Resenha: Tudo e Todas as Coisas

30 julho

Ouvi muitos elogios ao livro Tudo e Todas as Coisas na época em que foi lançado e finalmente tive a oportunidade de lê-lo. Já imaginava que iria gostar da leitura, mas ainda assim me surpreendi ao ser conquistada por esse sick-lit. O gênero em si carrega temáticas que são mais pesadas que nos levam a reflexão sobre a doença em questão e esse livro não é diferente. O leitor é apresentado a Madeline Whittier uma garota de apenas dezoito anos que nunca saiu de casa, pois ela é alérgica ao mundo externo.
Quando ainda era criança Maddy foi diagnosticada com IDCG (Imunodeficiência Combinada grave)  também conhecida como ‘doença da criança na bolha’. É uma doença rara, qualquer coisa pode causar alergia e assim desencadear várias outras doenças. Um cheiro de um produto de limpeza diferente, algum tempero, perfume de alguém, ou seja, qualquer coisa nova pode atacar o organismo de quem possui essa doença.
A mãe de Maddy é médica por isso tomou as devidas precauções para proteger a filha do mundo externo. A casa é toda adaptada com filtros de ar e paredes brancas, para alguém ter contato com Maddy é preciso fazer uma esterilização durante um determinado período de tempo e permitir o acesso ao histórico médico. Além da mãe a única pessoa que convive com a garota é a sua enfermeira Carla que também é sua amiga.
Apesar de ter que viver com cuidados extremos Maddy aceita a sua condição, sabe os perigos que corre se for exposta ao mundo externo e acaba sendo feliz com a rotina que leva. Só que essa felicidade será abalada, quando uma família muda para a casa ao lado e ela conhece Olly, um garoto de olhos azuis da cor do oceano, se ver desejando levar uma vida normal como a de qualquer outro adolescente.
A princípio Olly não tem conhecimento da doença de Maddy, acha que ela está de castigo, mas encontra uma forma de se comunicar por troca de e-mails e mensagens instantâneas. Os dois logo desenvolvem uma cumplicidade e acabam se aproximando cada vez mais, até que se veem apaixonados. Agora Maddy deseja conhecer o mundo externo e viver várias experiências ao lado de Olly.
Ao realizar a leitura é impossível não se imaginar no lugar da protagonista, principalmente porque estamos tão habituados com todas as coisas que nos cercam, o calor do sol, o vento no rosto, viagens e tantas outras coisas que passam despercebidas no dia-a-dia. Imaginar que uma pessoa precisa ser privada de tudo isso para se manter viva parece absurdo.
A medida que me vi imersa no universo dessa adolescente, mesmo com todas as consequências da doença, me peguei torcendo pelo casal e imaginando uma forma que permitisse aos dois que ficassem juntos, possibilitando que a Maddy vivesse algumas experiências comuns a todos os adolescentes. Ao mesmo tempo que também pude sentir os cuidados, o amor da mãe pela filha, tudo que ela abriu mão, as perdas e todas as reações que ela teve ao longo do livro. A autora possibilitou que o leitor compreendesse todos os lados da história.
A narrativa é feita em primeira pessoa por Maddy, logo é possível perceber tudo que ela anseia, se sensibilizar com a sua condição e desejar que ela realize alguns de seus sonhos. Todos os personagens que possuem destaque são densos e bem compostos. Olly enfrenta problemas familiares e isso reflete na sua composição. A enfermeira Carla se apresenta como uma figura maternal, amorosa e tudo isso levando em conta a sua vida fora do trabalho.  A autora soube conduzir todo o enredo de forma primorosa no seu romance de estreia. Em meio as páginas do livro pude me emocionar, me ver vivendo no lugar da protagonista e fui conquistada por outros personagens da trama.

A edição está muito bem feita, a capa é linda e tem tudo a ver com o conteúdo do livro assim como o título. O papel utilizado foi o pólen (folhas amareladas), a fonte e o espaçamento não deixam a leitura cansativa, o livro ainda conta com algumas ilustrações que complementam ainda mais a experiência de leitura.
Indico a leitura para todos que gostam de sick-lits e de um bom romance com alguns dramas. A leitura é fluida e rápida, possibilitado devorar o livro em algumas horas ou mesmo em poucos dias. O enredo cativa, sensibiliza e leva o leitor a refletir sobre diversos temas.

Você pode gostar

11 comentários

  1. Oi Carol, Tudo bem?
    Queria dizer que amei sua resenha. Eu já tinha ouvido falar muito bem do livro,o estilo sick-lit me interessa bastante, mas ainda não tive a oportunidade de ler, mas lendo a sua resenha fiquei ainda com mais vontade de ler, você sabe com despertar o interesse do leito,parabéns. Não vejo a hora de começar a minha leitura!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Valentina,
      Obrigada!
      Espero que tenha a oportunidade de lê-lo em breve, é uma leitura que realmente vale a pena!
      Beijos

      Excluir
  2. Oiee Carol ^^
    Eu também gostei bastante do livro, me sentia triste pela Maddy, e também torcia para que tudo desse certo e ela pudesse ficar com o Oliver. Cheguei a cogitar a hipótese de que o final poderia mesmo acontecer, mas não imaginei que fosse, de fato.Então a autora conseguiu me surpreender...haha' adorei o livro.
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dryh,
      Em um determinado momento logo no princípio eu tinha certeza do final, mas fiquei me questionando se a autora seria capaz, aí descartei a hipótese, mas fiquei bem satisfeita com a forma que conduzia a trama, tanto que li em uma velocidade surpreendente.
      Beijos

      Excluir
  3. Oiii Carol, como vai menina?
    Sou completamente louca para ler esse livro, a edição está fabulosa e desperta muito meu interesse assim de cara <3 parabéns pela resenha, dica super anotada.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Morgana, tudo bem e com você?
      Espero que você leia, eu comecei com um pouco de receio por causa das expectativas já que ouvia tantos comentários positivos, mas ainda assim a leitura me surpreendeu. Espero que faça uma boa leitura.
      Obrigada!
      Beijos

      Excluir
  4. Eu gosto bastante desse gênero, mas infelizmente li poucas obras. :(
    Eu não sabia que tudo e todas as coisas tinha uma trama assim, parece uma leitura bem sensível e reflexiva.
    beijos
    http://www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,
      Vale a pena a leitura, principalmente pelo conteúdo reflexivo. É impossível não se colocar no lugar da protagonista, ficamos torcendo para que aconteça um milagre. Espero que faça uma boa leitura!
      Beijos

      Excluir
  5. Oi Carol!
    Eu AMEEEEI esse livro! O romance entre a Maddy e o Olly é uma coisa muito gostosa de se ler, e a vida dela com a doença foi uma coisa nova ao meus olhos. Também me coloquei muito no lugar dela, fiquei imaginando como eu seria com essa doença. Eu fiquei revoltadíssima com o final!! Me deu tanto ódio daquela louca! Mas é um livro ótimo, que vale muito a pena mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nathalia,
      O romance dos dois é muito lindo. Eu não tive ódio do final, eu até compreendi o porquê de lidar daquela forma. Realmente, quero indicar a leitura para todas as pessoas que conheço, rsrsrs.
      Beijos

      Excluir
  6. Olá tudo bem???
    Adorei sua resenha, confesso que já quis ler esse livro, mas não sei porque não li e nem me interessei mais, mas acho que agora que li sua resenha vou deixar ele reservado para a leitura.
    Beijus
    www.bibliotecaempoeirada.com.br

    ResponderExcluir

Facebook

Instagram