Depois do sucesso do livro A Lista Negra de Jennifer Brown, mais um livro da autora foi lançado no Brasil, Amor Amargo. Esse é o primeiro livro que leio da autora e posso dizer que foi uma leitura minuciosa e surpreendente a cada página que eu passava. Não consegui parar enquanto não terminei e posso dizer que a leitura valeu só pelo aprendizado que tive. De forma incrível, Jennifer Brown narra fatos chocantes e ao mesmo tempo tão reais que muitas vezes podem estar acontecendo ao nosso lado e não percebemos.
Alex é uma garota inteligente que está  no último ano do colégio, trabalha no Bread Bowl e tem dois melhores amigos: Bethany e Zach. Juntos, eles planejam há muito tempo uma viagem para o Colorado. Eles decidiram que queriam viajar desde os 8 anos de idade, pois tudo o que Alex queria era descobrir o que tinha no Colorado, pois sua mãe estava indo para lá quando faleceu em um acidente de carro.
Alex mantinha guardado com ela uma caixa com várias fotos da sua mãe que ela sempre olhava. Apesar das poucas lembranças e da insistência para saber do seu pai o que havia motivado a mãe a viajar, tudo o que ele dizia é que ela não estava bem da cabeça. Pelo fato de seu pai ser muito fechado, Alex não conseguia ter a atenção que gostaria de receber dele.
Por ser uma aluna muito aplicada, Alex dava aulas para o melhor amigo Zach até a Srta. Moody pedir que ela desse aulas para um novo aluno que havia chegado na escola , enquanto Zach teria aulas com Amanda. Ao conhecer Cole, Alex é atraída de imediato para a beleza dele. Aos poucos, quando passa a ter um contato maior com ele, Cole mostra-se um garoto maravilhoso que faz de tudo para agradá-la e faz com que ela se sinta confortável em sua presença. Porém, ao iniciarem um relacionamento, aos poucos ela percebe que Cole é muito diferente do que ela imaginava. Ele se torna muito frio, calculista e faz de tudo para que a Alex se sinta mal.
Com a aproximação cada vez maior de Cole, Alex vai se afastando de Bethany e Zach que mesmo assim fazem de tudo para manter a amizade entre eles . Alex está sob a influência de Cole e sempre o defende fazendo a viagem ao Colorado se tornar uma ideia cada vez mais distante.
Amor Amargo é um livro que mesmo trazendo um tema difícil de ser abordado, vale a pena ser lido. Com alguns momentos chocantes e uma leitura tensa tornam esse livro especial por denunciar uma realidade que muitas mulheres viveram e ainda vivem.
Em muitos momentos, é possível perceber claramente todos os pontos de vista dos personagens por serem muito bem construídos. A dificuldade do Alex e da Bethany tentarem compreender a situação, o sofrimento da Alex, o abuso de Cole e a falta de diálogo da Alex com o pai. Apesar de ser uma leitura angustiante é ao mesmo tempo enriquecedora por trazer tantas informações reais que muitas vezes podem estar ocorrendo ao nosso redor. Sem dúvidas, recomendo! 
››


Estava procurando um livro um livro diferente pra ler quando encontrei este. O título me chamou a atenção desde o início e apesar de ter lido tantos livros, nunca havia lido um sobre plantas. É uma estória com romance e apesar de não ser esse o foco do livro, tem aventura e muita magia sobre o mundo da natureza.
Lila Grace é uma publicitária de 32 anos, divorciada e sem filhos. Seu melhor amigo é Kody, um surfista que divide com ela um escritório na empresa tentando elaborar juntos um comercial e a aconselhando sobre seu casamento fracassado.
Lila muda para um pequeno conjugado em Nova York localizado perto da feirinha da Union Square. Apesar da regra de viver sem plantas, filhos, marido e animais de estimação, ela conhece Exley que vende para ela uma planta tropical chamada ave-do-paraíso que Lila leva para a sua casa.
Com a planta em casa e o medo de fracassar, Lila passa a tratá-la como uma hóspede e com o tempo ela vai se revelando tão linda que decide comprar mais plantas. Certo dia ao sair do trabalho Lila vê uma planta com flores amarelas e folhas vermelhas que chamam a sua atenção a vai até a lavanderia para vê-la de perto. Ao chegar lá, ela conhece Armand e fica surpresa com a quantidade de plantas que ele tem na lavanderia. Ele oferece a ela a muda da samambaia-de-fogo e a avisa que se ela conseguir fazer a planta criar raízes, ela terá acesso a um quarto que ele tem com nove plantas especiais, mas ela não pode revelar isso a ninguém.
Movida pelo desejo, Lila não consegue guardar o segredo e desencadeia uma sucessão de acontecimentos que a levarão para Yucátan no México e apesar da sua hesitação, ela embarca nessa viagem que será a maior aventura da sua vida.
Nove Plantas do Desejo e a Flor de Estufa é um livro bem interessante para quem deseja conhecimento e se aventurar em culturas diferentes. Cada capítulo traz informações fundamentais de cada espécie de planta apresentada e é na Parte 2 em que a viagem ocorre que esses detalhes são minuciosos.
Apesar de ser um livro bem diferente do que eu esperava, foi uma leitura agradável. A personagem Lila não me conquistou, achei ela bem imatura e irritante em alguns momentos, mas isso não a impediu que a leitura do livro fluísse.
É um livro que deve ser lido com calma para quem deseja conhecer um pouco mais da natureza ou de forma despretensiosa para quem deseja só se aventurar. Em todos os casos, pode ser um grande aprendizado sobre plantas e culturas de outros lugares.
››


Depois da experiência maravilhosa que tive ao ler os três primeiros livros da série Os Hathaways da Lisa Kleypas, não tive dúvidas que gostaria de ler outra série que está sendo publicada no Brasil: As Estações do Amor. A série é composta por quatro livros que narram a estória de quatro amigas e até o momento só dois livros foram publicados. Os livros da Lisa Kleypas são marcantes para quem busca um romance histórico bem contextualizado e personagens inesquecíveis.
Annabelle Peyton é uma jovem extremamente pobre que mora em uma pequena casa com sua mãe e seu irmão Jeremy. Desde que seu pai faleceu, as dificuldades financeiras aumentaram e tudo o que Annabelle pensa é em arrumar um bom casamento.
Com vontade de ir ao teatro, Jeremy convence Annabelle a acompanhá-lo, mas ambos não tem dinheiro suficiente para pagar a entrada. Simon Hunt, filho do açougueiro, porém muito rico paga para eles, contrariando a vontade de Annabelle que se recusava a aceitar o dinheiro. Por insistência do seu irmão, eles foram assistir ao teatro na companhia de Simon Hunt e durante a apresentação quando uma escuridão assolou o lugar, Annabelle foi beijada por ele e quando sente-se completamente atraída, Hunt a solta e vai embora.
Dois anos depois, Annabelle está no canto do salão com seu cartão de dança vazio junto com outras três jovens solteironas: Evangeline Jenner e as irmãs Lilian Bowen e Daisy Bowen. Annabelle sabe que o que a impede de fazer um bom casamento é sua falta de dote e mesmo assim ela não deixa de sonhar com um homem que tenha título para casar-se com ele. O único homem que pede uma dança com ela é Simon Hunt e mesmo assim ela recusa.
Dispostas a arrumarem um casamento, Lilian sugere a elas que se unam e elaborem planos para procurarem maridos. Annabelle será a primeira e Hunt não é o candidato que elas almejam. No entanto, Hunt está disposto a ter Annabelle em seus braços e vai fazer de tudo para conquistá-la, mesmo sabendo que ela é orgulhosa demais para ficar com ele.
Segredos de Uma Noite de Verão é um livro maravilhoso que diferente de alguns romances históricos, os títulos já estão perdendo um pouco do valor, pois a industrialização dá espaço para os novos ricos como Simon Hunt. O livro contextualiza muito bem os personagens que estão vivendo sob essa nova construção da sociedade londrina.
Annabelle foi uma personagem que me irritou bastante no início, pois seu orgulho era maior que tudo e mesmo sem dote nenhum, ela ainda alimentava a esperança de casar-se com um nobre que tivesse título para tirar a sua mãe e o seu irmão da miséria. Apesar de achá-la bem interesseira não tem como não se encantar com Hunt que tenta conquistá-la e o relacionamento dos dois é marcado por muitas brigas no início, mas a conexão entre eles é intensa.
Das amigas, Lilian é a mais engraçada e diverti bastante com o jeito dela. Elas se colocam em situações muito divertidas e fazem de tudo para seus planos darem certo. Os outros livros da série são para narrar a estória de cada uma delas.
Segredos de Uma Noite de Verão foi um livro que me conquistou mesmo sendo diferente de tantos outros que li. Para quem procura uma leitura rápida com amizade, planos engraçados e muito amor esse é o livro que eu recomendo para você!
››



Obs: Atenção esse é o terceiro volume da trilogia, se ainda não leu os outros pode conter spoilers em relação a eles.
Chegou a hora de conhecer o destino de Nina Scott. O gancho do final do segundo livro foi surpreendente e lembrou a citação de Rainha Vermelha (Victoria Aveyard): “Todo mundo pode trair todo mundo!” e a sequência continua com essa ideia. A mãe de Nina estará de fato morta ou foi apenas um blefe de Kevin? Quem será o homem misterioso da foto, será mesmo Shakur? São essas perguntas que surgem ao final do segundo livro.
O desenvolvimento do enredo no segundo livro foi de fato melhor que o primeiro, mas o do terceiro é ainda melhor. Nina, Richard, Shakur e Kevin foram capturados para terem seus atos julgados pelo conselho de Magos. Richard já estava foragido e condenado ao vértice antes mesmo da captura. Qual será a decisão do conselho? O que será que irá acontecer com todos?
A grande novidade desse livro que alguns capítulos são narrados por Shakur, são lembranças de seu passado, o que de fato aconteceu com ele e como ele teve seu rosto deformado. Passa-se a conhecer melhor o passado do temido líder de Thron.
O terceiro livro é bem fluído, instiga bastante a vontade de saber o que virá em seguida. É uma verdadeira montanha-russa, cheia de reviravoltas e fatos surpreendentes. Quando a história parece que tomou um rumo, de repente tudo muda. O grande X da questão é o que todos guardam segredos e em quem se deve acreditar de verdade. Outro fato interessante é que a protagonista passa por um amadurecimento, ela deixa de ser só uma adolescente e passa a ter uma força de vontade maior, passa a enxergar com maior clareza o seu destino e principalmente aceitar o que virá em seguida.
No quesito romance esse volume é um prato cheio. Mais uma vez os sentimentos de Richard e Nina são postos a prova, o que de fato eles sentem um pelo outro. O que deu errado para impedir que os dois tivessem um contato mais intimo no volume anterior, todas as questões são devidamente esclarecidas.
O livro se refere ao amor, perdão, altruísmo e as consequências das escolhas feitas. O enredo é muito bom e o fato de alguns personagens ganharem uma maior profundidade conferiu a história um toque especial. Algumas pontas da história ainda ficaram soltas, nada que atrapalhasse o contexto ou teor da história, mas deixam em aberto para uma provável continuação das histórias zirquinianas. No mais foi uma leitura agradabilíssima, cheia de reviravoltas, o final não deixa a desejar, surpreendente e inusitado. Vale ressaltar mais uma vez que a trilogia é voltada para o público jovem, tem vários clichês do gênero, não leia se espera que seja diferente disso.

Para acessar as outras resenhas da trilogia clique no título:
Não Pare! (Trilogia Não Pare #1)
Não Olhe! (Trilogia Não Pare #2)
››



Obs: Se você ainda não leu o primeiro volume da trilogia essa resenha pode conter spoilers desse.
“Não olhe!” é o segundo volume da trilogia “Não Pare!” da autora FML Pepper. O primeiro livro da série foi bem fluído e terminou com um gancho muito bom, Nina está prestes a saber mais sobre a sua origem e cruzou o portal para Zyrk, essa nova aventura permitirá se aproximar ainda mais do seu destino inevitável. Ela está apaixonada pela sua morte, Richard quem deveria ser responsável por resgatar sua alma, mas ele vem poupando sua vida. Nesse livro a protagonista está extremamente confusa, não sabe em quem confiar ou em quem realmente quer ajudá-la.
O universo apresentado no livro conta com quatro dimensões, essas caminham de forma paralela, coexistem juntas mas em planos diferentes. A principal ou superior é nomeada de plano e seria o equivalente ao paraíso (a luz). A segunda dimensão ou plano intermediário é o equivalente a Terra. A terceira dimensão ou plano é Zyrk, os habitantes dessa são os responsáveis por administrar as mortes do segundo plano. Por fim, o Vértice ou mundo das sombras o equivalente ao inferno.
De acordo com a lenda que Zyrk é uma terra amaldiçoada, seu povo é desprovido de bons sentimentos. Não existe sequer o amor maternal, existem regras que determinam o momento em que deve ocorrer a reprodução e os respectivos pares, esses dados são determinados por um Conselho de Magos, as mulheres carregam os filhos somente durante a gestação, quando nascem entregam seus filhos para serem criados por mulheres inférteis, até serem capazes de guerrear. A única exceção a regra são os herdeiros do trono, que são mantidos perto do pai, não por existir afeto, mas para garantir a continuidade do sangue no governo dos clãs. O terceiro plano é dividido em quatro clãs: Thron, Storm, Windston e Marmon. Esses quatro vivem uma espécie de guerra fria e a chegada de Nina pode ser o estopim da guerra.
Cada clã tem um resgatador principal, de Thron é Richard, de Storm é John, de Windston é Samantha e por fim, de Marmon é Kevin. Richard é o bad-boy, inconstante, confuso e impulsivo, vive um conflito interno entre o bem e o mal. John por sua vez tem um bom caráter, é justo e é herdeiro do trono de Storm. Samantha é a melhor guerreira de Windston e deve ser a mãe do filho de Richard. Kevin é inescrupuloso, falso e cínico, um dos piores exemplares de Zyrk.
Cada clã tem um plano traçado para o destino de Nina, alguns acreditavam que ela deve ser morta, outros que ela é o fim da maldição de Zyrk e ainda que é a única capaz de libertar Malazar (o diabo) do Vértice. Nina só conseguiu cruzar o portal por ser hibrida, fruto do relacionamento de uma humana com um zirquiniano, como foi concebida é um mistério pois o contato intimo entre as duas espécies levam a morte do humano. Muitos zirquinianos tem a curiosidade de conhecer os sentimentos humanos e eles acreditam que através do contato com uma hibrida serão capazes de desfrutar prazeres desconhecidos, e por isso Nina vive em constante perigo nesse plano. Será que Nina é mesmo o ponto final dessa maldição? Quem foi o pai dela? Será que o amor verdadeiro é capaz de destruir a maldição de Zyrk? São as perguntas que guiam essa leitura.
Mais uma vez a leitura do livro é bem fluída, os fatos decorrem em alta velocidade, uma sequência de fatos eletrizantes. Em relação a escrita é perceptível que houve uma melhora em relação ao primeiro volume, a autora está mais experiente, o que agrega maior valor ao livro. Os personagens nesse volume estão mais densos é possível conhecê-los melhor. Durante a leitura é comum o questionamento se de fato os zirquinianos são desprovidos de sentimentos bons, algumas situações levam a reflexão, mas acredito que seja um gancho para o que pode vir a frente na sequência. O enredo do livro é bom, o nível de tensão é bem alto e o gancho final mais uma vez é muito bom e instiga a curiosidade para prosseguir a leitura o mais rápido possível.
É comum ao longo da leitura de uma trilogia achar o segundo livro ruim ou cansativo, mas não foi o caso de Não Olhe!. Ele foi bem esclarecedor, possibilitou uma exploração maior do território de Zyrk e aprofundar um pouco mais sobre a personalidade e o caráter dos zirquinianos. Enfim, a leitura é bem agradável e instiga a curiosidade envolvendo o leitor em sua trama cada vez mais profunda.
Vale ressaltar mais uma vez que no livro contém características comuns do gênero YA (Young adult), se você não tem interesse pelo gênero eu não indico a leitura. Se você não faz parte do público alvo dessa categoria mais, mas ainda assim sente empatia pelo gênero acredito que irá gostar.

Para acessar as outras resenhas da trilogia clique no título:
Não Pare! (Trilogia Não Pare #1)
Não fuja! (Trilogia Não Pare #3)
››


Olá leitores,

Viemos trazer para vocês um pouco sobre os lançamentos da semana do Grupo Editorial Record. E para começar vamos falar do livro “Uma vida pequena” que é finalista do Prêmio Pulitzer de Literatura de 2016. Um romance estrangeiro da editora Record.

Sinopse:Quando quatro amigos de uma pequena faculdade de Massachusetts se mudam para Nova York em busca de uma vida melhor, eles se veem falidos, sem rumo e amparados apenas por sua amizade e por suas ambições. Willem, lindo e generoso, é aspirante a ator; JB, nascido no Brooklyn, é um pintor perspicaz e às vezes cruel que busca de todas as formas ingressar no mundo das artes; Malcolm é um arquiteto frustrado que trabalha numa empresa de renome; e o solitário, brilhante e enigmático Jude funciona como o centro gravitacional do grupo. Com o tempo, o relacionamento deles se aprofunda e se anuvia, matizado pelo vício, pelo sucesso e pelo orgulho. No entanto, seu maior desafio, como cada um passa a perceber, é o próprio Jude, um litigante extremamente talentoso na meia-idade, porém, ao mesmo tempo, um homem cada vez mais atormentado, a mente e o corpo marcados pelas cicatrizes de uma infância misteriosa, e assombrado pelo que teme ser um trauma tão intenso que não só não será capaz de superar — mas que vai definir sua vida para sempre. Com uma prosa magnífica e genial, Hanya Yanagihara criou um hino trágico e transcendental do amor fraterno, uma representação magistral da dor física e psicológica, e uma análise da verdade nua e crua que permeia a tirania da memória e os limites da resistência humana.

"No limite do desejo" é o quarto volume da série que iniciou com "No limite da atração", seguido por "No limite da ousadia" e o terceiro "No limite do perigo". Publicado com o selo Verus Editora do gênero New Adult.


Sinopse: Haley é campeã de kickboxing, mas, após enfrentar uma tragédia, jurou nunca mais pôr os pés no ringue. Até o dia em que o cara em quem ela não consegue parar de pensar aceita uma luta de MMA em homenagem a ela. De repente, Haley tem de treinar West Young. Cheio de atitude, West é tudo o que Haley prometeu a si mesma evitar. Ainda assim, ele não vai durar cinco minutos no ringue sem a ajuda dela. West está escondendo um grande segredo de Haley, sobre quem ele realmente é. Mas ajudá-la — lutar por ela — é uma chance para a redenção. Ele não pode mudar o passado, mas talvez possa mudar o futuro de Haley. Haley e West combinaram de manter o relacionamento estritamente dentro do ringue. Mas, conforme uma ligação inesperada se forma entre eles e o desejo chega ao limite, eles terão de enfrentar seus medos mais obscuros e descobrir se vale a pena lutar pelo amor.

"Os pequenos homens livres" (Vol. 1 Tiffany Dolorida) do autor Terry Pratchett, é o relançamento da série juvenil de Terry Pratchett no Brasil, publicado pelo selo Bertrand Brasil.


Sinopse: Um perigo oculto, saído de pesadelos, vem trazendo uma ameaça diretamente do outro lado da realidade. Armada com tão somente uma frigideira e seu bom senso, a pequena futura bruxa Tiffany Dolorida deve defender seu lar contra fadas brutais, cavaleiros sem cabeça, cães sobrenaturais e a própria Rainha das Fadas, monarca absoluta de um mundo em que realidade e pesadelo se entrelaçam. Felizmente, ela contará com uma ajuda inesperada: os Nac Mac Feegle da região, também conhecidos como os Pequenos Homens Livres, um clã de homenzinhos azuis ferozes, ladrões de ovelhas, portadores de espadas e donos de uma altura de mais ou menos quinze centímetros. Conseguirão eles salvar as terras quentes e verdejantes de Tiffany?

"Um chapéu cheio de céu" (Vol. 2 Tiffany Dolorida) é a sequência da aventura de Tiffany em seu mundo fantástico.

Sinopse: Tiffany Dolorida, alguns anos após suas aventuras no tenebroso Reino das Fadas, deverá colocar seus talentos em bruxaria novamente à prova ao embarcar em mais uma aventura: deixar sua casa e suas terras para trás e se tornar aprendiz de uma bruxa de verdade. Mas o que ela não sabe é que uma criatura incorpórea e sagaz está lhe perseguindo, um ser ancião e incompreensível do qual nem mesmo a Madame Cera do Tempo (a maior bruxa do mundo) poderá protegê-la. Dessa vez, serão úteis as habilidades de roubos, briga e bebedeira dos Nac Mac Feegle, os Pequenos Homens Livres, ou deverá Tiffany depender única e tão somente de si?

"O Gerente Noturno" de John Le Carre é uma obra renomada que deu origem ao seriado The Nighr Manager. É um thriller publicado pela editora Record.

Sinopse: Jonathan Pine é apenas o gerente noturno de um luxuoso hotel em Zurique. Mas, quando uma simples tentativa de passar informações para as autoridades britânicas sobre um hóspede suspeito tem consequências devastadoras, e pessoas próximas a Pine começam a morrer, ele se vê envolvido em uma perigosa trama. Com um thriller de espionagem sobre agências de inteligência, bilhões de dólares e o comércio ilegal de armas, John le Carré cria um universo claustrofóbico no qual não é possível confiar em ninguém.

"Os invernos da ilha" do autor brasileiro Rodrigo Duarte Garcia é outra novidade da editora Record dessa semana.

Sinopse: Os invernos da ilha é um livro de aventura, como não há no Brasil, que reúne um herói atormentado (e logo apaixonado), uma ilha fria e hostil escolhida como exílio (num convento misterioso), a descoberta de um diário de piratas (e, assim, a reconstrução de uma incrível história de corsários) e a busca por um tesouro escondido. Como diz Martim Vasques da Cunha no texto de orelha: “Rodrigo já pertence à categoria dos mestres. Os invernos da ilha costura Wallace Stevens, Melville, Conrad, Patrick O’Brien, os filmes de Indiana Jones, Os Goonies – sobrando até mesmo para o compositor Rachmaninoff –, com tamanha habilidade, que o leitor ficará atônito ao perceber que, no meio disto tudo, há a alegria de narrar uma verdadeira história”.

Aliados e assassinos - O preço do sangue (Vol. 1) promete agradar aos fãs de Game of Thrones, do autor Justin Somper e publicado pelo selo Galera Record.


Sinopse: Após a misteriosa morte do irmão, Jared se torna o Príncipe de Toda a Archenfield. Aos 16 anos, no entanto, não acredita estar preparado para governar e enfrentar o caos que toma conta de todo o Principado, além de todas as intrigas que assolam toda a corte. Jared mergulha numa investigação que pode colocar em risco não apenas a sua vida, mas a de todos os seus amigos e familiares. O passado do seu irmão logo se torna turvo e cheio de mistérios. Muitos poderiam ter motivos para matá-lo. Mas quem? O preço de sangue deve ser pago. O assassino do Príncipe deve morrer. Mas Jared sequer sabe em quem pode confiar.

Gostou de algum título? Deixe sua opinião nos comentários, vamos adorar saber.
››



Autora auto-publicada, FML Pepper é brasileira, odontologista e sempre gostou de ler. Sua paixão por livros vem desde a infância/adolescência, mas por forças maiores se viu impedida de ler o quanto gostaria desse gênero. Começou a trabalhar desde muito cedo e por ser workaholic assumida não tinha tempo para ler, viu sua realidade mudar quando enfrentou uma gestação de risco e teve que manter o repouso por nove meses. Seu marido presenteou-a com um livro de ficção infanto-juvenil e então o seu amor pela literatura se reascendeu, durante o período de gestação leu quase cem livros. Junto com o amor pela leitura nasceu o amor pela escrita, FML colocou no papel um mundo de fantasia que começava a surgir em sua cabeça e assim nasceu o primeiro livro da trilogia Não Pare!. Decidiu publicar seu livro na plataforma do Amazon, sabia que não iria ser uma tarefa fácil, mas realizou a divulgação e colheu a opinião de seus leitores a fim de aperfeiçoar ainda mais o seu livro e o resultado não podia ser outro, o sucesso. A responsável pela versão física do seu livro é a editora Valentina.
Não Pare!, Não Olhe! E Não fuja! são os títulos que compõe a trilogia. Ao longo da leitura dos três pode-se perceber o quanto a autora aperfeiçoou sua escrita, oferecendo cada vez mais qualidade aos seus livros. Nesse primeiro texto será resenhado o primeiro livro homônimo da trilogia.
O livro é narrado em primeira pessoa por Nina Scott uma adolescente de quase 17 anos, que leva uma vida nômade junto com a mãe Stela. As duas já moraram em diversos países, Nina tem tendência a viver situações peculiares que oferecem risco a sua vida e ao mínimo pressentimento de tais situações sua mãe decide que é hora delas mudarem. Stela não deixa claro para Nina os motivos da mudança, sempre se justifica alegando que o trabalho exigiu a mudança. Nina nasceu com uma anomalia, suas pupilas se assemelham as de um felino, Stela trabalha desenvolvendo lentes para que outras pessoas não percebam a diferença nos olhos de sua filha. Nina não conheceu seu pai e nem sequer sabe o nome dele, sua mãe evita o assunto, portanto a família se resume nas duas.
A história se inicia na Holanda, após um breve incidente em uma apresentação de rua onde Nina quase foi atingida por uma faca, logo em seguida sua mãe avisa que irão fazer uma nova mudança, dessa vez para Nova Iorque. Nina fica inconformada, mas precisa aceitar. Devido as mudanças constantes nunca foi uma adolescente comum, não tem amigos,  namorado e nem sequer consegue completar um ano na mesma escola. Porém, a personagem tem todos os comportamentos típicos de adolescentes, imaturidade e um pouco de rebeldia. A vida em Nova Iorque parece que vai ser diferente aos olhos de Nina, ela inicia os estudos em uma escola onde logo fará amizades. Junto com a sua admissão na escola mais quatro novos alunos foram aceitos.  De cara ela declara briga a um dos alunos e considera um romance com outro.
Disposta a levar uma vida comum Nina convence sua mãe a deixá-la trabalhar em uma loja de vendas de CDs. Além disso, decide não contar para Stela os eventos anormais que vem ocorrendo desde que se mudaram para Nova Iorque, tais como calafrios, paralisia e a proximidade com acidentes que poderiam causar sua morte. Sua intenção é evitar que sua vida mude de rumo novamente. Porém, seu destino reserva muitas reviravoltas.
Quais são os segredos que a sua mãe guarda? Por que elas nunca conversaram francamente sobre o seu pai? Por que se mudam com tanta frequência? O que significa os eventos anormais que ocorrem em sua vida? Por que por onde passam a morte deixa um rastro? São essas perguntas que guiam a leitura.
A leitura é bem agradável, fluída e rápida. O livro é voltado para o público YA (Young adult – jovem adulto) e apresenta os itens comuns do gênero, como um envolvimento amoroso e as dúvidas típicas da idade. O fato de Nina ser uma adolescente, suas atitudes são moldadas tal como um age, ela é imatura, insegura e não compreende bem tudo que está acontecendo com ela. A forma como as informações são apresentadas deixam muitas pontas soltas (o que é esperado em um trilogia) e são apresentadas em alta velocidade. A proposta do livro é bem interessante, a forma como a autora cria um novo mundo, estabelece regras, cria situações é bem elaborada.
Nesse primeiro texto para evitar spoilers não será detalhado o universo que foi criado e as relações dos demais personagens na trama. Geralmente o primeiro livro de uma trilogia serve para apresentar os personagens, os motivos que os guiam e por fim, a história então encerra em um ponto no qual os leitores ficaram curiosos e ansiosos pelo que vem pela frente, esse livro atende bem esse aspecto, principalmente considerando que é o primeiro livro da autora. É possível encontrar algumas falhas durante a leitura, mas nada que seja tão expressivo e atrapalhe a leitura.
Durante essa semana serão publicados no blog as resenhas dos outros dois livros da trilogia. Se você já leu o livro, ou ainda não leu, deixe sua opinião nos comentários, vamos adorar saber.

Clique no título dos próximos volumes para acessar a resenha:
Não Olhe!
Não Fuja!
››


Depois de ter achado a capa linda e gostado muito da sinopse, resolvi ler esse livro que foi o primeiro que li da autora Laura Conrado e foi uma grata surpresa! A história é bem leve, divertida e também traz muitas questões que vamos repensando ao longo da vida.
Quando Saturno Voltar conta a história de Déborah Zolini, uma assessora de imprensa que trabalha desde que se formou na faculdade para um clube de futebol da segunda divisão, o Tricolor Associação Esportiva e que apesar da promessa do time de ir pra série A, permanece na série B. Namora com Sérgio que faz medicina e faz planos de se casar com ele, além de procurar levar uma vida sem enfrentar medos, vivendo na zona de conforto em que sempre esteve concentrada.
Sua vida começa a mudar depois de uma viagem para o Chile, em que depois de uma comemoração com seus colegas de trabalho, Déborah tem um encontro com a mística Saphira que fala com ela sobre o retorno de Saturno que ocorre a cada 29 anos e que a sua vida vai ter muitas mudanças. Déborah não acredita naquele momento, mas conforme está próximo o seu aniversário de 29 anos, sua vida começa a mudar aos poucos e o encontro inesperado com um completo desconhecido no vôo de volta ao Brasil começa a fazer com que ela questione seus planos e ao mesmo tempo pensar sobre tudo o que está acontecendo em sua vida...
Esse é o tipo de leitura rápida, em que não há como não se identificar com os personagens. Eles são bem reais, a história é leve e faz com que pensamos em nossas atitudes como a personagem, se somos capazes de abandonar a zona de conforto ou manter a estabilidade. A personagem Déborah foi bem construída pela autora, mostrando as dúvidas, medos, sonhos e neuras identificando muito com a realidade.
Com uma leitura despretensiosa, Quando Saturno Voltar me prendeu do inicio ao fim com a personagem Déborah. Apesar de não querer acreditar em Saphira, as reviravoltas que ocorrem  em sua vida fazem com que suas atitudes sejam repensadas. Apesar da zona de conforto em que ela se mantém, aos poucos ela cria coragem para mudar a sua realidade. Com o tempo, fica impossível não perceber o amadurecimento da personagem, e também a influência do retorno de Saturno em sua vida.
Para quem procura uma leitura mais tranquila, envolvente e ao mesmo tempo questionadora em relação ao que estamos vivendo, com muitas passagens divertidas, esse é o livro que eu recomendo para você!
››


   Depois da experiência maravilhosa que tive ao ler Matilda, não poderia deixar a oportunidade passar de ler mais um livro incrível do autor Roald Dahl. Apesar de ser um livro infantil, é muito bem escrito com várias ilustrações e uma estória encantadora do início ao fim!
Charlie é um garoto muito pobre que mora em um casebre com seus pais e os quatro avós. Na casa, somente o pai de Charlie, o Sr. Bucket , trabalha em uma fábrica de pasta de dentes, mas como o seu salário é muito pouco mal dá para eles sobreviverem e todos os dias eles tem a mesma refeição simples, exceto aos domingos que eles tem direito a repetir.
Na cidade tem uma fábrica de chocolate que Charlie sempre passa por ela. O dono da fábrica é o Sr. Wonka, mas ninguém nunca o vê. As pessoas só sabem que os chocolates continuam sendo produzidos, mas ninguém nunca mais viu alguém entrando ou saindo da fábrica.
Um dia, ao chegar do trabalho, o pai de Charlie leu no jornal que o Sr. Wonka havia distribuído cinco cupons dourados em barras de chocolate no mundo inteiro. Cinco crianças teriam o  direito de visitar sua fábrica por um dia e saber tudo o que acontece lá dentro, incluindo seus maiores segredos. As crianças que participassem teriam a sua disposição chocolates para a vida inteira. E o ganhador receberia um grande prêmio que seria surpresa.
Apesar dos pais de Charlie serem muito pobres, ele queria ter essa oportunidade em sua vida. Porém, ele só ganhava chocolate uma vez ao ano durante o seu aniversário. Será que a sorte de Charlie poderia mudar, mesmo com todas as suas dificuldades?
A Fantástica Fabrica de Chocolate é um livro encantador que apesar de ser infantil, vale a pena cada momento lido. Apesar de ter um filme famoso com o ator Johnny Depp, só assisti ao filme quando terminei o livro e apesar de ter gostado, prefiro a versão original da estória. Tem algumas diferenças como todas as adaptações, mas são muito poucas.
Para quem gosta de livros infantis fica a dica. Seja criança ou adulto, A Fantástica Fábrica de Chocolate é incrível do inicio ao fim. É impossível não se encantar com Charlie, a animação do Vovô José e o sarcasmo do Sr. Wonka. Para quem gosta de um livro bem escrito cheio de diversão e com muita imaginação esse é o livro que eu indico para você!
››


               Esse é o primeiro livro que leio da autora Sandi Lynn e foi uma grata surpresa! Já tinha algum tempo que eu estava com vontade de ler essa estória, depois de ter lido muitos comentários maravilhosos a respeito dela. Apesar de ser um clichê romântico, com um milionário possessivo e uma mocinha determinada, ele também é um livro sobre recomeço e superação, com muito romantismo.
Ellery é uma jovem de 23 anos que mora em Nova York com seu namorado Kyle há um ano e tem um trabalho de meio período em uma gravadora. Depois que Kyle decide ir embora de casa ela passa dias depressivos pintando quadros para colocá-los a venda no lugar em que sua melhor amiga Peyton trabalha.
Para animar Elle, Peyton a convida para comemorarem o término das pinturas em uma boate. Apesar de não querer ir, Elle acaba cedendo e um casal brigando lá dentro chama a sua atenção, e Elle fica impressionada com a beleza do homem, sentindo-se atraída por ele.
Mais tarde, ao sair na porta da boate, ela o encontra muito bêbado e resolve ajudá-lo a ir embora para casa. Ela chama um táxi e ao chegar na casa dele, ela decide deixá-lo apenas confortável na cama para depois ir. Porém, ela acaba ficando mais tempo do que o necessário e sem perceber passa a noite na casa dele. Ao acordar, ela vai cedo para a cozinha preparar um coquetel para que ele melhore. Mas ele acorda e a encontra na cozinha e sua primeira reação é tentar expulsá-la de casa. Ele a confunde com outra mulher e avisa para ela que uma mulher nunca deve passar a noite na casa dele. Sem medo dele, Ellery o enfrenta e explica a real situação para ele sendo muito sincera. Connor fica surpreso com o jeito determinado de Elle e a sua bondade e para desculpar-se da confusão, depois que ela vai embora, ele envia para ela um bilhete convidando-a para jantar em um belo restaurante e avisa que o seu motorista vai buscá-la.
Black Para Sempre é um daqueles livros que mesmo com o clichê, tem algo mais que surpreende. Enquanto Ellery tem um sonho de vender suas pinturas, é independente, determinada e não leva desaforo pra casa, Connor é um CEO milionário, dono da Black Enterprises, obsessivo, controlador que não fica sossegado enquanto não descobrir tudo o que ele quer.
Sendo tão diferentes assim, tem muitos momentos de romance, mas tem muita tensão também já que nenhum dos dois querem ceder para melhorar a relação que existe entre eles. Apesar das diferenças entre os personagens, é incrível a conexão que existe entre os dois e também a amizade que vai surgindo que até então vai contra qualquer regra.
O livro é uma leitura bem fácil e apesar de não trazer nada de muito diferente, ele envolve muitos segredos, que fazem do livro muito mais do que um romance, com uma linda estória de superação e recomeço.
Enfim, Black Para Sempre é um livro que recomendo para quem deseja uma leitura rápida com um clichê romântico, além de superação, segredos, recomeço e um amor verdadeiro intenso do começo ao fim!
››


Cem Gramas de Centeio não perde tempo e logo no primeiro capítulo nos deparamos com o primeiro assassinato, Rex Fortscue é presidente de uma grande empresa e como de costume bebe seu chá matinal, porém ele é vítima de um envenenamento. No bolso do terno do empresário são encontrados cem gramas de centeio e é a primeira pista do caso.
O inspetor Neele é o responsável pela investigação e a medida em que conhece a família da vítima percebe que qualquer um pode ser o autor do crime. Poucos dias após a morte do Sr. Fortscue, dois novos assassinatos acontecem e então Miss Marple aparece para investigar o caso.
Miss Marple atua em segundo plano nas investigações, aparece em poucos capítulos, mas como sempre sua percepção para realizar a justiça não falha, ela mantém o faro aguçado em tais situações. Ela é a responsável por perceber detalhes que para os olhos do inspetor passariam despercebidos, além disso Miss Marple ainda identifica o padrão que guiaram os assassinatos. Como sempre a abordagem da velhinha “mexeriqueira” é bem suave, transmite uma imagem confiável e ao mesmo tempo perspicaz, sempre enxergando nas entrelinhas.
Durante a leitura encontrei algumas semelhanças com o livro A Mansão Hollow, apesar das circunstância serem bem distintas e a composição dos personagens também, em alguns pequenos detalhes eu me pegava pensando na Mansão. O que contribuiu um pouco com as minhas deduções de quem seria o assassino.
Nesse livro, como em todos os outros da Agatha, temos um leque de possíveis assassinos e seus respectivos motivos. Não temos uma visão tão aprofundada da personalidade dos personagens como nos livros que Miss Marple é a grande responsável por desvendar o caso, o inspetor Neele atua de forma mais rasa. Um elemento que identifiquei que é bem comum nos livros da Agatha é que a medida que os personagens são apresentados geralmente são feitas ligações com pessoas do passado dos detetives, o que ajuda muito nas deduções. Dessa vez eu acertei quem era o assassino, apesar de não ter conseguido ligar todos os motivos e foi nesse ponto que a rainha do crime mais uma vez me surpreendeu, quando ela encaixou toda a história.

Enfim, como sempre foi uma leitura muito agradável e bem rápida. Esse livro não se tornou o meu favorito da autora. Se você nunca leu nada da autora não recomendo começar por esse, tem outros que a história é mais envolvente e nos deixa mais ansiosos. Ainda assim o considero um bom livro. Os livros da Agatha já possuem lugar cativo na minha estante e sempre quero mais! 
››


Sempre escuto algumas pessoas declarando que o seu gênero favorito da literatura são as distopias, mas o que é mesmo uma distopia? Segundo a definição do dicionário DCIO :
Distopia: s.f. Patologia. Posição ou situação anormal de um órgão. Local imaginário, circunstância hipotética, em que se vive situações desesperadoras, com excesso de opressão ou de perda; antiutopia. Quaisquer demonstrações ou definições de uma associação social futura, definida por circunstâncias de vida intoleráveis, cujo propósito seria analisar de maneira crítica as características da sociedade atual; além de ridicularizar utopias, chamando atenção para seus males; antiutopia.  (Etm. do grego: dys (mau,ruim) + topos (lugar) + ia)
A distopia  filosófica (Fonte: Significados) é a caracterização de uma sociedade imaginária idealizada (contrária a utopia) com base em regimes totalitários (controlados por uma minoria), onde os indivíduos vivem situações extremas de desespero e privação.  A distopias literárias normalmente tem ligação com a organização social e política conhecida, algumas vezes são idealizadas no futuro como consequências de atos individuais ou de governos. Podem ser também uma sátira a algum regime, como no caso do livro A Revolução do Bichos de George Orwell que é uma sátira ao regime stalinista.
A Wikipedia lista alguns elementos apresentados na literatura distópica, que serão listados a seguir:
·           Tem conteúdo moral, projetando o modo como os nossos dilemas morais presentes figurariam no futuro.
·           Oferecem crítica social e apresentam as simpatias políticas do autor.
·           Exploram a estupidez coletiva.
·           O poder é mantido por uma elite, mediante a somatização e consequente alívio de certas carências e privações do indivíduo.
·           Discurso pessimista, raramente "flertando" com a esperança.
·           Violência banalizada e generalizada.
Dentro do gênero distopia existem subgêneros: totalitarista, corporativista, tecnológica, ambiental, cibernética, religiosa, moral, pandêmica, entre outros.
Alguns livros que são distopias: Admirável Mundo Novo - Aldous Huxley (1932), A Revolução dos Bichos – George Orwell (1945), 1984 – George Orwell (1949), Fahreinheit 451 – Ray Bradbury (1953), Laranja Mecânica – Anthony Burgess (1971).

No mercado literário atual é cada vez mais comum encontrarmos universos distópicos voltados para o publico jovem adulto (ou YA – Young Adult), que facilmente viram best-sellers, são adaptados para o cinema e são sucesso de bilheteria. Sagas como Jogos Vorazes e Divergente são um exemplo do atual fenômeno. O que elas tem em comum? Seus protagonistas são adolescente (16-17 anos), estão inseridos em um mundo sem liberdade e cheio de privações, geralmente são sagas e são compostos por no mínimo três livros. Além disso, a maioria dos livros nessa categoria apresentam envolvimentos amorosos, que talvez seja um dos fatores chave do sucesso atual. A lista de universos distópicos YA não para de crescer e cada vez nos deparamos com mais títulos disponíveis.

››


O livro A Estrela que Nunca Vai se Apagar  é a biografia de Esther contada através de trechos de seu diário, desenhos feitos por ela, relatos dos parentes e amigos, fotografias e textos de ficção. Esther significa estrela em persa e sem dúvidas ela foi uma estrela. Esther foi diagnosticada aos doze anos com câncer de tireoide e sua vida sofreu mudanças drásticas. Ela sempre foi uma criança muito ativa, mas viu a sua rotina mudar por causa do tratamento do câncer, mas não perdeu o brilho do seu olhar e seu jeito especial de encarar a vida.

A edição brasileira do livro, produzida pela editora Intrínseca.

Ela faleceu logo após completar dezesseis anos, deixou parentes e amigos e um legado de felicidade, amor e esperança. Esther sempre quis fazer a diferença no mundo e de fato ela fez, através de gestos, palavras e amor. É possível encontrar em vários sites a sua história, seus vídeos no youtube, etc.. A minha sensação ao ler o livro é que eu também era uma amiga de Esther, compreendia seus medos e anseios, além de compartilhar com ela muitos interesses em comum, como ser uma potterhead. Ela fazia parte de um grupo que se chama Nerdfighters, que teve início com os vídeos postados no youtube pelos irmão Hank e John Green. Para acessar o vídeo dos irmãos explicando como ser um Nerdfighter clique aqui.
A introdução do livro é feita por John Green, ele se inspirou em Esther para escrever o livro a Culpa é das Estrela, eles se conheceram em 2009 na LeakyCon que é uma conferência sobre Harry Potter e se tornaram amigos. John sempre mencionou Esther em seus vídeos no youtube e após a sua morte ele teve forças para terminar o livro A Culpa é das Estrelas que já fazia dez anos que tentava escrever. Vale ressaltar que a Hazel (protogonista da história de John) não é a Esther, tem algumas características em comum, mas a história não é a história de Esther.
O que vemos nas páginas do livro é uma criança que se questiona o porque de ter câncer várias vezes, o que é comum, mas também uma criança que aceita o seu estado, em nenhum momento ela é endeusada como perfeita. Ela queria fazer algo maior e através do seu canal no youtube e seu vlog ela se aproximou de muitas pessoas, manteve contato e respondeu-as sempre com muito carinho, felicidade e amor. Transmitindo uma bela mensagem e lutando por causas que realmente valiam a pena.

Trecho do diário de Esther.


No final do livro encontra-se alguns contos de ficção escritos por Esther, estão inacabados, ela tinha o sonho de ser escritora e esse livro é a realização
É impossível ler esse livro sem se emocionar, vale a pena conhecer melhor a Esher, seja você adolescente ou adulto. Sem dúvidas a estrela de Esther nunca se apagará, o seu legado está aí, vivo em seus vídeos, no coração de todos que tiveram a chance de conhecê-la seja pessoalmente ou por seus vídeos ou pelo livro. Enfim, super recomendo essa história, mas esteja preparado para uma torrente de emoções.
››


O livro Simplesmente Acontece (Love, Rosie) foi o meu primeiro contato com a autora Cecelia Ahern, apesar de conhecer os filmes baseados em sua obra ainda não havia lido nada da autora. Nesse caso assisti o filme homônimo antes de ler a obra e como gostei do filme decidi ler o livro. Comprei o livro a mais ou menos seis meses atrás e até então estava na minha estante aguardando o momento certo para ser lido, eu tinha a intenção de esquecer um pouco do filme, o que não deu muito certo. Por ter visto o filme eu tive alguns spoilers, coisas que aconteceram no início do filme são reveladas somente no final, mas de fato não atrapalhou minha leitura.
A escrita do livro é bem diferente do que estou acostumada, a história nos é apresentada em forma de cartas, e-mails, bilhetes, conversas instantâneas, cartões, etc. colecionados ao longo de uma vida. Inicialmente, achei que não ia gostar dessa forma de escrita, mas me surpreendi, a leitura foi bem fluída e apesar de não acompanhar os personagens em todo o desenvolvimento da história é possível compreender perfeitamente o turbilhão de sentimentos que eles sentem. Rosie e Alex são os protagonistas, eles são amigos inseparáveis desde a infância e são perfeitos um para o outro, porém vivem uma série de desencontros e acabam não falando o que de fato sentem um pelo outro.
Rosie tinha acabado de concluir o ensino médio e já tinha um plano traçado, iria morar em Boston para fazer a faculdade e ficar perto do seu melhor amigo que havia mudado um ano antes para a cidade. No baile de formatura ela acaba engravidando por um deslize e ver seus planos mudados da noite para o dia. E os desencontros não param por aí, o casal tem tudo para ficar junto, mas não conseguem ter uma sincronia, parece que tudo conspira contra os dois.
Os dois tem alguns desentendimentos ao longo do livro, mas a amizade é sempre mais forte e eles sempre se perdoam. Mesmo a distância sempre participam da vida um do outro, acompanham o crescimento dos respectivos filhos e dos relacionamentos que eles vivem e nos momentos difíceis sempre buscam apoio um no outro. Acredito que seja esse fator que deixa a história emocionante, eles nunca de fato deixaram de se amar, mesmo com tudo que acontecia eles tinham um ao outro.
A forma que a narrativa é enlaçada nos prende, faz vibrar, ter raiva dos personagens e torcer para que fiquem juntos. Não é uma história de amor impossível, eles precisam se jogar, se arriscar, mas parece que nunca é o momento certo e que o destino está sempre brincando com eles. É perfeitamente possível acontecer na vida real, fora dos livros. Tem muito drama envolvido, tem momentos engraçados e momentos românticos.
Porque deixamos de acreditar em nós mesmos? Porque permitimos que os acontecimentos ou os números ou qualquer outra coisa além dos nossos sonhos governem a nossa vida?

Impossível não fazer uma breve comparação livro x filme, até porque as edições disponíveis no Brasil são com a capa do filme. No livro temos acessos a alguns detalhes que não são disponibilizados no filme, algumas alterações foram feitas, mas acabou tendo efeito similar. A essência da história continua firme no filme apesar dos finais serem um pouco diferentes. Se você já viu o filme e gostou, vale a pena ler o livro para complementar algumas lacunas. Se você ainda não assistiu, mas gosta de dramas com uma leve pitada de comédia, recomendo a leitura para em seguida ver o filme. Enfim, recomendo esse livro para pessoas que tenham paciência e gostem de romance, foi uma boa leitura.

››



               Eu estava bem animada para ler esse livro, depois de ler comentários maravilhosos a respeito dele. Apesar de ser o tipo de livro que amo ler, não sei porque demorei tanto para começar. É uma estória linda, com toda a magia do amor verdadeiro.
Bárbara sempre acreditou nos contos de fadas desde que era bem pequena e tinha certeza que encontraria seu príncipe encantado um dia e seria muito feliz com ele. Ela não consegue esquecer de quando era criança e a pela primeira vez viu o olhar do noivo no casamento. Ao contrário das outras pessoas que estavam ali deslumbradas com a beleza da noiva, Bárbara olhou para o noivo e aquele amor que ela viu nele despertou sua vontade de encontrar alguém que olhasse para ela da mesma forma.
No dia do seu casamento, Bárbara estava ansiosa por esse momento. Apesar de sua família e nem suas amigas estarem empolgados, ela ignorou e seguiu em frente até o altar da igreja. Porém Miguel estava tão frio que Bárbara percebeu de imediato. E a maior surpresa foi quando seu noivo falou que não poderia se casar com ela, pois estava apaixonado por Manoela, que era sua melhor amiga.
Naquele momento Bárbara só conseguia pensar em fugir dali e pensar o quanto estava errada em ter acreditado nos contos de fadas. Desesperada ela encontra um táxi que a leva de volta para casa e arruma suas malas para voltar para a casa dos seus pais.
Apesar da mágoa que ela guarda de Miguel, no fundo Bárbara sabia que ele não era o seu garoto dos olhos azuis. O garoto que a salvou quando ela foi humilhada por uma garota mais velha que a jogou no rio quando ela era mais nova. Enquanto muitos riam dela, ele foi até ela e a tirou dali, depois a ofereceu uma rosa branca, a beijou e nunca mais ela o viu.
Preocupado com Bárbara, seu irmão Augusto a convida para morar com ele na república com mais três homens: seu irmão Gustavo, Bernardo e Ian. É lá que ela conhece Ian, um loiro lindo por quem Bárbara se encanta completamente. É também com ele que arruma as maiores confusões desde o primeiro dia em que ela está na casa.
O Garoto dos Olhos Azuis é um livro lindo para quem curte um bom romance, com passagens divertidas e uma pitada de conto de fadas. É impossível não se divertir com a Bárbara, que arruma muitas encrencas, mas no fundo ainda acredita que algum dia seu maior sonho se realizará. Sinceramente, nem sei porque levei tanto tempo para começar a ler este livro. Cada página virada aumentava minha vontade de ler ainda mais e só fiquei tranquila quando terminei. Passei por muitas emoções enquanto lia essa estória, cheia de reviravoltas, romance e confusões.
O Garoto dos Olhos Azuis me encantou da primeira a última página. Um livro simplesmente incrível que me relembrou os contos de fadas, valeu a pena a leitura. Recomendo!
››