Resenha: O Feiticeiro de Terramar (Ciclo Terramar #1)

07 fevereiro


Sinopse: Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda.
Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários.
Publicado originalmente em 1968, O feiticeiro de Terramar se tornou um clássico da literatura de fantasia. Ged é um predecessor em magia e rebeldia de Harry Potter. E Ursula K. Le Guin é uma referência para escritores do gênero como Patrick Rothfuss, Joe Abercrombie e Neil Gaiman.

Já fazia um tempo que ansiava por ler “O Feiticeiro de Terramar” da autora Ursula K. Le Guin, durante os últimos meses me deparei com críticas positivas que despertaram o meu interesse pela obra em questão. Confesso que não conhecia a autora, geralmente quando falamos de fantasia lembramos logo dos autores clássicos como J.R.R. Tolkien, C.S. Lewis e mais recente J.K. Rowling,  foi através da nova edição publicada pela Arqueiro  que a autora começa a ser afamada no Brasil. Talvez um dos fatos mais expressivos e que me chamou a atenção é que a autora ganhou grandes prêmios de literatura em uma época que pouquíssimas mulheres eram reconhecidas como autoras de ficção científica ou fantasia.
"A partir de então ele passou a acreditar que sábio é aquele que nunca se separa das outras criaturas vivas, quer elas falem ou não."
Já adianto que a obra atendeu a todas as minhas expectativas e entrou para lista dos meus favoritos dentro do gênero de fantasia. A escrita me cativou e o rumo que a história tomou me agradou ainda mais, poderia ter lido em apenas algumas horas se tivesse um pouco mais de tempo disponível. O livro me deixou com um gostinho na boca para saber mais sobre as aventuras de Ged, o protagonista, mas vamos com calma já vou falar mais sobre ele.
"-É a luz que derrota a escuridão - gaguejou Ged. - A luz."
Ged passou a infância em uma ilha do Arquipélago, onde os habitantes possuem pouca instrução e condições financeiras precárias, ele descobre que tem aptidão para realizar feitiços ao observar uma tia pronunciando algumas palavras de feitiçaria e com extrema facilidade consegue o mesmo resultado. Como a tia conhecia apenas o básico para ensiná-lo e um de seus feitos começou a ser propagados em terras longínquas, um mago foi em sua busca para proporcionar uma educação adequada. Porém, o garoto não é perfeito e comete um grande erro por arrogância, na tentativa de se mostrar superior a outras crianças, o que lhe traz grandes consequências. Não é segredo que Ged se tornará um grande mago, o livro inicia indicando que ele irá realizar grandes feitos e se tornará um mago conhecido por toda Terramar, mas neste primeiro livro é narrado o princípio de sua formação e todos os percalços antes de ser grandioso.
"Um homem pode saber para onde vai, mas apenas se der meia-volta e retornar ao começo e mantiver esse começo em seu ser."
O livro vai além de uma simples aventura entre o bem e o mal, mostra a importância do autoconhecimento e das responsabilidades que nos acompanha no processo de crescimento. A jornada do jovem mago leva o leitor a reflexões complexas sobre o amadurecimento, escolhas e arrogância, a mensagem está presente ao longo dos capítulos e a medida que o protagonista cresce ela vai ficando mais forte e cada vez mais fixa. Mas, não se deixe levar por apenas esse aspecto, os elementos de fantasia são marcantes na obra, conta com dragões, grandes inimigos e uma jornada repleta de magia e ilusões.
Em poucas páginas a autora conseguiu me fisgar e me envolveu em um universo incrível, como já mencionei poderia ter lido em apenas algumas horas. Me senti confortável durante a leitura, como se já conhecesse a muito tempo a escrita da autora. A obra foi publicada originalmente em 1968 e apresenta traços a frente de seu tempo capazes de encantar e impressionar em níveis diferentes devido a sutileza como todos os elementos estão dispostos.
"A luz é um poder. Um grande poder, por meio do qual existimos, mas que existe além de nossas necessidades, por si mesma."
O livro é voltado para o público adolescente, porém pode ser lido por qualquer idade. O personagem possui uma personalidade típica da idade, porém não é um empecilho para que leitores que já passaram da adolescência goste, ou mesmo, não se identifique com algumas situações. Por fim, saliento o meu interesse em prosseguir lendo outros livros da autora de ficção científica que parecem ser bem construídos, além claro, do segundo volume da série que espero que seja lançado ainda esse ano pela Editora Arqueiro. Leitura mais que recomendada.

Você pode gostar

8 comentários

  1. Oie

    Que graça esse livro!
    Eu tenho lido mais no gênero fantasia e tenho gostado. Antes ficava com receio de ser adolescente demais, mas tenho me surpreendido.
    Gostei demais da premissa desse, por trazer muito mais que uma simples história de feiticeiros, e levar a reflexão e ao amadurecimento.
    Vai para minha lista!!
    Parabéns pela resenha!

    bjs
    Fernanda
    Pacote Literário

    ResponderExcluir
  2. Olá tudo bem?

    Eu já tinha visto esse livro mas achei que fosse mais infanto-juvenil então sempre deixava passar.
    Comecei a ler fantasia tem pouco mais de dois meses e tenho gostado muito e acho que vou dar uma chance a esse, pois gostei muito da premissa e fiquei feliz em saber que não é uma simples história de feiticeiros e também que tem uma reflexão a respeito.

    Adorei a resenha!

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. Oi Carol!
    Eu já tinha visto várias criticas bem positivas a respeito desse livro e já tinha me interessado nele. Adoro histórias de fantasia e como você mesmo disse, quando falamos desse gênero sempre lembramos de Tolkien, Lewis e J. K. Rowling - e como gosto muitos dos três autores (principalmente HP), tem bastante chance de gostar desse.
    O que me impressiona nessa obra, é ela ser tão bem falada, ser uma obra já relativamente antiga, escrito por uma mulher numa época que era difícil isso ocorrer e não ser muito conhecida. Isso mostra que muitas vezes bons livros são esquecidos, infelizmente.
    Ótima resenha!
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carolina,
      Eu também fiquei impressionada com o fato de não ser uma autora tão popular, a medida que me aprofundei nas pesquisas fui descobrindo outros títulos que ao que parece tem muitas críticas bem interessantes e no posfácio chega a mencionar que o livro dela tem resistido ao tempo mesmo não tendo se tornado um best seller.
      Espero que leia sim! Também amo esses autores e acabei me tornando um tanto mais exigente para o gênero justamente por isso e posso dizer que essa obra tem tanta qualidade quanto a desses autores renomados.
      Boa leitura!
      Beijos

      Excluir
  4. Carol, desde de que bati o olho nessa capa, fiquei super curiosa para ler o livro; adoro fantasia, e a premissa da obra me atrai muito. Adorei saber o que esperar da história através da sua opinião. Gostei de saber que mesmo voltado para o público adolescente, ele provavelmente vai me agradar; é um ponto positivo, já que isso tinha me deixado meio em dúvida. Espero ter o prazer de fazer a leitura em breve!

    Beijos,
    Dai | Virando a Página

    ResponderExcluir
  5. Eu amei esse livro!! Meus olhos brilharam quando vi essa capa, já que amo dragões, e depois de ler a achei ainda mais perfeita porque representa fielmente uma das cenas, né? Adorei conhecer o Ged e achei a narrativa excelente, também espero que o segundo volume saia esse ano, e se possível logo! Nunca tinha ouvido falar da autora antes da Arqueiro publicar.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Carol!
    Logo que a capa foi divulgada em seu lançamento, o livro me atraiu só pela beleza dela e saber que, no fim das contas, a leitura parece ser ainda mais incrível é muito melhor! Já tem um bom tempo que a fantasia tornou-se um dos meus gêneros preferidos, ainda que eu não a leia com a mesma frequência que faço com romances contemporâneos, mas só por isso penso em dar uma chance à essa leitura. Li uma ou outra resenha ressaltando que a narrativa ficava um pouco mais formal ou difícil em alguns momentos, então pode ser que eu demore a pegá-lo para ler mesmo, mas pensarei com carinho em fazer sua leitura. Ótima resenha!
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional.blogspot.com.br/ ♥

    ResponderExcluir
  7. Oi Carol!
    Quem leu esse livro foi o meu noivo (fantasia não é muuuuuito a minha praia) e, assim como você, ele estava muito ansioso por esse lançamento. Ele gostou da história, achou muito bem escrita (estamos galando da Ursula Le Guin e até eu sei que ela arrasa demais). Ele achou a linguagem simples, ágil e a narrativa bem enxuta, focada naquilo que é essencial ser mostrado e sem aquelas descrições enormes (e muitas vezes desnecessárias) que acabam por cansar o leitor. Ainda mais porque ele foi escrito para um público mais jovem, né?
    Fico feliz que tenha gostado da leitura. Muito bom quando um livro supre nossas expectativas!
    Beijos

    ResponderExcluir

Facebook

Instagram