Paralela

Resenha: A vida secreta das abelhas

30 janeiro

O livro a vida secretas das abelhas é narrado sobre o ponto de vista de Lily Owens, uma jovem de 14 anos que perdeu sua mãe quando tinha apenas quatro anos. Sua relação com o pai é conturbada, por isso o chama pelo próprio nome T. Ray. Os dois moram em uma fazenda situada no sul dos EUA, onde cultivam pêssegos. Rosaleen é como se fosse a governanta da casa, foi contratada após a morte da mãe de Lily e desde então cuida dela.
Lily não possui amigos, sempre teve dificuldades de se entrosar na escola. Sua professora sempre a incentivou ler e isso despertou nela o sonho de ser escritora.  Durante o verão trabalhava em uma banca vendendo os pêssegos cultivados na fazenda. Seu pai nunca demonstrou nenhum afeto, sempre a castigava e não gostava que ela lesse. Sua relação com Rosaleen era o que mais se aproximava de um afeto verdadeiro. Próximo a plantação de pêssegos Lily mantinha em segredo uma pequena caixa com alguns pertences de sua mãe que havia achado, eram eles: um par de luvas, uma fotografia e a imagem de uma virgem Maria negra. O que a intrigava na imagem era o fato de ter o nome da cidade de Tiburon escrito no verso. Sempre que possível ficava admirando os pertences de sua mãe e imaginando como ela era.
Além disso é importante fazer um contexto histórico dos EUA no ano de 1964 para se entender melhor a história. Os estados do sul tiveram sua economia baseada na escravatura, o que acabou deixando marcas profundas nas relações sociais desses estados. Apresentando grandes desigualdades entre brancos e negros.  No ano de 64 foi assinado os direitos civis que decretavam o fim da segregação racial em espaços públicos e o voto universal independente de nível educacional ou condição social.
Após a assinatura dos direitos civis Rosaleen decide então se registrar para votar, acompanhada de Lily elas vão até a cidade com esse próposito, porém no caminho se envolvem em uma confusão, onde Rosaleen é vítima de preconceitos raciais. As duas são presas, T. Ray tira Lily da cadeia, porém deixa Rosaleen lá e ela é espancada pelos mesmos homens que a insultaram antes de ser presa. Lily então bola um plano com a finalidade de fugir de seu pai, salvar a vida de Rosaleen e chegar a Tiburon para descobrir alguma coisa sobre o passado da mãe dela.
Lily resgata Rosaleen no hospital onde está internada, as duas conseguem uma carona para uma cidade próxima a Tiburon.  Ao chegarem a Tiburon logo ficam sabendo a origem da imagem da Virgem Maria negra e então chegam a casa das irmãs August, June e May. Lily pede abrigo usando uma mentira que era órfã e estava indo morar com uma tia, mas precisava de um abrigo por um tempo. August a irmã mais velha concorda em hospedá-las. Lily começa a trabalhar com apicultura junto com August e Rosaleen a ajudar May nas tarefas de casa. June é contra a estadia de Lily.
A partir desse ponto Lily passa a admirar e gostar cada vez mais de August. Zach que também ajudava com a apicultura, logo se torna amigo de Lily e desenvolvem um pequeno romance. Lily passa a conhecer as histórias da virgem negra e acaba construindo sua fé. Ela anseia por contar a verdade porém tem medo da reação das irmãs e o que isso causaria a ela e Rosaleen.
Esse é um livro que aborda vários temas: fé, sonhos, perdão, amor, a vida em sociedade, relacionamentos e preconceitos. A vida em sociedade sempre foi complicada e os preconceitos raciais infelizmente ainda resistem ao tempo. O livro mostra como é possível unir pessoas através da fé, como as mágoas são capazes de mudar seus comportamentos e principalmente como é difícil perdoar, seguir em frente e buscar a realização dos seus sonhos. É uma leitura que sem dúvidas vale a pena, faz você se emocionar e imaginar como tudo poderia ser diferente.
O livro foi adaptado para as telonas e seu elenco não deixa a desejar, composto por grandes atrizes como Queen Latifah e Dakota Fanning. Primeiro eu li o livro e em seguida vi o filme e recomendo a todos essa ordem.


››

Nova Fronteira

Resenha: A Maldição do espelho

27 janeiro

"Para fora esvoaçou a teia e pairou ao longe; o espelho quebrou de lado a lado: "A maldição se abateu sobre mim", gritou Lady de Shalott." (Alfred Tennison)
Agatha Christie também conhecida como rainha do crime escreveu vários livros, entre os seus personagens mais conhecidos figuram os detetives Hercule Poirot e Miss Marple. Seus livros sobrevivem ao tempo e passam de geração em geração. Eu já sou fã da rainha do crime, o primeiro livro que li dela foi Morte no Nilo desde então tem se tornado uma leitura obrigatória. A maldição do espelho não deixa a desejar, é um livro envolvente e surpreendente. Foi o primeiro livro que li com a Miss Marple, um fato curioso é que a personagem foi inspirada em sua avó. Nesse livro a detetive amadora já se apresenta bem idosa e fragilizada por causa de uma bronquite, vivendo alguns dramas pessoais como conviver com uma acompanhante que não suporta e não poder sair de casa com frequência.
A história se passa em St. Mary Mead uma pequena cidade da Inglaterra criada pela autora, a cidade vem sofrendo transformações com a chegada da modernização. Miss Marple já não reconhece a própria cidade e após inventar desculpas para manter sua acompanhante ocupada por um bom tempo decide conhecer a parte nova da cidade. Nessa breve escapada ela acaba conhecendo Heather Badcock, uma mulher enérgica, sempre disposta a ajudar e fã de Marina Gregg uma atriz que acabou de se mudar para Gossington Hall, uma mansão que pertencia a uma velha conhecida de Miss Marple.
Após uma reforma em Gossington Hall a atriz oferece uma festa e recebe pessoalmente alguns de seus convidados. É nesse momento que acontece o grande mistério,  Heather Badcock em um instante cheia de vida e em seguida sofre um ataque fulminante. Tudo o que se sabe é que Heather estava contente em reencontrar Marina e aparentemente ninguém tinha intenção de assassiná-la.  Surge então a dúvida será que o atentado era mesmo contra a vida de Heather ou o alvo era Marina Gregg?
A detetive apesar de impossibilitada de sair acaba se envolvendo e tentando desvendar o mistério sem ir na cena do crime. A senhora Bantry antiga dona de Gossington Hall é das principais informantes da detetive. Além disso, o inspetor Craddock (responsável pelo caso) eventualmente procura a detetive para pedir ajuda e tentar solucionar o mistério. A sensação ao terminar o livro é surpreendente e novas questões ficam no ar.
Nem preciso dizer que já adoro essa detetive amadora que entre seu tricô e algumas revistas de fofocas desvendou o caso indo na cena do crime somente no último instante. Pra quem é fã de mistérios eu recomendo os livros da Agatha Christie, a leitura é leve, te prende e brinca com a sua imaginação. E quanto mais livros eu leio da rainha do crime mais eu quero ler. Além disso, a Editora Nova Fronteira relançou alguns livros da autora em edições incríveis e de capa dura, eu já estou quase completando a minha coleção. Em breve mais resenhas da rainha do crime.
››

Intrínseca

Resenha: Orange is the new black

25 janeiro

O livro que inspirou a série

Esse livro me despertou a curiosidade após conhecer a série de sucesso produzida pelo Netflix. Ao saber que a personagem principal era baseada em uma mulher real que viveu uma situação bem parecida eu logo tive interesse em ler o livro. Então vamos falar um pouco sobre o livro e fazer uma breve comparação com a série no final.
O livro traz um relato verídico sobre algumas fases da vida de Piper Kerman. É como se fosse o diário da autora e nele são narrados fatos que antecedem a sua prisão, os momentos em que esteve presa e após ser libertada. O livro que inspirou a série do Netflix possui uma leitura leve e fácil.
Piper foi condenada a prisão devido ao seu envolvimento com o tráfico de drogas quando ainda era jovem e recém formada da faculdade. Durante esse período da vida ela encontrava-se sem rumo e acabou conhecendo uma glamorosa traficante Norma, com quem teve um romance. Além disso, Norma a convenceu de transportar uma mala em uma viagem internacional contendo dinheiro oriundo do tráfico de drogas para a Europa. Registrando assim uma breve passagem pelo mundo do crime.
Após anos o seu passado volta a tona quando um policial a procura com uma intimação para comparecer ao tribunal. Nessa fase da vida a autora já possui uma vida estável, um bom emprego e um companheiro apaixonado. Após alguns anos de espera pelo julgamento Piper é condenada a 15 meses de reclusão em uma penitenciária federal.
A autora descreve como é a vida na prisão, como é o sistema carcerário dos Estados Unidos, apresenta e conta a história de algumas presas das quais esteve mais próxima durante esse estágio da sua vida, mostra ainda como o sistema influencia na vida delas alterando comportamentos e sentimentos. Essa é uma parte densa do livro e Piper consegue transmitir de forma clara como foram esses meses de reclusão e nos faz pensar que poderia ser qualquer um na mesma situação. Além de se apresentar como uma mulher forte que aceitou sua culpa e encarou a punição de frente sem se deixar abater.
Quase chegando ao final da sua pena Piper é transferida para outras prisões e fica chocada com a escassez de recursos em outros locais. Ela chega a sentir falta da primeira penitenciária e de suas colegas de reclusão que ganharam significado em sua vida. Esse é o único momento do livro que relata maiores dificuldades para Piper, o que nos leva a pensar se o sistema carcerário dos Estados Unidos não é tão "barra pesada" quanto o brasileiro. A autora reflete ainda sobre a dificuldade de outras presas para retomarem suas vidas após a cadeia, como o sistema não ajuda nessa reintegração e como a falta de recursos dificulta ainda mais essa reinserção. O livro nos faz refletir sobre o que poderia ser feito para mudar essa triste realidade.
Piper ressalta o tempo todo como as pessoas que estavam fora da prisão a ajudaram a se manter forte para cumprir toda a sua pena. No seu caso ao ser libertada ela contava com a sorte de ter um emprego esperando por ela, um marido e uma casa. Essa expectativa ajudou a se manter firme e forte durante o tempo de reclusão.
O livro é bem diferente da série que ele inspirou. A série é repleta de intrigas, a aceitação da Piper é um processo bem mais lento e complexo. As outras prisioneiras apresentadas na série são bem mais complexas, com nomes diferentes do livro e possuem um foco maior nas suas respectivas vidas antes da reclusão. Além disso, na série algumas personagens secundárias ganham um destaque maior a fim de incluir um pouco de drama e comédia. Alguns outros fatos como o relacionamento de Piper com o seu noivo Larry são apresentados de forma bem diferente na série. Outra diferença gritante é a presença de Alex (Norman no livro) na série enquanto no livro só aparece no finalzinho. Enfim, a série apresenta cenas bem mais emocionantes desde o primeiro momento, já o livro se desenvolve de uma forma mais tranquila e lenta. Confesso que a série possui alguns atrativos maiores, porém ainda recomendo a leitura do livro que apresenta a história da autora de forma fidedigna. 
››

Gutenberg

Resenha: Apaixonada por Histórias

22 janeiro

Conheci a Paula Pimenta narradora na série Fazendo Meu Filme, a Paula Pimenta poetisa em Confissão e agora a Paula Pimenta cronista em Apaixonada por Histórias.
Sempre gostei de ler crônicas e saber que a Paula havia escrito um livro dessa forma depois dos outros que li dela foi maravilhoso. Apaixonada por histórias tem 55 crônicas que a autora escreveu em diferentes épocas da vida. No decorrer do livro, fica impossível você não conhecer um pouco da história de vida dela. São histórias do cotidiano, vivenciadas por ela em tantos momentos, e em muitas crônicas identifiquei com a minha própria história.
Temas como passado, presente, futuro, mudanças, pessoas especiais vão ganhando a vida com a forma como Paula narra suas histórias. Quanto mais eu lia, mais eu mergulhava nas histórias e percebia o amor da autora pela literatura.
O mais incrível é como você se percebe próxima da escrita, é como uma grande amiga te narrando os fatos mais emocionantes da vida dela sem ocultar a alegria, a tristeza, os sonhos que fazem parte da vida de todos nós.
Não dá pra falar de um tema específico aqui, todas as histórias têm a sua “mágica”, mas ao mesmo tempo faz com que nos lembramos de fatos que foram marcantes em nossa vida também e que muitas vezes contamos aos outros de uma forma que elas fiquem sendo sempre lembradas.
O livro é lindo, e não é nenhuma surpresa que o roxo seja uma das minhas cores favoritas. Em cada crônica, as frases mais interessantes estão destacadas dessa cor. Achei linda a capa com a estante de livros que tem tudo a ver com as crônicas e também com a paixão da autora não só por contar histórias, mas levá-las para outras pessoas também.
Caso ainda não tenha lido um livro assim, esse com certeza você vai gostar! Recomendo a leitura!
››

Resenha

Resenha: Onde o Amor se Esconde

21 janeiro

Eu estava com vontade de ler esse livro há algum tempo, mas eu ficava em dúvida devido a sinopse, mas quando o tema é romance histórico eu preciso ler. O mais interessante é que é escrito por uma autora brasileira, o que me deu mais entusiasmo para a leitura, porque amo livros nacionais.
Onde o Amor Se Esconde conta a história de Maria da Glória, que vive no início do século XX e assim como a maioria das mulheres da época sonhava em ter um grande amor, casar-se e ter filhos. Sua melhor amiga Marisa mostra-se bem avançada para a época e seu objetivo era ter a total liberdade que há tanto tempo vinha desejando.
Para cumprir as ordens do pai, Glória casa-se com Erasmo Galvão, um grande cafeicultor que não demonstra nenhum tipo de amor pela jovem. Pelo contrário, cada vez que o tempo passa, ele se mostra mais grosseiro, agressivo e não perde oportunidades para humilhá-la, desfazendo o sonho da jovem dele ser um homem que a amaria e que a faria feliz enquanto estivessem juntos.
Para completar a infelicidade da jovem, sua melhor amiga Marisa parece ter se casado com o homem dos sonhos, mesmo sendo tão “moderna” como era e deixando Glória com dúvidas cruciais quanto ao seu casamento quando Marisa sugere a traição com um jovem chamado Fernando. E agora, Glória precisava escolher se conviveria ou não com o pecado, pois sabe que trair vai contra todos os princípios que aprendeu durante toda a sua vida.
A história traz uma trama bem interessante que ajuda a denunciar a violência doméstica que tantas mulheres sofrem hoje nos dias atuais, porém a diferença é que naquela época elas não estavam protegidas de nenhuma forma, ficando a mercê das maldades dos maridos.
O livro é narrado em primeira pessoa e dividido em três partes: A Dor, O Prazer e O Amor. Através de cada uma delas vemos a evolução da personagem e como a adolescente mimada no início do livro vai dando lugar a uma personagem madura, mais forte que passa por experiências muito complexas que ajudam em seu amadurecimento.
Apesar da linda capa, não se engane quanto ao conteúdo. O livro tem uma trama cheia de reviravoltas e emoções que faz o leitor mergulhar em uma história profunda de amor, ódio e desejos que fica impossível parar de ler. E mesmo imaginando que sabemos o que pode acontecer nos próximos capítulos, a autora sempre nos surpreende e apresenta algo totalmente diferente do esperado.
O livro é cheio de personagens secundários que fazem com que a narração de Glória se torne ainda mais interessante. Tem pessoas boas e más que fazem com que a história ganhe uma entonação de realidade muito maior.
Enfim, gostei muito do livro, apesar de ser uma leitura bastante difícil e que não dá pra ser feita com muita tranquilidade. É o primeiro romance que leio dessa forma e gostei bastante. Espero poder ler outros livros da autora futuramente.
››

Seja Bem Vindo(a) ao Blog!

21 janeiro

Durante muito tempo falar sobre os livros que gostamos para os outros foi um sonho. Foi muito difícil encontrar pessoas ao longo da vida que compartilhassem das mesmas ideias e sentimentos que tínhamos sempre que terminávamos de ler uma história que havia nos tocado verdadeiramente. A internet aproximou-nos de outras pessoas que tinham os mesmos sonhos, vontades. Mas comentar com mais pessoas passou a ser um sonho maior. Precisaríamos dividir nossas expectativas, dúvidas, amores literários com outras pessoas também e foi a partir disso que surgiu a ideia do blog.
No inicio, uma ideia sugerida uma a outra por acaso. Só para compartilhar as ideias, mostrar a opinião quanto aos livros, séries e filmes. E outra ideia surgiu. Por que não fazer um blog juntas? E a ideia cresceu e se tornou realidade.
É com muita alegria que apresentamos o nosso blog Um Rascunho a Mais. Ele surgiu a partir do nosso amor pelos livros e juntas vamos trazer resenhas de livros, falar sobre filmes e séries que amamos. Então sejam bem-vindos e conheça o nosso blog que foi feito para vocês, para compartilharmos os pensamentos que temos quando lemos as histórias que amamos ou não.
Fique a vontade para comentar, conhecer nosso cantinho e esperamos de coração que encontrem nesse espaço um lugar que possam voltar sempre. É com muita alegria que iniciamos uma caminhada da qual queremos que dure muito tempo. E sua presença é muito importante para nós!


››

Um rascunho a mais

16 janeiro

Desenvolvemos esse blog com a intenção de falar um pouco mais sobre livros, séries e filmes.
››

Facebook

Instagram