov devido às várias trapalhadas causadas por ele. Os dois logo embarcam em uma aventura onde aprendem bastante sobre as relações intergalácticas.


#ZOOTOPIA: ESSA CIDADE É O BICHO


Sinopse: Judy Hopps é a pequena coelha de uma fazenda isolada, filha de agricultores que plantam cenouras há décadas. Mas ela tem sonhos maiores: pretende se mudar para a cidade grande, Zootopia, onde todas as espécies de animais convivem em harmonia, na intenção de se tornar a primeira coelha policial. Judy enfrenta o preconceito e as manipulações dos outros animais, mas conta com a ajuda inesperada da raposa Nick Wilde, conhecida por sua malícia e suas infrações. A inesperada dupla se dedica à busca de um animal desaparecido, descobrindo uma conspiração que afeta toda a cidade.



#
MOANA: UM MAR DE AVENTURAS


Sinopse:
Moana Waialiki é uma corajosa jovem, filha do chefe de uma tribo na Oceania, vinda de uma longa linhagem de navegadores. Querendo descobrir mais sobre seu passado e ajudar a família, ela resolve partir em busca de seus ancestrais, habitantes de uma ilha mítica que ninguém sabe onde é. Acompanhada pelo lendário semideus Maui, Moana começa sua jornada em mar aberto, onde enfrenta terríveis criaturas marinhas e descobre histórias do submundo.


#SING: QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA


Sinopse: Um empolgado coala chamado Buster decide criar uma competição de canto para aumentar os rendimentos de seu antigo teatro. A disputa movimenta o mundo animal e promove a revelação de diversos talentos da cidade, todos de olho nos 15 minutos de fama e US$ 100 mil dólares de prêmio.


#DIVERTIDA MENTE

 
Sinopse: Riley é uma garota divertida de 11 anos de idade, que deve enfrentar mudanças importantes em sua vida quando seus pais decidem deixar a sua cidade natal, no estado de Minnesota, para viver em San Francisco. Dentro do cérebro de Riley, convivem várias emoções diferentes, como a Alegria, o Medo, a Raiva, o Nojinho e a Tristeza. A líder deles é Alegria, que se esforça bastante para fazer com que a vida de Riley seja sempre feliz. Entretanto, uma confusão na sala de controle faz com que ela e Tristeza sejam expelidas para fora do local. Agora, elas precisam percorrer as várias ilhas existentes nos pensamentos de Riley para que possam retornar à sala de controle - e, enquanto isto não acontece, a vida da garota muda radicalmente. Trailer: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-196960/trailer-19541405/

#VALENTE


Sinopse: A jovem princesa Merida foi criada pela mãe para ser a sucessora perfeita ao cargo de rainha, seguindo a etiqueta e os costumes do reino. Mas a garota dos cabelos rebeldes não tem a menor vocação para esta vida traçada, preferindo cavalgar pelas planícies selvagens da Escócia e praticar o seu esporte favorito, o tiro ao arco. Quando uma competição é organizada contra a sua vontade, para escolher seu futuro marido, Merida decide recorrer à ajuda de uma bruxa, a quem pede que sua mãe mude. Mas quando o feitiço surte efeito, a transformação da rainha não é exatamente o que Merida imaginava... Agora caberá à jovem ajudar a sua mãe e impedir que o reino entre em guerra com os povos vizinhos.


Bom galerinha, espero que tenham gostado!
Aproveite bastante às dicas e se divirta. Lembre-se que ainda teremos muitos filmes rolando por aqui. Até a próxima!

Feliz dia das crianças!!
                  



››

Novo Século

Resenha: Anexos

10 outubro

Título: Anexos
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
Páginas: 368
Ano: 2014

Estou em uma fase que decidi conhecer o trabalho de Rainbow Rowell, comecei lendo "Eleanor & Park" que é um livro mais voltado para o público jovem em geral e agora li Anexos (o primeiro romance escrito pela autora), dessa vez não foi diferente e adorei a leitura. "Anexos" é um chick-lit bem humorado e com personagens incríveis.

Jennifer e Beth trabalham para um jornal, as duas são amigas e estão sempre trocando e-mails pessoais no horário de trabalho. Como as duas falam sobre tudo, seus e-mails acabam caindo muitas vezes nos filtros predefinidos pela política da empresa. Como consequência, Lincoln a pessoa responsável por fazer a vistoria dos e-mails, acaba conhecendo as duas, não pessoalmente e sim através do que elas escrevem. O que ele não contava era que se apaixonaria por Beth sem nunca tê-lo vista, ele se apaixona pela pessoa que ela é e não por sua aparência física. Lincoln anseia por se aproximar de Beth, mas como fazer isso sem que ela o ache estranho por ler seus e-mails? Além disso, Lincoln precisa enfrentar outras questões antes de tentar se aproximar de Beth.

Durante a leitura dei boas gargalhadas, Jennifer e Beth são muito engraçadas e sarcásticas, os e-mails trocados pelas duas são divertidíssimos e me fez desejar ser amiga delas. Elas falam sobre tudo, são sinceras uma com a outra e vivem momentos totalmente distintos, mas se completam. Fiquei imaginando o tempo todo como esse livro seria um ótimo filme, daqueles que nunca nos cansamos de ver.

A forma como o livro é estruturado me agradou, em grande parte é narrado por Lincoln e os capítulos são alternados pelos e-mails trocados por Beth e Jennifer. A estrutura me permitiu imaginar os dois lados da história com perfeição.

Esse livro me fez relembrar o quanto é bom ler chick-lit, o quanto uma leitura leve e despreocupada faz bem. Eu estava passando por uma fase em que não conseguia terminar as leituras que começava e por fim, essa leitura me ajudou a superar esse momento.

››

Generale

Resenha: Confissões On-line 2

08 outubro

                                     Título: Confissões On-line 2: Entre o Real e o Virtual
Autora: Iris Figueiredo
Editora: Generale
Ano: 2015
Páginas: 216
Classificação: 

Obs: Esse livro é continuação de Confissões On-line, que já tem a resenha no blog (clique aqui). Essa resenha tem alguns spoilers, então recomendo a leitura do anterior.

Depois de finalmente ter formado no ensino médio após um ano muito complicado na escola, Mariana teve a oportunidade de realizar o seu grande sonho fazendo o intercâmbio em Toronto, no Canadá, e tudo isso por causa do sucesso dos seus vídeos em seu canal Marinando que tinha mais seguidores a cada dia, e chamaram a atenção de uma empresa de intercâmbio que contribuía com essa viagem, e ela fazia os vídeos dos lugares que visitava.

Ao retornar ao Brasil, Mariana está com uma imensa saudade do seu namorado Arthur, mas ele não apareceu no aeroporto para buscá-la, para completar sua preocupação, sua amiga Carina tinha passado na universidade e ia morar em São Paulo, mesmo enfrentando problemas com os transtornos alimentares. Em meio a tudo isso, ela tem uma nova amiga que conheceu no intercâmbio, a Pilar, que a ajuda em muitos momentos difíceis da sua vida.

Com o casamento de sua irmã Melissa se aproximando, o sucesso que o seu canal Marinando faz, e agora a preocupação com o seu relacionamento e o vestibular que ela ainda nem sabe qual profissão escolher, Mariana precisa tomar novas decisões, enfrentar novos desafios, principalmente com o seu canal, que se torna um lugar cheio de conflitos e ela precisa estar pronta para dar a volta por cima mediante a tudo que está acontecendo.

Confissões Online 2 foi uma grata surpresa, e em relação ao primeiro livro, gostei muito mais desse. Diante dessa nova realidade, Mariana amadurece bastante e começa a perceber que a vida virtual pode ser tão dura quanto a real, e que nem tudo que há na internet pode de fato acrescentar algo de bom em nossa vida.

Ler esse livro foi visualizar cada momento em que vivemos hoje nessa era digital. Há comentários maldosos em todas as redes sociais e muitas dessas pessoas se escondem por trás de um perfil falso, que só foi criado para denegrir quem está do outro lado. É importante também parar e pensar o quanto somos influenciados pelas opiniões dos outros e quais são as nossas ações mediante a esses ataques virtuais.

Gostei muito da forma como a autora abordou esse julgamento, que é feito a partir do que vemos na rede, sem conviver de fato com a pessoa que está do outro lado. Mariana enfrenta problemas reais, como as preocupações com o vestibular, a separação da irmã que vai sair de casa, a dificuldade em ajudar uma amiga com transtornos alimentares, de conviver em um relacionamento e tantos outros. Outro ponto muito bem colocado foram as mentiras espalhadas virtualmente e como elas são propagadas rapidamente sem questionamentos ou julgamentos, muitas vezes somente com o objetivo de alcançar novos seguidores ou profanar a imagem de alguém.

Confissões On-line 2 foi um livro que me fez pensar bastante a respeito desse mundo atual em que vivemos. Apesar de ter gostado muito da trama, senti falta de uma maior exploração em relação a viagem do Canadá, do qual a personagem esperou tanto tempo e tem pouquíssimos detalhes sobre ela. Também achei que a família da Carina foi muito negligente em relação ao transtorno alimentar, como assim não perceber o que a filha estava passando?

Confissões On-line 2 é um livro que recomendo para aqueles que apreciam um bom Young Adult com várias temáticas que abordam a realidade atual, incluindo o mundo virtual que cada vez mais faz parte do nosso cotidiano. Durante a leitura, é impossível não parar para pensar, reavaliar algumas questões e se identificar em muitos momentos com esses personagens tão reais. Vale a pena a leitura!



››

DarkSide

Te Conto um Conto [Mês do Terror]: O Baile da Morte Vermelha - Edgar Allan Poe

05 outubro


Fala aí queridos Rascunheiros,

Como vocês já devem ter percebido, eu amo esse mês e gosto muito do Halloween, principalmente porque eu associo alguns dos melhores momentos na vida a leituras/jogos de terror que já experimentei. E como não tem sido diferente, eu vim aqui trazer pra vocês uma coletânea de contos do nosso ilustríssimo Edgar Allan Poe, contidos na obra Medo Clássico, publicada pela editora Darkside. Essa obra consiste numa coletânea de trabalhos do autor (não contém todos porque são muitos) e é uma edição para se colecionar, visto que tem um trabalho editorial impecável, com capa dura, ótima diagramação, detalhes em fio de ouro e outras cositas mas.

Como eu já havia lido alguns dos primeiros contos, abri este livro diretamente no primeiro que eu não conhecia, aqui chamado de "O Baile da Morte Vermelha". Em outras traduções é chamado também de "A Máscara Vermelha da Morte", uma tradução literal do título original. Neste conto muito curto (menos de 10 páginas neste livro), vemos aquele tom extremamente sombrio e mórbido, característica ímpar de Poe na medida em que ele traz uma história que aborda a peste. Num período da história da humanidade em que surgiram as cidades e as mesmas começaram a ganhar massa populacional, frequentemente a raça humana se via vítima de mini eventos de extinção, dado que a higiene e o saneamento eram precários e as aglomerações facilitavam a disseminação das doenças rapidamente. 

O exemplo mais conhecido foi a peste negra, um evento que chegou a dizimar cerca de um terço da população da Europa da idade média. Neste conto Poe usa de evento semelhante, e com o surgimento e avanço da peste, o protagonista Príncipe Próspero se isola em um castelo com cortesãos e gente da alta sociedade, como uma forma de quarentena invertida, em que se isolaram os indivíduos ricos/nobres saudáveis do resto do mundo. Vivendo isolados do resto do mundo e no luxo habitual, o príncipe planejou um baile de máscaras para entretenimento dos confinados. E aí entra toda a morbidez típica de Poe. A descrição do baile mais parece um mausoléu do que uma festa. E há o maldito relógio de pêndulo. Como o conto é curto, não posso contar mais para não estragar o final, mas admito que nem toda obra de um grande autor é uma grande obra. Este é o caso com O Baile da Morte Vermelha, que nem de longe se iguala à qualidade de outras obras do autor. Não digo que foi uma experiência ruim, mas também não impressiona. Difícil dizer, mas acredito que tenha sido mal desenvolvida, poderia ganhar mais umas páginas e surgir um final melhor. Uma pena. Creio que os próximos contos agradarão mais.

De toda forma, é válida como experiência de conhecer a obra completa do autor, além de ser bem curtinha e não se tornar um arrependimento pelo tempo curto gasto.
Até a próxima pessoal, comentem aí se já leram algo do autor e se gostaram.

››

Facebook