Eu estava bem empolgada para ler esse livro depois de ficar muito tempo sem ler romances históricos e posso dizer que ele foi uma grata surpresa, sendo bem diferente do que eu esperava. Foi o primeiro livro que li da Sarah MacLean e posso dizer que é um romance maravilhoso e surpreendente, bem diferente de outros romances históricos que já li. Com personagens bem interessantes Nove Regras a Ignorar Antes de se Apaixonar passou a fazer parte da minha lista de favoritos.
Aos 28 anos, Lady Calpúrnia continua solteira acompanhando sua irmã Mariana nos bailes enquanto fica nos cantos na companhia das solteironas. Ela não consegue se esquecer do Marquês de Ralston desde que tinha 18 anos e saiu correndo do baile depois de mais uma temporada fracassada e sem propostas decentes para um bom casamento. Naquela noite em que ela o encontrou, ele a elogiou e fez com que ela se sentisse linda pela primeira vez. Mas sua felicidade durou pouco desde que ela o viu com a amante em atos impróprios.
Ao contrário de Callie, Mariana é conhecida como a Beldade Allendale e chama a atenção de todos os homens da sociedade. Ela está noiva do duque de Ravington e em breve estará casada com ele. Callie que não se sente bonita, passa os dias lendo livros e sonhando com o Marquês de Ralston como o personagem principal das estórias.
Por sugestão de Callie, sua mãe organiza uma festa de noivado para Mariana com a família do duque. Durante a festa, Callie fica magoada por tantas pessoas a lembrarem de que ela é uma solteirona e o pior acontece quando ela escuta uma conversa entre o duque e sua irmã que parecem estar decidindo o seu futuro. Porém, tudo parece mudar quando seu irmão Benedick a desafia a fazer coisas que ela nunca teve coragem devido ao seu recato. E é a partir desse momento que Callie cria uma lista com nove desejos incluindo aqueles que eram proibidos para as mulheres da época. Apesar de achar difícil, ela já sabe que o primeiro será uma luta: Beijar alguém apaixonadamente.
Então, no meio da noite ela cria coragem e vai escondida até a casa do Marquês de Raston. Apesar de ser confundida com uma das mulheres que ele relaciona, ela chega até ele e pede-lhe um beijo. E ele pede outro favor em troca: que ela seja tutora de sua meia irmã que havia chegado há pouco tempo em sua casa.
Nove Regras a Ignorar Antes de se Apaixonar é um romance histórico incrível que me fez encantar ainda mais por esse gênero. Nem sei como explicar o quanto Lorde Ralston me encantou com seu jeito. A conexão que existe entre eles é maravilhosa fazendo dos momentos em que eles estão juntos engraçados e ao mesmo tempo apaixonantes.
Callie é uma personagem forte e independente que não desiste de correr atrás daquilo que quer, mesmo parecendo ser impossível de acontecer. Com determinação e coragem, ela luta para sair da sua vida pacata e realizar sua lista de desejos.
Para quem gosta de romances históricos, esse é a indicação perfeita só pela personalidade marcante dos personagens. Portanto, se você procura um livro com aventuras, situações divertidas, romance e personagens inesquecíveis esse é o livro que eu indico para você!
››


Esse livro chamou a minha atenção desde que a Editora Arqueiro anunciou o lançamento da obra. Sempre gostei de contos de fadas, então não tive dúvidas de que queria ler esse livro. Apesar de ser uma adaptação do conto A Bela Adormecida, o livro foi completamente diferente do que eu esperava. Quem é a protagonista do livro é a Elise, uma criada do castelo que acompanhou bem de perto a real história de Rosa.
Elise era uma garota extremamente pobre que morava em uma fazenda com seus pais e cinco irmãos. Sua mãe tentava dar-lhe uma boa educação, pois havia sido costureira no castelo de St Elsip. Elise sonhava com o castelo e com uma vida melhor do que a que ela levava. Imaginava-se no meio das damas e cavalheiros, vivendo dias melhores, mesmo diante das dificuldades em que se encontrava.
Acompanhando sua mãe até a feira em uma determinada manhã, Elise foi chamada de bastarda por um garoto que ela desconhecia. Mesmo sem sua mãe querer tocar nesse assunto, ela revelou a filha o motivo pelo qual ela havia saído do castelo e que o Sr. Dalriss não era o seu verdadeiro pai.
Os anos foram passando e com os temporais que os campos sofriam, os animais da fazenda começaram a morrer de varíola. Não levou muito tempo para que a doença chegasse em Elise também. Durante dias ela ficou deitada como se a qualquer momento ela fosse morrer, porém esse não foi o seu destino. Em casa, somente o seu pai de criação e seu irmão haviam sobrevivido.
Elise decidiu ir embora de casa e ficar com sua tia Agna até ir para o castelo. Durante os dias em que ela passa lá, conhece o sapateiro que tem um filho chamado Marcos que apesar de ser muito quieto, chamou a sua atenção. Ao chegar no castelo, Elise começa seu trabalho como camareira e torna-se amiga de Petra, uma garota de bom coração que também trabalha no castelo. Porém com o tempo e muita dedicação, Elise chama a atenção da rainha e passa a ser sua criada despertando muita inveja nos arredores do castelo.
Elise tenta apaziguar a dor da rainha Lenore que há anos tenta engravidar, mas parece ter perdido as esperanças. Em meio ao seu trabalho, ela conhece Millicent, que é tia do rei e aos poucos vai ganhando a confiança da jovem conforme o tempo vai passando. Quando a rainha finalmente engravida, a esperança retorna ao rei que não se conformava em deixar o reino para o Príncipe Bowen. Com Millicent cada vez mais perto da rainha, suas influências passam a ser tão grandes que o rei decide bani-la do castelo.
Ninguém sabia de Millicent até o batizado de Rosa em que ela aparece lançando uma maldição sobre a criança que deixaria todos do castelo com medo, enquanto Rosa crescia como se estivesse em uma gaiola cercada de proteção...
Enquanto Bela Dormia é um livro intrigante e ao mesmo tempo maravilhoso. Durante a leitura sofri um turbilhão de emoções por não saber o que esperar na próxima página. Eu esperava que fosse só uma adaptação da Bela Adormecida, mas foi muito mais que isso. Muito bem escrito, ele tem a sua própria originalidade. Não há magia como nos contos de fadas e bruxas, somente a realidade e é a partir dela que as coisas acontecem. Enquanto Millecent incorpora a bruxa má, sua irmã Flora é a boa que faz uma promessa para salvar Rosa. Apesar de não ter a magia em si, o medo e a escuridão existem e são elementos que fazem parte da trama de forma assustadora me levando a viajar durante a leitura de forma intensa e angustiante. Não há só as pessoas boas e  ruins, as doenças, o medo, a dor também são os grandes vilões desse livro.
Enquanto Bela  Dormia é um livro histórico e ao mesmo tempo muito real que foge completamente da beleza da doce narrativa dos contos de fadas. É um livro com pessoas comuns que tentam encontrar a esperança em cada página lida. Não há como não ficar intrigada, pois a cada página o desejo de saber o que vai acontecer aumenta cada vez mais. É um livro que recomendo sem dúvidas para quem procura uma narrativa mais intensa e ao mesmo tempo incrível. 
››



Esse livro foi uma daquelas surpresas boas, uma leitura extremamente agradável, fluída e mágica. Como não amar? A edição está incrível, o livro é ilustrado com fotos antigas reais do acervo do autor, lógico que com alguns retoques, mas todas fantásticas, nos permite viajar na história e conhecer melhor os personagens. Eu adoro ficção fantástica, apesar do livro ser infanto-juvenil me encantou e a leitura foi bem rápida.
Quando eu vi esse livro pela primeira vez achei o título grande e não me chamou a atenção, me questionei em relação as crianças peculiares achei um pouco estranho, mas nem li a sinopse. Algum tempo depois eu vi que estavam lançando a continuação “Cidade dos Etéreos” e então eu li a sinopse e comecei a ter interesse pelo mesmo. A pouco tempo atrás lançaram o trailer oficial do filme homônimo e então eu percebi que precisava ler o mais rápido possível. Vou falar um pouco sobre o livro, é um pouco difícil não escrever spoilers porque tudo na história está interligado.
O avô de Jacob, Abraham Portman, era apenas uma criança quando a segunda guerra começou, ele nasceu na Polônia e aos cinco anos fora enviado para um orfanato no País de Gales. Quando cresceu Portman lutou na guerra, foi artista de circo e estava sempre vivendo grandes aventuras. Desde criança Jacob ouvia as histórias fantásticas do seu avô sobre as crianças que conhecera no orfanato e sobre a diretora que cuidava delas. Porém, o orfanato em que ele viveu não era um simples orfanato, era um tanto digamos peculiar, as crianças que viviam lá eram especiais, possuíam poderes sobrenaturais. Existiam crianças que podiam levitar, outras que eram extremamente fortes, outras eram invisíveis, outras manipulavam fogo e tantas outras cada uma com um talento especial. Portman guardava em uma caixa fotografias dessas crianças e mostrava para o seu neto, que ficava encantado com tudo aquilo. A medida em que Jacob crescia ele passou a desconfiar das incríveis histórias contadas pelo avô e se questionar o que era de fato verdade. Até o dia que seu avô sofre um atentado, quando Jacob o encontrou caído na floresta avistou um ser estranho próximo ao avô, esse possuía tentáculos saindo da boca e ele não tinha dúvidas que era quem tinha atacado o seu avô.
A aventura de Jacob começa com a ultima coisa que seu avô lhe disse, ele precisava encontrar um determinado local para então desvendar todo o passado do avô. Com a finalidade de se convencer e distinguir o que é real e o que é fantasia ele chega até a pequena ilha onde se encontrava o orfanato da Srta. Peregrine e então começa a sua busca por verdades.
Ler esse livro foi como se visitasse a minha infância, eu realizei a leitura com o olhar de uma criança. Me lembrou também um pouco a história dos Goonies, não no conteúdo, mas no fato de ser um grupo de amigos (crianças) vivendo uma grande aventura. O livro é narrado pelo Jacob, ele é um típico adolescente, vivendo as crises da idade e se questionando sobre o que de fato é real e o que é imaginação. Ele inicia um tratamento psiquiátrico e é diagnosticado com reação aguda ao estresse pós-traumático e vive momentos de tensão e medo antes de se aventurar no passado do avô.
Como em todos os livros nem tudo foi perfeito e tem seus defeitos também, eu achei o vilão previsível, em um certo momento da história eu imaginava quem era e não achei que os objetivos dele era uma justificativa muito boa. Porém, com o gancho do deixado ao final do livro um pode ser que esse aspecto melhore em sua sequência.
Como eu já mencionei no início as fotos garantem que a nossa imaginação flua, e que se tenha uma imagem perfeita das intenções do autor. As fotos conferem uma autenticidade única ao livro.  A edição sem dúvidas ficou muito boa. O segundo volume foi publicado pela editora Intrínseca no Brasil e pelo que eu vi em fotos, eu ainda não tenho, achei um pouco mais caprichada principalmente por ser capa dura.
Toda criança imagina um mundo mágico, onde tem poderes e tudo é fantástico e esse livro possui bem esses detalhes. Pelo que assisti no trailer lançado recentemente esse aspecto não fica para trás, a direção é de Tim Burton, já pelo trailer é possível notar que algumas coisas serão bem diferentes do livro, e quando for lançado poderemos fazer um comparativo entre os dois, por enquanto aguardamos com expectativa.
Enfim, eu adorei as crianças peculiares e indico o livro para pessoas que gostam de ficção fantástica narrada por crianças. Se você já leu esse livro conte nos comentários o que achou. Se ainda não leu deixe a sua opinião.

››



Conheci a autora Jojo Moyes através do livro “Como eu era antes de você” e gostei bastante do primeiro contato com suas obras. Esse é o terceiro livro que leio dela ganhei ele em um sorteio do Skoob, porém demorei um pouco para iniciar a leitura. A sinopse não retrata muito bem o tema que será abordado no livro, a leitura é um tanto lenta, acaba focando em fatos não tão importantes. Três mulheres da mesma família, três gerações, relacionamentos frios e distantes, personalidades distintas, mas ao mesmo tempo nos surpreende com algumas semelhanças.
Tudo começa em 1953, ano da coroação da rainha Elizabeth II, em Hong Kong, a jovem Joy conhece Edward Ballantyne no momento em que todos estão reunidos para ouvir a coroação da Rainha pelo rádio, no dia seguinte já estão apaixonados e noivos.
Em seguida no ano de 1997 conhecemos Kate e Sabine, o relacionamento de mãe e filha não está nada fácil, Kate sempre quis ser amiga de sua filha e não entende como as duas não conseguem ter uma relação de amizade.  Sabine não compreende como a mãe transita de um relacionamento para outro com a maior facilidade e a condena por isso, ela sempre esperou que a mãe fosse menos dependente dos relacionamentos, fosse uma mulher de decisão e não complicasse tanto a vida das duas. Kate tentando minimizar os danos do ultimo relacionamento fracassado decide afastar Sabine por um tempo enviando-a para passar férias na Irlanda com os seus avós, com quem não teve praticamente nenhum contato durante toda a sua vida.
Quando Kate engravidou ela tinha apenas dezoito anos e essa ato foi considerado como uma rebeldia de sua parte, como consequência se afastou de sua família e mudou-se da Irlanda para Londres na Inglaterra. Ela criou Sabine distante de seus avós, sem criar vínculos e principalmente a criou em moldes totalmente diferentes do que a sua vida na Irlanda.
A adaptação de Sabine a vida no campo é complicada a principio, seus avós são cheios de regras e parecem nem se importar com a presença da neta, não demonstram afeto, aumentando o rancor que sente da mãe por tê-la mandado para a Irlanda. Seus avós são Joy e Edward (o casal que conhecemos no início do livro) e bem lentamente vamos nos familiarizando com a história de amor dos dois. Eles já estão idosos, Edward enfrenta problemas de saúde e está cada vez mais frágil, porém Joy continua sendo aquela mulher forte e imponente do dia em que se conheceram.
Até Sabine se acostumar e começar a compreender os avós demora bastante o que acaba deixando o desenvolvimento do livro um pouco cansativo. Muitos fatos pequenos acabam ganhando um grande destaque e os fatos importantes acabam ficando em segundo plano. O clímax do livro se dá apenas no final, quando aconteceram os fatos que considerei o ponto forte da história. Como já disse alguns fatos ficaram rasos e eu acho que mereciam um pouco mais de atenção, a família Ballantyne teve seus momentos difíceis, porém o foco acaba sendo os momentos de rebeldia da neta Sabine.
Enfim, o livro retrata bem uma família com dificuldades para ter bons relacionamentos, você consegue compreender e ter simpatia por eles, fala ainda de amor incondicional, de escolhas e perdão. Esse livro não se tornou o meu favorito da autora, mas considerei a leitura válida, do meio para o final a leitura fica mais fácil e te chama mais a atenção. Para os amantes da escrita da Jojo Moyes recomendo a leitura desse livro que foi o primeiro publicado dela. Para quem ainda não leu nenhum livro da autora recomendo que comecem ou com Como eu era antes de você ou com A Garota que você deixou para trás.

Alguém aí já leu o livro? Se sim, conte nos comentários o que achou. Se você não leu, conte-nos o que achou da resenha, queremos saber a opinião de vocês.
››


Movida pela curiosidade de conhecer algum livro da autora Gayle Forman comecei a ler “O que há de estranho em mim”. Já havia ouvido falar muito bem sobre o trabalho da autora e já conhecia o filme inspirado em uma de suas obras, porém ainda não tinha lido nenhum livro dela. A leitura foi bem tranquila e bem rápida, com uma escrita clara, traz a temática adolescente, fala sobre rebeldia, sonhos, terapia para adolescentes, o fato de muitas vezes não serem ouvidos e sobre acreditar em si mesmo.
Brit tem dezesseis anos e assim como a maioria dos adolescentes vive conflitos tanto com a sua família quanto consigo mesma. Após o casamento do seu pai com a segunda esposa, Brit ganho uma madrasta e um irmãozinho, porém o relacionamento com a madrasta não é bom, por isso ela evita de ficar muito tempo em casa, ela prefere ficar ensaiando com a sua banda. O seu sonho é ser uma estrela do rock, mas vê seu sonho interrompido após ser mandada pelo pai para o internato Red Rock. Ele leva-a para o internato sem o seu consentimento dizendo que irão fazer uma viagem em família para o Grand Canyon. Lá Brit se depara com métodos de terapia questionáveis que fazem mais mal do que bem, como consequência ela se fecha ainda mais e não permite a aproximação dos conselheiros. É em beira ao colapso que ela encontra V, Bebe, Martha e Cassie e logo desenvolvem uma amizade verdadeira, que as salvam da depressão do lugar. Elas buscam maneiras de mostrar aos pais que por mais que as intenções deles sejam boas o internato não é a solução para os problemas que estão enfrentando.
A autora durante um trabalho para a revista Seventeen escreveu uma matéria sobre os reformatórios comportamentais, entrevistou muitos adolescentes que passaram por tais instituições e os pais. Esse trabalho inspirou Gayle a escrever essa obra de ficção, onde ela ligou vários aspectos desses reformatórios e criou o Red Rock. Esse livro nos levanta o questionamento sobre o relacionamento de pais e filhos adolescentes e os problemas recorrentes nessa fase. É fato que muitos adolescentes se envolvem com drogas, álcool, são violentos, entre tantos outros problemas, mas qual o melhor caminho a seguir?
Muitos adolescentes nessa fase precisam de ajuda profissional, precisam de pessoas que os compreenda, ofereçam assistência e carinho. Precisam de ajuda profissional qualificada, que irá conduzir sessões de terapias que apresentaram resultados. Os pais acreditam fielmente que estão fazendo o melhor para os filhos enviando-os para os reformatórios, mas acabam percebendo por relatos dos próprios filhos, notícias de jornais ou até mesmo quando as instituições são investigadas pela polícia que não é o melhor caminho a se tomar.
No caso dos livro são apresentado jovens que simplesmente não são compreendidas e não precisam de fato está em um internato, geralmente elas passaram por situações traumáticas que devem ser resolvidas com o dialogo aberto, com carinho e amor. Para se libertarem dessa situação elas precisam provar para os pais que os métodos utilizados não provocam bons resultados, as condições em que são mantidas não são adequadas e as terapias aplicadas são ultrapassados e só pioram a situação.

Enfim, esse é um livro que aborda temas não tão habituais e a forma como as pessoas precisam se adequar a padrões para serem bem vistas pela sociedade. Apesar de ser voltado para adolescentes acredito que todos deveriam ler. Muitas vezes a solução para os problemas enfrentados é mais simples do que se imagina, não estou dizendo que não existem problemas graves nessa fase, pelo contrário, a questão é saber identificá-los e descobrir juntos, pais e filhos, qual a melhor opção e o melhor tratamento, afinal cada caso é um caso. Concluindo foi uma leitura válida, agradável e me prendeu bastante.
››


Esse é um dos livros que eu leria só de olhar a capa, sem dúvida. Porém, o que me chamou a atenção foi o número de comentários maravilhosos que eu vi a respeito dele. Posso afirmar tranquilamente que foi uma das minhas melhores leituras e entrou para a minha lista de favoritos. É um livro nacional muito bem escrito que achei encantador.
Francesca Wiggs é atriz e resolve passar um tempo longe dos palcos após sofrer uma decepção amorosa com Vicent que foi seu namorado durante três anos e era seu diretor. Ela já havia sido decepcionada pelo pai e agora mais uma vez pelo homem que amava. Longe dos teatros ela se dedica ao seu livro, já que a escrita é uma das suas paixões.
Mitchell Petrucci é um homem bem sucedido, arrogante e dono de um negócio multimilionário e estava indo jantar com a atual namorada na casa da mãe. Porém, ele teve que sair mais cedo para uma reunião e sofreu um grave acidente que o deixou em coma.
Para tentar se curar das decepções, Francesca se inscreve no hospital em um novo projeto para ler livros para pacientes em coma. Lá, ela encontra Mitchell e começa a ler o livro que ela está escrevendo para ele. No inicio, ela passava pouco tempo, mas ao estar ali e perceber que ele estava sozinho, que todas as pessoas pareciam tê-lo abandonado, apesar de ser um homem tão importante, ela começa a passar mais tempo justificando para si mesma que só desejava a melhora de Mitchell. O tempo vai passando e Francesca passa por uma situação desesperadora por querer estar mais próxima dele a cada dia que passa, angustiada por saber se ele vai ou não acordar, sem admitir para si mesma que estava completamente apaixonada por ele.
Porém, ela não sabe como vai ser quando ele acordar e a cada dia ela vive a angústia da silenciosa espera por um amor que depende mais de Mitchell e suas lembranças inconscientes do que dela.
Entre o Amor e o Silêncio é um livro comovente e ao mesmo tempo angustiante. Cada página que eu passava durante a leitura, eu imaginava o sofrimento de Francesca. Apaixonar-se por um paciente em coma que vive o silêncio de cada dia é desesperador, pois ela não sabia o que aconteceria quando ele acordasse. Francesca vive cada momento do amor sincero, de estar ali sem esperar nada em troca, só querendo estar ao lado de Mitchell.
Apesar de ser um livro longo, vale a pena cada página lida. Li em três dias, em todo os momentos livres que eu tinha só para saber um pouco mais dessa história tão incrível e que foi indicada por tantas pessoas.
Apesar de trazer um tema bem diferente, ele assume o clichê romântico que todas a maioria das histórias de amor tem, sem deixar de ser lindo. Vale a pena cada momento! Recomendo!
››


Assisti Matilda inúmeras vezes quando eu era criança. Os poderes mágicos, a paixão pela leitura e a inteligência fazem de Matilda uma das personagens inesquecíveis de filmes infantis. Depois de muitos anos, tive a oportunidade de finalmente ler esse livro e relembrar do filme que foi marcante em muitas tardes da minha infância.
Matilda é uma criança extremamente inteligente, que tem pais que não se importam nem um pouco com ela e a ignoram o tempo todo. Ao contrário das outras crianças, Matilda sabia falar perfeitamente, ler muito bem e passou a frequentar a biblioteca perto de sua casa ainda muito pequena enquanto seus pais e seu irmão estavam fora de casa.
Matilda mergulhava nos livros, mas com a falta de compreensão do pai mediante as suas leituras, ela passa a guardar um rancor dentro dela e deseja se vingar dele. Ela elabora vários planos na esperança de que seu pai diminua a arrogância que ele tem em relação a ela.
Apesar de sua inteligência, Matilda foi para a escola somente com cinco anos e meio e lá ela conhece a Srta. Mel, uma professora bondosa por quem Matilda tem um grande carinho. No início das aulas,  a Srta. Mel percebe que Matilda é diferente das outras crianças e está disposta a ajudá-la para que a menina possa ter a oportunidade de ter uma boa formação em sua vida. É na escola também que Matilda faz novas amizades e conhece de perto as maldades da Sra. Taurino, a diretora do colégio.
Matilda é um livro maravilhoso que deve ser lido por todas as idades. Apesar de narrar uma história infantil, é bem elaborado e tem uma narrativa fantástica. Durante a leitura foi inevitável não comparar  livro com o filme, mas tem algumas diferenças. Senti falta de alguns momentos do filme que não vi no livro, mas a narrativa se aproxima muito mais da realidade, sem deixar a magia dos momentos vivenciados por Matilda de lado.
O livro não conta com muitos personagens, sendo bem agradável de ler e com muitas situações divertidas vivenciadas pela personagem. Ler Matilda foi um doce retorno a minha infância e me encantei com cada capítulo lido.

Portanto, se você procura um livro com uma história doce, para relembrar seu amor pelos livros e pela sua infância, Matilda é o livro que indico para você!
››


Eu fiquei com muita vontade de ler esse livro depois de ler a sinopse que me chamou a atenção. E como gosto muito de livros nacionais, não podia deixar passar a oportunidade de ler uma história sobre superação. Já faz algum  tempo que não leio livros com esse tema e essa foi a oportunidade para uma nova leitura.
Matteo Calegari tem 19 anos e é apaixonado por Anya, que é a melhor amiga da sua irmã Cecília. Na festa de 15 anos de Anya, ele confessa a ela que está completamente apaixonado e que apesar de não saber quando tudo isso aconteceu, quer viver com ela cada momento da sua vida e a pede em namoro.
Oito anos depois, eles estão morando juntos, ambos estabilizados profissionalmente e um dia antes do aniversário de Anya, Matteo entrega a ela um anel com uma pedra de diamante a pedindo em casamento para oficializar a união dos dois.
Os dias foram passando e o dia tão esperado para Anya finalmente havia chegado. Eles se casam em uma cerimônia bem romântica, que me lembrou muito alguns filmes que assisti.
Após quatro meses de casamento, eles resolvem tirar fotos no topo da Torre Eiffel para cumprir um desejo de ambos que foi prometido na festa na festa de casamento. Mais tarde, foram a um restaurante e ao saírem de lá entraram no carro que Matteo estava dirigindo e perto da casa deles colidiu com um caminhão.  Um acidente que mudou o rumo da vida dos dois. Uma promessa feita que seria impossível de ser esquecida.
Recomeçar é um livro de amor verdadeiro, superação e realização de sonhos. Não tem como falar muito desse livro sem soltar spoilers, pois ele é uma montanha russa de reviravoltas.
Durante a leitura do livro, passaram tantas emoções em mim e quando eu acreditava que sabia o que estava por vir, eu estava enganada. A autora vai dando um rumo na vida dos personagens de forma bem interessante.
Os personagens são bem reais, e lembram muito as pessoas que conhecemos, é como se você estivesse lendo a história de alguém que você conhece. Durante a leitura, vão aparecendo muitas pessoas que são fundamentais para a crescimento da protagonista.
Apesar de ser uma leitura bem leve e rápida, fiquei sentindo que faltou alguma coisa na história. A proposta do livro foi muito boa, mas poderia ter passado de forma mais detalhada e sem tantas situações difíceis que vão ocorrendo uma após a outra.

Portanto, se você procura uma leitura leve, uma história de sonhos, mas também de dores e recomeços, esse livro tem todos esses temas para você.
››


Vídeo dublado sobre A Magia na América do Norte produzido pela Warner

O mundo da magia de J.K. Rowling está se expandindo cada vez mais, essa semana a autora nos presenteou com alguns contos sobre a magia na América do Norte, é isso mesmo, se você ainda não leu eles estão disponíveis no Pottermore (Clique aqui e leia os contos em Português).
Nos contos temos algumas referências a eventos acontecidos na América do Norte, como a descoberta do continente pela comunidade trouxa, o caso das bruxas de Salém, entre outros casos relacionando a história que conhecemos com a história dos bruxos do EUA. 
Nos contos são apresentadas algumas diferenças entre a comunidade bruxa norte-americana da européia que conhecemos nos livros de Harry Potter. Os não bruxos são chamados de não-maj ao invés de trouxas. A comunidade bruxa dos EUA é regida pelo Congresso de Magia dos Estados Unidos da América, conhecido pela sigla MACUSA (do nome em inglês, Magical Congress of the United States of America). Nos foi apresentada ainda a moeda da comunidade bruxa da América do Norte é o dragote.

Ao fundo o símbolo do Macusa (Fonte: Pottermore)

A escola de magia dos EUA é Ilvermony considerada uma das maiores instituições de ensino de magia no mundo. Nos contos nos apresentam também os quatro melhores artesões de varinhas da América do Norte. E outros fatos bem interessantes. Vale a pena ler os textos que são só uma prévia para o filme que será lançado em Novembro, Animais Fantásticos e Onde Eles Habitam, que contará a história de Newt Scamander, que nos livros de Harry Potter nos é apresentado como o autor de um dos livros usado em Hogwarts. 

››



Comprei o livro Roverandom a um tempo atrás e ainda não tinha tido a oportunidade de embarcar nessa história. Essa foi uma leitura deliciosa, que me divertiu e bem leve. O livro tem um molde um pouco diferente dos outros escritos por J.R.R. Tolkien, mas ainda assim envolto de um mundo fantástico. A história é voltada para o público infantil, ao que tudo indica ele criou essa história para confortar o seu filho Michael, ele perdeu seu adorado cãozinho de brinquedo durante as férias da família na praia.
O livro foi organizado por Christina Seull e Wayne G. Hammond e traz uma apresentação escrita por eles que reúne fatos que ligam a criação da história com momentos vividos pela família Tolkien. Eu recomendo que a leitura da apresentação seja feita após conhecer a história, pois algumas partes do livro são explicadas nessa. Roverandom foi escrito ao que tudo indica após o lançamento do “Hobbit”, mas foi recusado pela editora que queria a continuação do predecessor Tolkien escreveu então sua obra-prima O senhor dos anéis e deixou de lado a história do cãozinho Rover. No final do livro tem algumas notas que explicam alguns fatos e datas, possibilitando a compreensão do momento em que a história ficou pronta.
 O livro traz a história do cachorro Rover que após ter um desentendimento com um mago mal-humorado, acaba mordendo-o e provocando sua fúria. Como punição o mago transforma Rover em brinquedo, reduzindo o seu tamanho, impossibilitando que ele se mova durante o dia e devido ao seu tamanho ele quase não pode ser ouvido. Rover vai parar em uma loja de brinquedos para ser vendido, a mãe de um menino compra-o para presentear seu filho, a criança logo se apaixona pelo cãozinho em miniatura, porém tudo que Rover pensava era em escapar e conseguir voltar ao seu tamanho normal. Em um dia de sol, enquanto as crianças passeavam pela praia Rover conseguiu escapar. Foi na praia que conheceu o mago Psamatos que desfez o encanto dele ser um brinquedo, porém ele não podia devolver o tamanho real do cachorro sem a autorização de Artaxexes (quem o enfeitiçou originalmente), a fim de esperar que o mago se acalmasse decidiu enviar o cãozinho para lua e então Rover passou a ser chamado de Roverandom e começou a viver grandes aventuras.

Tolkien nos surpreende com um mundo de magia, cheio de encantos e animais fantásticos. São feitas algumas citações breves de criaturas mágicas e lugares que posteriormente seriam citados em suas outras obras de forma detalhada. A história fica mais densa e cheia de novos elementos ao longo de suas páginas e é impossível não encantar pelo cachorrinho explorador que ora ganha asas para viver suas aventuras na lua e ora é adaptado para viver suas aventuras no mar. Este livro não figura a lista dos mais conhecidos do autor, mas é uma leitura leve, divertida e agradável. Não é longo o que possibilita lê-lo em apenas algumas horas. Se você assim como eu gosta de aventuras fantásticas eu recomendo a leitura, porém atente-se ao fato de ser uma história leve e mais voltada para o público infantil, não espere descrições minuciosas e um mundo extremamente bem elaborado. Enfim, é uma leitura tranquila e bem agradável, eu achei um bom livro.
››


Quando iniciei a leitura do livro “A mais pura verdade” eu evitei ler resenhas ou saber algumas informações prévias do livro. Iniciar a leitura sem grandes expectativas me possibilitou ter uma leitura leve e me aproximar mais do seu protagonista. A princípio eu não compreendia a ideia de Mark largar tudo e ir atrás de uma aventura na condição em que se encontrava, como isso o ajudaria, porém no decorrer do livro a minha visão foi ampliando e pude me aproximar mais do protagonista.
Mark é um garoto que quer viver uma grande aventura escalar uma montanha sozinho, mas para isso ele precisa fugir. Ele foi diagnosticado com câncer aos cinco anos de idade, desde então sua infância se transformou, ora estava no hospital e ora tinha uma melhora clínica. Sete anos havia se passado desde o diagnostico e mais uma vez o câncer havia voltado, decidido a realizar sua grande aventura ele traça um plano que o levará até a montanha. Junto com o seu cachorro Beau ele começa a sua aventura, deixando pra trás seus pais e sua melhor amiga Jess.
O livro é narrado da perspectiva do garoto, porém traz algumas passagens que mostram como seus pais e Jess reagiram a sua fuga. Seus pais não fazem ideia para onde Mark foi, mas Jess sabe. Eles tinham um código, se comunicavam por meio de haicais (poema de origem japonesa) e Mark deixou um bilhete em haicai de despedida no qual Jess entendeu qual era o destino do seu amigo. O grande dilema de Jess é se conta para onde Mark foi ou guarda o segredo do amigo.

“Sozinho, estou deixando o meu lar.
Uma nova jornada, uma nova estrada.
Para as montanhas agora.”

O caminho percorrido por Mark não é fácil, ele encontra diversas adversidades e carrega consigo a raiva, o peso da doença e tudo isso não permite que ele compreenda bem o que ele está fazendo. A cabeça de um pré-adolescente já é confusa, imagina a cabeça de um com câncer, sem dúvidas é uma bagunça. É difícil organizar os pensamentos, compreender tudo que ele está vivendo e se perdoar. É através da sua aventura que Mark poderá ter uma compreensão e aliviar da culpa que ele carrega por ter câncer, se libertar do seu medo e da sua raiva.
Essa é uma história de aventura, coragem, amor, amizade e perdão. Mark conhece o sofrimento dos seus pais, que tentam parecer fortes para ele, o amor incondicional que sentem por ele e toda a luta que passaram ao longo dos anos. Jess sua melhor amiga também o ama e quer o seu melhor, por isso se questiona se deve mesmo guardar o segredo. Seu companheiro de aventura Beau esteve todo o tempo protegendo-o, mesmo sendo apenas um cãozinho pequeno e frágil. Quem tem cachorro sabe que o amor de seu animal de estimação é enorme e o livro tem todo um cuidado ao demonstrar esse sentimento, o quão forte é a amizade de um cãozinho e seu dono.
A história do livro é comovente, nos permite entender os sentimentos de uma criança que passa sua infância inteira lutando contra o câncer, mas que está disposta a correr atrás dos seus sonhos, encontrando forças onde menos espera. Não acredito que a grande lição do livro seja buscar seus sonhos custe o que custa, mas a busca interior, a compreensão dos eventos da sua vida, se permitir viver, aproveitar todo o seu tempo, sentir o amor a sua volta e se perdoar. A jornada de Mark não é só uma aventura é uma compreensão de tudo o que ele passou e tudo que ainda irá passar.

O livro é classificado como infanto-juvenil mas não vejo limite de idade para lê-lo. A  leitura é bem simples e você pode se surpreender. Eu gostei bastante do livro e essa é a mais pura verdade.

››



Esse livro é um sucesso e divide opiniões dos seus leitores, alguns o adoram e outros criticam bastante. Fui movida a lê-lo devido a esse universo fantástico que é apresentado de uma forma interessante e que me atrai bastante, além de ter adorado a capa dele. Achei o livro muito bom, tem uma leitura fácil e a forma como corre mantendo sempre a tensão em um nível alto te prende, cria expectativas e deixa a leitura surpreendente.
Mare Barrow vive em um mundo onde as pessoas são divididas pela cor do sangue: vermelhos e prateados. Os vermelhos são os plebeus, trabalhadores, soldados, enfim as pessoas comuns. Os prateados são os privilegiados, os governantes, agem como se fossem deuses e possuem alguns poderes especiais (estilo x-men).
Durante anos uma guerra se arrasta entre prateados de reinos diferentes, porém são os vermelhos que estão na linha de frente de combate, os prateados apesar de terem poderes são os comandantes, generais, ou seja, possuem a patente alta e raras as vezes que vão para combate na linha de frente. Os vermelhos que não possuem um trabalho ao completar dezessete anos são obrigados a lutarem na guerra. Mare Barrow está prestes a ser convocada, assim como seus três irmãos que foram antes dela e seu amigo Killorn que tem a mesma idade dela. Os vermelhos vivem em extrema pobreza, por isso Mare usa sua agilidade para roubar carteiras e ajudar sua família, com a notícia da aproximação da convocação de Killorn ela busca uma alternativa para os dois fugirem só que para isso precisam arrecadar uma quantia alta de dinheiro.
Mare começa a roubar o máximo que pode para arrecadar a quantia que precisa para comprar sua liberdade. Com a ajuda de sua irmã mais nova Gisa ela consegue entrar no Palácio do Sol, onde a corte real passa suas férias de verão. Algo inesperado acontece e surgem os primeiros vestígios de uma rebelião organizada por vermelhos, eles assumem um ataque na capital que é exibido em todos os televisores dentro do palácio, eles se apresentam como a Guarda Escarlate e buscam os direitos iguais para os vermelhos. Dando início a uma confusão no Palácio do Sol, os prateados começam a atacar os vermelhos presentes, Gisa na tentativa de ajudar a sua irmã arrecadar o dinheiro que precisa é pega em flagrante tentando roubar e por isso é punida. Mare não consegue fazer nada para ajudá-la e carrega consigo o peso da culpa pelos danos ocorridos na mão de sua irmã mais nova. Desesperada ela continua ‘batendo carteiras’ na vila onde mora, a fim de evitar encarar sua família naquela noite. Até que ela tenta roubar a carteira de Cal, ele a pega em flagrante, porém é complacente e decide ajudá-la.
No dia seguinte ao encontro com Cal, Mare Barrow é contratada para servir os prateados em seu palácio de verão, é a partir daí que ela fará grandes descobertas. A primeira é que Cal não era um vermelho como ela pensou e sim um prateado, um príncipe e herdeiro do trono. Em seu primeiro dia de trabalho como criada está acontecendo um grande evento, a escolha da mulher que se casará com cal e será a futura rainha. Essa escolha é uma exibição dos poderes das prateadas das casas nobres do reino, e termina com a escolha da mais forte. É durante a apresentação da magnetron (controladora de metais) Evangeline Samos que um acidente acontece e Mare é arremessada contra um escudo elétrico que poderá causar sua morte. Ela é salva por algo inesperado, seus poderes se manifestam pela primeira vez e a salva da morte. Mare faz então a sua segunda descoberta ela é uma vermelha, porém possui poderes iguais aos prateados, ela controla a eletricidade.
A atual rainha Elara convence ao rei de utilizá-la como um recurso político e transformá-la em princesa, ela é prometida em casamento ao segundo príncipe Marven e precisa fingir ser uma prateada. Sua vida muda totalmente, ela passa a ser conhecida pela corte como Lady Titanos, a rainha inventa uma mentira para justificar porque ela foi criada por vermelhos. Seus desafios estão apenas começando e ela precisa enfrentar muitos obstáculos pelo caminho, se ela sair da linha será condenada a morte.
O livro é narrado por Mare e é através da visão dela que conhecemos o mundo prateado e conduzimos nossa intuição. O livro é cheio de ação, se desenvolve rápido e te deixa querendo saber o que vem a seguir. A partir do momento que Mare vai viver no mundo dos prateados ela adquire novos conceitos, conhecimentos, aprende a controlar seu poder e táticas de guerra.
Os relacionamentos são conturbados ao longo do livro, muitas vezes Mare se ver dividida entre os irmãos Cal e Marven, precisa conhecê-los compreender seus sentimentos e traçar o caminho que quer seguir. O mundo que ela conhecia se transforma a cada segundo e em um espaço curto de tempo ela precisa decidir qual é a sua luta e como ela deve agir. Em alguns momentos enquanto estamos lendo queremos dá um sacode nos personagens, você fica tenso e se surpreende junto. Porém, no final tudo faz sentido e se conecta.
Essa foi uma leitura realmente boa, pretendo continuar lendo a série. O segundo livro já foi publicado e se chama Espada de vidro, além dele tem um extra que se chama Coroa Cruel. Há boatos que uma adaptação para o cinema já vem sendo negociada, vamos torcer pra se realizar.
››


Oi pessoal, hoje vim trazer novidades! Estamos publicando o nosso primeiro vídeo no youtube, só que de uma forma diferente. Somente com as fotos das publicações de uma forma bem simples para que vocês visualizem todos os lançamentos de uma única vez. Espere que gostem!


››


Esse foi o segundo livro que li da autora Leila Rego e estava bem empolgada com a leitura depois de ter lido Amigas Imperfeitas que é outro chick-lit incrível da autora. Assim que comecei a ler esse livro, fiquei tão mergulhada na história que não consegui parar de ler. O livro #Partiu Vida Nova é o relançamento de Pobre Não Tem Sorte 1 e 2 que foi uma publicação independente da autora. É  um livro único, dividido em Parte 1 e 2 respeitando a primeira edição publicada como duologia.
Mariana está com 26 anos e está prestes a se casar com o homem da sua vida, Eduardo: médico ginecologista e obstetra, lindo, rico e divertido. Tudo parecia perfeito até ele aparecer subitamente na casa dela no dia do casamento deles e querer conversar com ela. Apesar de Mariana não querer ouvir Eduardo, ele é bem claro e termina com ela.
Mariana é uma moça pobre que após namorar Eduardo se transformou completamente ao conhecer o mundo da riqueza: tem vergonha dos pais, só se preocupa com futilidades vivendo para comprar roupas e sapatos novos junto com suas amigas. Ela é formada em Turismo e abandonou o emprego no hotel em que trabalhava por vergonha de ser descoberta pelas pessoas da alta sociedade.
Mariana fica arrasada e não consegue aceitar o fato de que Eduardo ficou junto com ela durante seis anos e terminou o noivado. Os dias dela passam a ser infelizes e ela não consegue parar de pensar porque tudo deu errado. Ela não consegue mais sair de casa por causa da vergonha que sente por ter sido abandonada pouco antes do casamento. Em Presidente Prudente, ela é o principal assunto e acredita firmemente que será incapaz de recomeçar. Até as suas amigas não atendem mais as suas ligações e ninguém parece se importar com ela.
Em casa, desempregada e sem querer viver a sua vida, seus pais dão a ela um ultimato: ela precisa trabalhar e pagar suas contas ou ajudar nas tarefas domésticas. Apesar de não querer voltar ao trabalho, Mariana sabe que precisa dar um rumo para a sua vida e volta a trabalhar em uma loja de biquínis. Lá ela conhece Clara, que se torna uma grande amiga. E Mariana tem novos planos como partir para São Paulo começando uma vida nova.
#Partiu Vida Nova é um chick-lit que traz uma história de mudanças, maturidade e valores. Apesar de inicialmente, eu ter ficado irritada com Mariana, aos poucos ela foi mudando e com as experiências foi se tornando uma pessoa melhor. Os personagens secundários também tem um papel importante na história como os pais e a irmã de Mariana (a Marisa), a Clara, sem esquecer do Eduardo  que é um homem maravilhoso e encantador.
Este é um livro que recomendo sem dúvidas. Para aqueles que procuram um chick-lit bem divertido (dei muitas risadas com ele, tem passagens hilárias), leve e ao mesmo tempo reflexivo, este é o livro certo para você!


››


Eu estava com muita vontade de ler esse livro, desde que vi o lançamento dele no Goodreads. Quando a Editora Intrínseca anunciou o lançamento no Brasil, fiquei super empolgada porque amo livros adolescentes. E depois de ter terminado de ler esse livro, fiquei ansiosa pela continuação e posso dizer que acertei sem dúvida na minha escolha literária. O livro é maravilhoso e fiquei encantada pela história.
Para Todos os Garotos que Já Amei conta a história de Lara Jean, uma adolescente de 17 anos, que mora com seu pai que é médico ginecologista e obstetra e suas duas irmãs: a mais velha Margot e a mais nova Kitty.
Das lembranças de sua mãe que faleceu há alguns anos, Lara guarda uma caixa azul-petróleo  que contém cinco cartas, cada uma destinada a um garoto pelo qual ela se apaixonou em algum momento da vida, mas nunca teve coragem de entregá-las. São cartas de despedida e é um segredo que Lara guarda há muito tempo.
Uma dessas cartas foi escrita para Josh, o namorado de sua irmã Margot. Apesar de Lara ainda gostar de certa forma dele, ela respeita a sua irmã e como tem um grande carinho por ela, jamais seria capaz de magoá-la por causa disso.
Porém, Margot decide ir embora do país e terminar com Josh. Apesar dele estar sozinho agora, ele continua sendo proibido para Lara. Mas a situação se complica ainda mais quando as cartas são enviadas misteriosamente a cada um dos garotos que Lara amou e ela não sabe como lidar com Josh.
Um dos garotos pelo qual Lara se apaixonou é Peter Kavinsky. Um amigo de infância com quem ela perdeu o contato com o passar dos anos. Apesar deles não estarem muito próximos, ele pode ser o que Lara precisa para se afastar de Josh. Juntos, eles planejam um namoro falso que pode ser a oportunidade perfeita para Lara se afastar de Josh.
Para Todos os Garotos que Já Amei é um romance adolescente super fofo que traz uma escrita fluída, que me prendeu do início ao fim.
Lara é uma adolescente que tem sonhos, medos, mas sabe como encarar a realidade de uma forma mais leve, sem tentar magoar aqueles que estão por perto, como a sua irmã Margot por quem tem muita admiração.
Todos os personagens foram bem construídos, mesmo aqueles que tiveram uma rápida participação na história. Apesar de aparentemente trazer uma história com um clichê inicial, Jenny Han surpreendeu pela leveza da escrita e as surpresas que vão surgindo na história.


Então, se você gosta de confusão romântica, amizade, relações familiares com um toque de leveza e diversão esse é o livro que recomendo para você.  Simplesmente amei!
››