Resenha: Uma Vida Para Sempre

16 outubro

Durante muito tempo esse livro esteve na minha lista de desejados e a oportunidade da leitura apareceu através da parceria com a autora Simone Taietti. Apesar de imaginar que não seria uma leitura fácil desde que eu li a sinopse, eu comecei a me preparar para esse livro que eu não imaginava que poderia ser tão intenso e ao mesmo tempo tão reflexivo. Escrito em forma de diário, Simone trouxe através da personagem Ethel uma nova visão do mundo que muitos de nós esquecemos enquanto estamos aqui: o valor da vida. Para aqueles que estão jovens e saudáveis, cada dia pode ser apenas mais um, mas para quem está doente, pode ser o último e este dia deve ser vivido da melhor forma possível.
Ethel é uma garota de dezessete anos com uma doença rara mais conhecida como CIPA, uma sigla inglesa para Insensibilidade Congênita a Dor com Anidrose, que faz com ela não sinta dor. Apesar de muitas pessoas acreditarem que pode ser aliviante, para Ethel não é tão fácil assim. Ela sofreu muito durante os seus anos na escola e prestes a sair da adolescência, ela precisa lidar com a doença sozinha, sem poder conversar com a mãe a respeito do que está sentindo e saber apenas que pode não ter muito tempo de vida. Ao contrário das adolescentes que levam uma vida normal, Ethel é controlada pela mãe que tem medo do que pode acontecer com ela e por isso o lugar que ela mais frequenta é o hospital onde acaba criando algumas amizades, principalmente com Gertrud, uma idosa que frequenta a hemodiálise. Apesar de sua mãe insistir em sua amizade com Catarina, que era a sua melhor amiga, ela sabe que nada pode ser como antes e que Catarina não é mais a mesma.
Em uma das visitas ao hospital, ela descobre que o seu amigo Max havia falecido e ao entrar no quarto em que ele ficava, ela conhece Vitor, um rapaz que tem LMA (Leucemia Mieloide Aguda) e está lutando pela sobrevivência. Apesar de saberem que a amizade podem não durar muito tempo, eles passam a conviver um com o outro e a cada dia que passa um sentimento maior começa a despertar entre eles...
Uma Vida Para Sempre é um livro tão surpreendente que não tem como falar sobre a intensidade da escrita e das emoções que senti ao ler essa história. Narrado em primeira pessoa e em forma de diário, é possível enxergar claramente os pensamentos de Ethel e o quanto ela vai amadurecendo ao longo da narrativa. Com muitas surpresas e reviravoltas, eu me emocionei e também torci pela personagem que é tão forte diante de tudo o que já viveu.
Ethel é uma personagem que tenta compreender a morte. Ela sempre vai em funerais, cemitérios como uma forma de preparar a si  mesma para o fim que toda a humanidade vai ter um dia. É também uma forma de preparar aqueles que amam, principalmente a sua mãe que já sofreu muito com a partida da pai e não pode imaginar perder a filha também. Enquanto a sua mãe tenta de toda forma evitar o seu sofrimento, tudo o que Ethel mais quer é poder sentir-se livre para estar perto de quem ela gosta.
Vitor é um personagem que luta por ele e também pela família. Mesmo com todo o cansaço, ele não quer desistir e junto com Ethel, ambos tem muito a aprender sobre a vida, mas também sobre eles, sem deixar de acreditar que pode existir uma esperança. Os personagens secundários são bem construídos e ao longo da trama, cada um deles mostra a força, mas também a limitação diante das batalhas da vida.
A diagramação do livro é simples, com folhas amareladas e fonte de bom tamanho. Cada capítulo inicia-se com uma data e com alguma mensagem reflexiva que me trouxe grandes aprendizados durante a leitura.
Uma Vida Para Sempre é um livro para guardar no coração e também para repensar em nossa vida. Pensar em nossas oportunidades, escolhas e também valorizar aqueles que estão ao nosso lado, sem tentar controlar o amanhã ou desesperar por causa dele. Viver o presente como se fosse o dia mais importante da vida e não deixar jamais de sonhar. Portanto, se você procura algum livro assim, eu recomendo Uma Vida Para Sempre sem dúvidas.

Você pode gostar

4 comentários

  1. Acho que intensidade e emoção são as palavras chave dessa história!!! Fico aqui me perguntando se a autora conseguiu deixar a narrativa leve apesar dela conter tantos elementos fortes e sofrimento,mas as vezes,uma história crua é o que precisamos para sermos tocados e refletir sobre essas questões abordadas.


    Fiquei curiosa em conhecer a história de Ethel e Vitor!!!

    bjssss

    ResponderExcluir
  2. Olá!!
    Não conhecia essa autora. A capa do livro e sensacional e sua resenha muito boa. Gostei muito!E achei a premissa do livro muito interessante, gosto de romances jovens e que tenham doenças no meio rsrs, são construções bem fortes! Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Oi Thalita ^^
    Gosto muito de romances que são escritos de forma simples, mas que trazem mensagens importantíssimas para reflexão! Essa obra tem esses ingredientes que definitivamente devem torná-la memorável.
    A doença que Ethel tem já vi ser retrata no livro A Menina Que Brincava Com Fogo, mas a pessoa era do lado mal da força.
    Percebo que deve ser muito agoniante não saber se está morrendo pois não sente nada fisicamente, se levar um tiro não irá nem sentir, o cuidado deve ser constante. Se eu sou já paranoico normal, me imaginar tendo essa doença é bem desesperador!
    Fiquei curioso para saber como a autora deve ter retratado o romance entre Ethel e Vitor pq sinto que eles tem uma ligação. kkk
    Espero que Ethel tenha preparado a mãe para a qualquer momento perdê-la pq se não a queda da mulher será grande caso a filha venha a falecer.
    Parabéns pela resenha, Thalita. E obrigado por divulgar essa obra que desconhecia até então.
    Bjs

    https://peregrinodanoite.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Uau, menina, que resenha linda! Ficou bem intensa e consegui sentir exatamente o que vc sentiu na leitura.
    Confesso que passo um pouco longe de enredos estilo sick lit, com personagens doentes e a beira da morte. Eles me causam um pouco de mal estar e prefiro histórias mais alegres.
    Apesar disso, gostei muito da resenha e de saber mais sobre a doença (não sabia que ela existia).
    Bjocas!

    www.umdiamelivro.com.br

    ResponderExcluir

Facebook

Instagram