A leitura sempre fez parte do meu cotidiano e nos últimos anos tenho lido cada vez mais. Porém no ano passado fiquei um pouco desanimada por não ter concluído a minha meta de leitura e então decidi que esse ano eu não faria uma meta, mas teria um desafio: fazer leituras mais transformadoras.
Cada livro que leio me traz um novo aprendizado, mas nesse ano a leitura tem se tornado muito especial. Pensar no livro como fonte para a inspiração e crescimento pessoal aos poucos tem transformado pequenos detalhes em grandes lições. Quantas vezes desejamos sair um pouco do nosso ideal literário e embarcar em novos mundos? O que posso dizer é que tenho aprendido muito mais com os livros e acima de tudo apreciado cada vez mais viajar por novos caminhos. Estar aberta a possibilidades está me inspirando a ser ainda mais dedicada nesse mundo literário e também me fez redescobrir o significado dos livros em minha vida.
Já passei por períodos extensos sem conseguir ler nada, mas penso que naquele momento eu ainda não tinha descoberto esse novo significado ou talvez só estivesse cansada demais. É comum passarmos por esses períodos, porém quando estiver se sentindo mal por não estar conseguindo ler, pergunte a si mesmo a importância da leitura em sua vida e quando estiver preparado para voltar, faça de cada leitura a única. Encare cada livro como um aprendizado, como uma nova inspiração e como um novo caminho que pode ser seguido. Acredite, ela vai passar a ter um significado ainda mais especial para você.



››



Fazer resenhas de livros clássicos e famosos é sempre um desafio, pois é necessário ter muito cuidado para não passar informações em excesso e acabar revelando mais do que se deve a respeito da história, levando em consideração que muitas pessoas já conhecem o enredo. Esse é o caso de “O médico e o monstro” (Dr. Jekyll and Mr. Hyde) do autor escocês Robert Louis Stevenson, o livro já ganhou diversas adaptações tanto para o cinema quanto para o teatro, isso sem levar em consideração as diversas menções sobre ele nos mais diversos meios. De forma indireta provavelmente a maioria das pessoas já ouviram falar ao menos uma vez sobre esse clássico. Até mesmo a sinopse desse livro é extremamente reveladora, portanto, tentarei fazer o meu melhor nessa resenha e não revelar mais do que o necessário.
Mr. Hyde é um homem misterioso, baixinho, carrancudo e com uma expressão diabólica que incomoda a todos que o olham, não há quem encontre com ele e consiga se simpatizar com suas feições. Seus modos e comportamento é totalmente questionável, ele não respeita a ninguém. Mr. Utterson é advogado e amigo do médico Dr. Jekyll e é o responsável por guardar o testamento dele e não compreende a decisão tomada pelo médico de deixar tudo o que possui para o Mr. Hyde. Na verdade ele desconfia que o Dr. Jekyll está sendo chantageado e para solucionar esse mistério decide começar uma investigação por conta própria.
Ao longo do desenvolvimento diversos horrores acontecem, até mesmo um misterioso assassinato. Utterson fica cada vez mais motivado a desmascarar Mr. Hyde e a cada vez que descobre mais a respeito do mesmo tem mais certeza que ele é a personificação do mal.
Os personagens dos livros não foram idealizados para agradar aos leitores, eles estão lá justamente para incomodar e levantar questionamentos sobre o bem e o mal que existe nas pessoas. O tema do livro é denso e muito bem construído e deve ser lido por todos, mesmo sendo classificado como clássico do horror e mistério acredito que pode agradar até mesmo aqueles que não gostam dos gêneros.

O livro é bem curtinho, não tem enrolação, os fatos se desenvolvem com agilidade e a leitura é fluida e em nenhum momento é cansativa. Não vou me delongar, pois qualquer coisa que acrescente nesta resenha estarei revelando mais que o necessário, para concluir só digo que essa é uma leitura que vale a pena ser feita.
“Eis aqui mais uma lição sobre o valor do silêncio. Estou envergonhado por ter falado demais. Vamos combinar uma coisa: nunca mais voltaremos a falar desse assunto.”
“É parte do caráter de um homem modesto aceitar seu círculo de amizades como é apresentado pelas mãos da oportunidade (...).”
“A história é um véu disfarçado de verdade, visto apenas como uma metáfora simplificada da dualidade humana.”

“Os sonhos são universais através da consciência humana, evocando as fantasias e as neuroses primitivas que definem nossa espécie peculiar.”

››



O que você faria se acordasse em um mundo onde você não se lembrasse de nada do seu passado? Para completar a situação tudo está um verdadeiro caos, existem criaturas estranhas pelas ruas e pessoas te perseguindo. Você precisa reagir rápido para se manter a salvo, não há tempo para pensar e nem confiar em ninguém. É exatamente em um mundo assim que Bluye (seria mesmos esse o nome dela?) acorda, ela precisa fugir para se manter segura, não possui escolhas e nem sequer sabe se pode confiar em Henry, o garoto que a ajudou a fugir do laboratório onde acordaram. É nesse clima de suspense e distopia que o livro “Insanity: Memória” é construído.
Tudo que Bluye sabe sobre o seu passado ela tomou nota através do que Henry a contou, ele garante que em um outro momento eles foram namorados e se amavam, porém, ela não consegue ter convicções destes fatos, pois tudo o que sabe é que acordou em um laboratório e tem alguns sonhos estranhos. O mundo passou por uma guerra biológica e como consequência alguns humanos sofreram mutações através de um vírus que os deixaram irracionais e com aparências estranhas.
O livro é ambientado em São Paulo e possui traços que remetem as distopias contemporâneas young adults como Jogos Vorazes, Divergente e Maze Runner, mas sem perder a sua originalidade. Cheio de cenas de ação e com um desenvolvimento rápido, o enredo me surpreendeu e chamou a minha atenção por ter um bom ritmo e cenas que me permitiram sentir a adrenalina junto aos personagens.
O autor Pedro Maciel apresentou uma escrita objetiva, sem floreios, mas cativante concisa. Ao que parece, esse livro é apenas a introdução de um universo que possui um leque de opções para ser expandido, portanto algumas pontas ficaram soltas para ser apresentados nos volumes seguintes, sem contar que o autor deixou um ótimo gancho no final do livro.
A medida que fui conhecendo os personagens fui me simpatizando com alguns e desconfiando de muitos outros, assim como Bluye fiquei alerta com relação em quem confiar. Os personagens apresentam características típicas de Young Adults, geralmente são teimosos e cometem muitos erros. Vale destacar que o romance diverge das características desse gênero, existe sim alguns momentos de flertes, mas em nenhum momento tira o foco do contexto geral, o mundo está passando por situações complicadas, é preciso se virar para se manter a salvo, não há tempo para ficar namorando. Este aspecto me agradou bastante, acho muito non-sense quando o autor desvia o tema principal para incluir um relacionamento entre um determinado casal e esquece que está acontecendo um turbilhão de coisas.
A edição não deixou a desejar, a capa apresenta uma ideia geral do que se passa no livro e é bem elaborada. A diagramação e a fonte são confortáveis.
O livro é bem curtinho, tem uma premissa convidativa para pessoas que se interessam por distopias ou apocalipses zumbis, a linguagem é descontraída e voltada para o público jovem. Se você se encaixa nessa descrição provavelmente irá gostar desse livro.
››


Sinopse: Primeiro voltamos um pouco no tempo para conferir as aventuras passadas do Deadpool com o Homem de Ferro! Depois: um demônio contrata o Degenerado Regenerado para coletar almas amaldiçoadas! E, antes que você diga que não tem como ficar mais esquisito, Wade entra em contato com seu lado feminino! E mais: Deadpool ataca um cara com poderes aquáticos e depois se alia ao nosso Amigão Superior da Vizinhança, o Homem-Aranha! E prometemos que ele mata pelo menos um deles...!
Confesso que sou fã do Deadpool (juro que desde antes do filme ser anunciado). Já li várias HQ's online dele, joguei aquele jogo maravilhoso de tão cômico, vi o filme, e também comprei na época do lançamento o Meus Queridos Presidentes, história que antecede Caçador de Almas. O meu gosto por esse personagem se dá por ser tão atípico com a quebra da quarta parede, a infinidade de referências, uma escrita menos preocupada com a história ser boa e mais com ser cômica, ser diferente, irreverente. Isso é coisa de leitor nato, que já está cansado daquele "sempre mais do mesmo" (não que eu não goste dos clássicos, só que eu gosto de ver algo que não é o clichê demais) e Deadpool me encantou desde o início por isso.
Em Caçador de Almas” (muito elogiado pelos fanáticos por quadrinhos) Deadpool busca solucionar um grande problema em que meteu uma colega de trabalho em "Meus Queridos Presidentes" e pra isso se envolve com personagens nada heroicos, e confusões nada convencionais. Mas antes, vem uma historinha de Deadpool no passado, com participação de um Tony Stark diferente e de Peter Parker/Homem-Aranha (esse último também aparece na segunda parte, nos dias atuais).
A história de Caçador de Almas é mais bem elaborada que a de seu antecessor, mais interessante. Em contrapartida senti falta dos elementos característicos de humor, tem algumas referências mas nada muito no estilo Deadpool que eu esperava, com relação a visão que criei do personagem e das expectativas, achei que deixou a desejar neste aspecto. "Caçador de Almas" tem uma pegada mais séria, mais ligada a história do que a comédia. O único elemento cômico que me fez sentir que aquele era mesmo "piscina de la muerte" foi uma referência a um personagem que eu jamais esperava. Como esperado, esta obra contém muitos personagens Marvel em cenas curtas, contando com Jessica Jones, Luke Cage e até uma vingadora.


Vale a pena ler se você é fã (ou gosta de histórias bem construídas), mas se você quer mesmo conhecer o Deadpool engraçado que você viu por aí , não é a melhor das opções para começar, até porque é continuação de Meus Queridos Presidentes.

››



Jess (Drew Barrymore) e Milly (Toni Collette) são melhores amigas desde a infância. Enquanto Milly se casou, teve dois filhos e construiu uma carreira de sucesso, Jess decidiu levar uma vida pacata ao lado do marido Jago (Paddy Considine). Após se submeter a um tratamento, Jess enfim consegue engravidar. Mas a notícia vem justamente quando Milly descobre ter câncer de mama e precisa passar por quimioterapia, o que necessitará do apoio não apenas da amiga, mas de toda a família.
Ficha técnica:
Data de lançamento: 24 de dezembro de 2015
Duração: 1h 52min
Direção: Catherine Hardwicke
Gênero: Comédia dramática
Nacionalidade: Reino unido
Garimpando pela Netflix me deparei com o filme “Já estou com saudades” (2015) que conta com a presença de Drew Barrymore no elenco e como na maioria das vezes gosto dos filmes dos quais ela participa decidi que devia vê-lo, mas para minha surpresa a atuação que mais me agradou foi a da Toni Collette. Vou explicar direitinho o porquê, porém primeiro vou falar um pouco sobre o roteiro do filme.
Jess (Drew Barrymore) e Milly (Toni Collette) são melhores amigas, elas cresceram juntas, compartilharam grandes momentos e mesmo depois de adultas continuam participando da vida uma da outra. Milly formou a sua família, se casou, teve dois filhos e tem uma carreira de sucesso. Jess escolheu um caminho mais informal ao lado de Jago (Paddy Considine), os dois moram em um barco e estão tentando engravidar, porém Jess precisa se submeter a um tratamento para alcançar o objetivo dos dois e depois de um longo tempo de espera eles conseguem. Milly, por sua vez, está passando por uma fase totalmente diferente, ela precisa enfrentar um câncer de mama e irá passar por grandes provações.
Essa é uma história sobretudo sobre amizade e a importância dela para superar as diversas dificuldades da vida. Jess é altruísta coloca a amizade acima de tudo e até mesmo chega a conter a sua felicidade para a apoiar a melhor amiga a superar todas as fases do câncer. Por falar nas fases do câncer o filme as retrata com veracidade através da incrível atuação de Toni Collette, o espectador se emociona com cenas convincentes e bem construídas sobre os altos e baixos enfrentados pela protagonista. O drama é bem dosado e conta com diálogos divertidos e agradáveis de se acompanhar.
Enfim, não irei entrar em detalhes técnicos, pois como já mencionei outras vezes não sou especialista em filmes, porém gostaria de reiterar que apesar do roteiro não ser inovador e já ter sido usado em inúmeros filmes que foram sucesso de bilheteria, o filme conta com um enredo que emociona e representa muito bem o significado de uma amizade verdadeira. Vale a pena conferir.

››


*Esse livro faz parte de uma trilogia. Para ler as resenhas anteriores clique aqui e aqui.

Sinopse: Esse pode ser o fim da trilogia, mas "Sábado à Noite 3" é apenas o começo da vida de Daniel Marques, o famoso vocalista e guitarrista da Scotty. Alta Granada não é mais o palco principal, agora a banda formada por ele, Caio, Rafael e Bruno toca em shows lotados no país inteiro. Os músicos já não são mascarados amadores, são reconhecidos e estão aproveitando ao máximo no melhor estilo rock star, sem precisar esconder os rostos, estampados nas capas de revistas, jornais e noticiários. Amanda, por outro lado, deverá decidir entre viver o sonho de sua vida ao lado de quem ama ou continuar na segurança da cidade pequena de sempre. Será que ela pode ser muito mais do que os outros pensam? Jogar tudo para o alto e lutar pelo amor nascido nas praias do interior e nos bailes de sábado à noite do colégio valerá a pena? Junto a seus melhores amigos, Daniel e Amanda enfrentarão a maior decisão de suas vidas no desfecho tão esperado dessa história. Junte-se a eles e mergulhe nas páginas recheadas de música, dramas e amizade do último volume de "SAN".

É difícil chegar ao final de uma trilogia que me encantou desde o primeiro livro. Os personagens da Babi são como conhecidos, amigos que temos em nosso dia a dia com suas qualidades e defeitos. Não tem pessoas perfeitas e foi isso que tornou essa trilogia tão original. De forma envolvente a autora trouxe o final tão esperado que vai deixar saudade no coração de muitos leitores.
Por muito tempo Amanda e Daniel desejaram ficar juntos, mas o destino teve outros planos. A banda Scooty começou fazer sucesso pelo Brasil e Alta Granada passou a ser um lugar pequeno para os marotos. Para investir no sucesso, eles foram embora da cidade e aos poucos já eram conhecidos por multidões e estavam em todas as revistas de celebridades. Enquanto os garotos construíam as suas carreiras, as meninas seguiram caminhos diferentes e Ana decidiu ir embora com o Caio, já que ela não conseguiria ficar longe dele por tanto tempo.
Amanda continuou em Alta Granada para fazer faculdade de jornalismo e trabalhar, assim como a Guiga que estava na cidade também com o Fred. Carol e Maya também deixaram a cidade para trás, mas Amanda ainda tinha a companhia de Kevin que continuava na sorveteria e sempre estava pronto para cuidar dela quando precisasse. Amanda trabalhava no mesmo emprego desde que saiu da faculdade e mesmo não tendo mais a agitação do colégio, ela se sentia confortável.
Os anos foram passando e no casamento de Kevin, Amanda finalmente reencontra Daniel. Mesmo depois de tanto tempo, ela ainda continua apaixonada por ele e ele pede para que ela fique com ele. Porém Daniel já não parecia mais o mesmo. Aquele garoto que ela conheceu de anos atrás estava transformado, e com um anel ele a pede que vá com ele para São Paulo e fique ao seu lado. Mesmo Caio e Bruno não aprovando as atitudes de Daniel, tudo o que Amanda deseja é ficar ao lado do homem que ama, mas ao mesmo tempo não sabe como sair da sua zona de conforto. Ela terá coragem de deixar tudo pra trás para viver com Daniel, assim como Ana foi com Caio?
Sábado a Noite 3 foi um livro que me surpreendeu muito e ao mesmo tempo me fez refletir sobre o quanto os personagens mudaram do primeiro livro para o último. Apesar de a trilogia focar na história de Daniel e Amanda, nesse livro a Ana e o Caio foram os personagens que me conquistaram.
Ser celebridade não estava sendo fácil. Os Scooty tinham que lidar com paparazzis o tempo todo, serem alvos de revistas de fofocas que queriam um furo de reportagem, além de lidar com algumas fãs que passavam dos limites, mas ainda assim eles alcançaram muito mais do que imaginavam e estavam prestes a irem ainda mais longe. Mas assim como a fama tem o seu lado bom, ela tem o seu lado negro. Nesse livro, a Babi aborda o abuso de álcool, drogas e sexo que cercam a vida dos astros e foi nesse ponto que tive uma pequena decepção: Daniel não era mais o mesmo personagem de antes. Agora ele lidava com a fama de forma desregrada e não conseguia enxergar a consequência dos seus atos.
Sábado a Noite 3 foi um livro maravilhoso. Mesmo eu não falando de todos os personagens aqui, eles estão presentes na obra, e cheios de surpresas. Não posso deixar de dizer o quanto gostei da série e desejo que muitas pessoas conheçam esta trilogia tão marcante da Babi. Então para quem está procurando um livro com muito amor, música, amizades sinceras e também conhecer um pouco mais do mundo das celebridades, esse é o livro que recomendo!


››


Olá pessoal, tudo bem?
Começamos 2017 em pouco tempo e é difícil acreditar que o mês de Janeiro já passou da metade. Esse é o momento pra atualizar a lista de leitura e também procurar novas dicas literárias para curtir esse mês. Pensando nisso fiz um top 5 com leituras mais leves e espero que vocês gostem!

Marina Carvalho tem uma escrita envolvente e Azul da Cor do Mar é um livro tão maravilhoso que você nem percebe o tempo passar enquanto está lendo. A história de Rafaela e Bernardo é muito fofa e também uma prova de que talvez os opostos se atraiam mesmo. Não deixem de conferir, a resenha está disponível aqui no blog.

Sinopse: ACASO, DESTINO ou LOUCURA? No caso de Rafaela, Pode ser tudo isso junto. Para alguém como ela, nada é impossível.
Rafaela sonha desde a adolescência com o garoto que viu uma vez, perto do mar, carregando uma mochila xadrez... A idéia fixa não a impediu, porém, de ser uma menina alegre e muito decidida.
Ela quer ser jornalista, e seu sonho está se concretizando: Rafaela Vilas Boas (um nome tão imponente para alguém tão desajeitado) conseguiu um estágio no melhor jornal de Minas Gerais. Mas, como estamos falando de Rafa, alguma coisa tinha que dar errado. O jornal é mesmo incrível, mas seu colega de trabalho, Bernardo, não é a pessoa mais simpática do Mundo.
Em meio a reportagens arriscadas – e alguns tropeços -, Bernardo acaba percebendo, contra a sua vontade, que Rafaela leva jeito para a coisa... E que eles formam uma dupla de tirar o fôlego.
Mas e a mochila? E o garoto, o envelope, as cartas? Um dia a estabanada Rafaela vai ter que se libertar dessa obsessão. 

Depois de ficar muito tempo sem ler os livros de Meg Cabot, não poderia deixar de indicar Diário de Uma Princesa Improvável. Ler esse livro foi como retornar ao Diário da Princesa, e assim como Mia, foi maravilhoso conhecer Olivia Grace, a meia irmã de Mia, por isso não poderia deixar de indicar esse livro tão fofo e bem ilustrado. A resenha completa encontra-se disponível aqui.

Sinopse: A série que encantou milhões de adolescentes ao redor do mundo continua por meio dos diários de Olivia, a irmã da Princesa Mia.
Olivia Grace Clarisse Mignonette Harrison é completamente normal. A única coisa que não é normal nela é seu nome (muito comprido e meio principesco), sua habilidade para desenhar animais (algo muito útil para sua futura carreira como ilustradora da vida selvagem) e o fato de ser quase órfã, pois não conhece o pai e depois que a mãe faleceu se vê forçada a viver com a tia e o tio (que quase a tratam como se ela fosse da família). Até que num dia que tinha tudo para ser como os outros — totalmente normal — as coisas parecem sair do controle: a menina mais popular da escola ameaça bater em Olivia, o diretor ameaça lhe tirar um ponto e... uma limusine com a princesa da Genovia, Mia Thermopolis, surge do nada. A menina na verdade é uma princesa, meia-irmã de Mia, e finalmente poderá conhecer o pai, a avó, a Genovia, para então perceber que todos somos mais especiais que pensamos.

Já li muitos livros da Thalita Rebouças, mas sem dúvidas esse é o meu favorito. A história de Tetê é a voz de muitas garotas que vivem o drama do bullyng e a forma como a Thalita abordou o tema no livro foi bem interessante. Mesmo com um tema difícil, é uma leitura leve e vale a pena ser lido nessas férias. A resenha completa encontra-se disponível aqui.

Sinopse: Tetê acaba de se mudar com a família toda para Copacabana, no Rio de Janeiro, para a casa dos avós. O lindo e espaçoso apartamento da Barra da Tijuca em que morava teve que ser vendido, pois com a crise o pai foi demitido, e o resultado é que a vida dela virou de cabeça para baixo. Além de perder a privacidade, tendo que dividir o espaço com cinco parentes malucos que brigam o tempo todo, ela perdeu todas as suas referências. A única coisa que a deixa feliz é cozinhar. E, claro, comer as delícias que faz.
O lado bom foi se livrar do antigo colégio, no qual sofria bullying por causa de seu jeito peculiar. Sem contar sua desilusão amorosa... O problema é que ela está apavorada, porque agora tudo será novo e estranho, com o ensino médio, com a nova escola, e sem conhecer ninguém. E morre de medo de ser excluída ou de sofrer bullying novamente. Ela está bem mal, para dizer a verdade. Ou talvez seja um pouco de drama, porque já no primeiro dia as coisas parecem ser um pouco diferentes... Pelo jeito, tudo vai mudar, e para melhor.

Demorei muito tempo para ler esse livro, mas sem dúvida se tornou um dos favoritos de 2016. Samanta escreve com o coração e com tanto sentimento, que é impossível não se encantar por essa história. Amelie tem um coração muito grande e não importa o que aconteça, ela permanece firme em seus valores. É um livro que vai te fazer refletir sobre valores e também sobre o mundo em que vivemos. A resenha completa encontra-se disponível aqui.

Sinopse: Amelie Wood perdeu os pais aos doze anos e, desde então, vive em um abrigo de meninas. Com a chegada do seu décimo oitavo aniversário, ela vive agora o temido e esperado momento de deixar o lugar que a acolheu por toda a adolescência para enfrentar o mundo em busca dos seus sonhos.
Seu bem mais precioso é o velho exemplar do romance que sua mãe lia para ela, na infância. "Doce Acaso" contava a história de Beth Levitt, uma jovem que, como ela, amava o balé e tinha a vida transformada ao conhecer o príncipe Edward. Amie suspira ao reler incansavelmente aquelas páginas, imaginando quando o príncipe da vida real baterá em sua porta... Por isso, ao soprar as velas, não tem dúvida quanto ao seu pedido: "Quero ser Beth Levitt!".
Através de grandes coincidências e uma trajetória que ela jamais imaginaria, Amie se vê, de repente, no fascinante mundo do cinema, cara a cara com o príncipe mais lindo que sonharia encontrar e lutando para se esquivar da maldade de muita gente invejosa, contando, para isso, com sua melhor arma: um coração puro. 

E para finalizar o top 5, que tal um New Adult nacional? Li esse livro através da parceria com a Editora Autografia e fiquei encantada pela trama. Enquanto Isadora é atormentada pelo seu passado e procura se afastar das pessoas, Sebastian aos poucos vai se aproximando para quebrar as barreiras e fazer a grande jogada do amor. Caso você tenha curiosidade em saber um pouco mais sobre ele, a resenha completa encontra-se disponível aqui.

Sinopse: Isadora escolheu uma pequena cidade no interior para fugir de seu passado cruel. Seguia uma vida simples de estudos e de atividades solitárias. Mas, numa jogada ousada, o destino colocou Sebastian em seu caminho, o principal jogador de futebol da universidade. Sexy e divertido, ele não esta acostumado com uma garota tão retraída e tímida quanto Isadora. O seu novo jogo preferido passa a fazê-la cair em sua rede.
Como uma garota pode resistir ao seu sexy sorriso torto ou às covinhas tentadoras?
Isadora vai tentar resistir com todas as suas forças. Ela sabe que não pode trazer mais ninguém para a bagunça que é sua vida. Mas resistir aos encantos de Sebastian está se revelando tão difícil quanto esconder o seu grande segredo do passado.
Quando esses dois mundos se chocarem, todos os medos serão deixados para trás e o amor será o único jogo que ambos saberão jogar.
Mas os fantasmas de Isadora ressurgem com força total na sua vida. Será o amor de Sebastian capaz de salvá-la dos demônios que a perseguem?
Romance, suspense, paixão e muita sensualidade dominam a história de Isadora e Sebastian. Prepare-se para prender sua respiração até a última página de Uma Jogada do Amor.

Bom pessoal, esse foi o top 5 de livros que indico para ler nas férias e espero que tenham gostado. Não deixem de comentar e indicar livros para ler esse mês também, vou amar conhecer novas leituras!


››



Sinopse: Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano o patriarca, suas três filhas e seus respectivos filhos passam as férias de verão em sua ilha particular. Cadence - neta primogênita e principal herdeira -, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos.Durante o verão de seus quinze anos, as férias idílicas de Cadence são interrompidas quando a garota sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido… até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu.

Já faz um tempo que comprei o livro “Mentirosos” da autora E. Lockhart, porém estava sempre adiando a leitura mesmo depois de ler tantas críticas positivas, motivada a mudar essa realidade adicionei-o a minha meta de leituras de 2017. O livro é um young adult (YA) de suspense com uma narrativa que prende a atenção dos leitores.
A família Sinclair aos olhos da sociedade é perfeita, eles tentam ao máximo não transparecer que estão em decadência e que o relacionamento entre eles é amoroso. Todos os anos a família se reúne nas férias de verão em uma ilha particular, cada membro fica em sua respectiva casa com os filhos e o patriarca fica na casa principal. Cadance é a neta mais velha e provavelmente a herdeira principal do patrimônio da família, ela é narradora da história e irá lembrar sobre as aventuras vividas com os primos Johny e Mirren e o amigo Gat na ilha durante a infância e a adolescência, eles nomearam o grupo de ‘Mentirosos’.
Aos 15 anos Cadence sofreu um acidente que interrompe o período de férias na ilha, ela não se lembra o que de fato aconteceu e segue a vida sentindo fortes dores de cabeça e com depressão. Dois anos após o acidente ela retorna a ilha disposta a completar as lacunas que faltam em sua memória, já que seus familiares decidiram que não iriam contá-la sobre, os mentirosos também evitam o assunto e assim ela segue sozinha tentando descobrir o que aconteceu na noite do acidente.
A medida que Cadence vai avançando em sua investigação os demais personagens são apresentados com maiores detalhes e assim o leitor começa a se envolver nos segredos que eles guardam e compreender a motivação de cada um e os papéis que representam. O afeto demonstrado entre os membros da família é mínimo, exceto entre o grupo, pois eles possuem uma bela amizade.
O enredo é envolvente, senti a necessidade de descobrir a verdade junto com Cadence, gostei tanto que realizei a leitura em poucas horas. Porém, preciso confessar que alguns pontos me impediram de classificar a história como favorita. O final deixou a desejar, esperava algo mais impactante, um jogo de intrigas maior. O ápice já foi usado em outros livros por outros autores, não é algo novo e possibilita inúmeras possibilidades, mas ainda assim existem formas de aplicá-lo em um contexto e levar o leitor a se surpreender. Lockhart poderia ter explorado melhor os sentimentos dos personagens, na minha opinião o final ficou vazio, parece que nada foi acrescentado, sem discernimento do certo ou errado, faltaram debates sinceros entre os personagens e algumas situações mais espontâneas.
Não me levem a mal, mesmo com os pontos negativos que levantei o enredo é bom, me simpatizei com a protagonista e gostei bastante do Gat, ele foi o único que tinha uma percepção adequada de como a família era de verdade, afinal ele estava de fora e é mais fácil enxergar assim. O fato do livro ser voltado para um público mais jovem acaba impedindo que questões mais intensas sejam levadas em consideração ao longo do desenvolvimento e é necessário que o livro seja mais leve. Olhando dessa perspectiva os elementos apresentados na trama são bem dosado e a leitura evolui em um ritmo bom, os fatos são apresentados no momento adequado e a personagem tem atitudes condizentes com a sua idade. O romance apresentado é leve e gostoso de se acompanhar.
A edição do livro é simples, mas a capa é linda, é metalizada e apresenta alguns adolescentes desenhados de costa. A diagramação e a fonte utilizada são confortáveis e impressas em papel polén.
Por fim, reafirmo que “Mentirosos” é um bom livro, tem as suas falhas, mas apresenta um enredo envolvente e traz a tona aquela necessidade de se descobrir a verdade. A leitura foi agradável e fluida, valeu a pena conhecer um pouco sobre os Sinclair.
››



Sinopse: A história de Elric de Melniboné, o imperador albino e feiticeiro, é uma das grandes criações de fantasia moderna. Um fraco e introspectivo escravo de sua espada, Stormbringer, ele é também um herói cujas aventuras e andanças sangrentas levam-no, inevitavelmente, a intervir na guerra entre as forças da lei e do caos. Um clássico do gênero espada e feitiçaria. Neste livro, Elric enfrentará a ameaça ao império de Melniboné e transitará entre o uso da magia e seus princípios morais, que o impedem de tomar algumas decisões. Além disso, sua amada Cymoril encontra-se em perigo, e ele não medirá esforços para salvá-la.

Elric de Melniboné - A Traição ao Imperador (Livro 1)” é um clássico da literatura de espada e feitiçaria e leitura obrigatória para quem gosta de RPG, inclusive já foi adaptado para um. Para mim só esse motivos já eram suficientes para iniciar a leitura e ainda assim me surpreendi me deparando com uma história bem elaborada e com uma linguagem simples, a leitura é fluida e pode ser feita em algumas horas.
Elric é imperador do reino de Melniboné que outrora fora colossal, todos os demais reinos os temiam, mas sobre o governo de Elric essa influência sofreu uma queda drástica. Ao contrário dos predecessores ele não é um bárbaro, ele é fisicamente debilitado e um grande estudioso, sendo assim pode se dedicar a arte de feitiçaria. Elric em nenhum momento é apresentado como um herói, ele se preocupa com o bem estar dele e em segundo plano o do povo que governa, porém ele cultiva um forte amor por Cymoril o que não chega a ser a redenção para algumas de suas ações, mas é o que o torna um pouco mais humano (não que o restante da população de Melniboné seja humana).
A história apresentada nesse primeiro volume é introdutória, o leitor toma nota do passado de glórias do reino e como Elric governa de forma distinta. O foco principal fica por conta do seu primo o príncipe Yyrkoon que acredita ser o herdeiro legítimo do trono de Melniboné e para isso não medirá esforços para alcançar seus objetivos.
Ao longo da história são apresentados objetos mágicos, batalhas, elementares, demônios, dragões, entre outros. Me senti bem confortável com o contexto em que os elementos foram inseridos na trama, tudo bem dosado e bem construído. Como já mencionei no início desta resenha este livro é um prato cheio para quem gosta de RPG e vale a pena ser lido. Os personagens não são complexos, ao meu ver eles são totalmente transparentes e a todo momento fica em evidência suas reais motivações.
Cymoril não é uma mulher forte e tão pouco independente, mas acredito que essas características que a deixa bem parecida com as princesas dos contos de fada se dá justamente pela época na qual o livro foi escrito, por isso relevei esse fato.
Não posso deixar de destacar a edição linda da Editora Generale, o livro foi produzido em capa dura, com uma folha de guarda colorida, diagramação confortável e divisões de capítulos com ilustrações de uma espada em marca d’água. O livro é impresso em papel pólen o que deixa a experiência de leitura ainda mais agradável.


Indico esse livro para as pessoas que gostam de literatura fantástica, mas não se deve esperar por um livro com um protagonista altruísta que sempre se coloca em segundo plano, o autor deixa claro ao longo do desenvolvimento que o reino de Melniboné se tornou temido devido a crueldade e a ganância de seus governadores.

››


Sinopse: Conor é um garoto de 13 anos e está com muitos problemas na vida. A mãe dele está muito doente, passando por tratamentos rigorosos. Os colegas da escola agem como se ele fosse invisível, exceto por Harry e seus amigos que o provocam diariamente. A avó de Conor, que não é como as outras avós, está chegando para uma longa estadia. E, além do pesadelo terrível que o faz acordar em desespero todas as noites, às 00h07 ele recebe a visita de um monstro que conta histórias sem sentido. O monstro vive na Terra há muito tempo, é grandioso e selvagem, mas Conor não teme a aparência dele. Na verdade, ele teme o que o monstro quer, uma coisa muito frágil e perigosa. O monstro quer a verdade. Baseado na ideia de Siobhan Dowd, Sete minutos depois da meia-noite é um livro em que fantasia e realidade se misturam. Ele nos fala dos sentimentos de perda, medo e solidão e também da coragem e da compaixão necessárias para ultrapassá-los.
Sabe aqueles livros que conquistam logo de cara? Pois foi isso que aconteceu comigo quando me deparei pela primeira vez com a edição da Novo Conceito de “Sete minutos depois da meia noite” do autor Patrick Ness, logo fiquei intrigada com a capa e com a premissa de uma criança ter o mesmo pesadelo todos os dias às 00:07. Confesso que não tinha muitas informações a respeito do livro, tampouco que o filme seria lançado esse mês (estou envergonhada por isso), encerrei a leitura com um sorriso de satisfação estampado no rosto.
Conor é um garoto de treze anos que enfrenta grandes problemas em vista de sua pouca idade. Seus pais são divorciados, a sua mãe passa por um tratamento rigoroso, ele ainda precisa conviver com a avó com quem nunca se deu bem, na escola é como se ele fosse invisível exceto para alguns alunos que praticam bullying contra ele e para completar todos os dias sete minutos depois da meia noite ele tem o mesmo pesadelo. Até que um dia o teixo que tem em seu quintal assume a forma de um monstro e faz um acordo com ele em troca da verdade se não irá devorá-lo. A verdade não é algo tão simples e é o que Conor mais teme.
“- Você sabe que não é verdade - disse o monstro. - Você sabe que a sua verdade, a verdade que você esconde, Conor O’Malley, é o que você mais teme.”
A princípio acreditava que o livro seria tomado em grande parte por elementos de fantasia e terror, os dois elementos reunidos em um enredo é algo que me agrada, porém estava errada, para minha surpresa o destaque maior ficou por conta do drama. Existem elementos de terror e fantasia? Sim, mas por diversas vezes esses pontos ficam em segundo plano em relação às questões da vida do protagonista, estabelecendo uma linha tênue entre o que é realidade e o que é fantasia. Na minha opinião a magia deste livro reside justamente nessa relação entre a vida de uma criança que passa por grandes turbulências e os elementos fantásticos que são apresentados ao longo da trama.
O livro levanta questões sérias como o bullying, a dor da perda, o relacionamento familiar e principalmente sobre a verdade. Tudo isso é abordado de uma forma intensa e ao mesmo tempo leve devido ao fato do narrador ser uma criança, os conflitos internos vividos por ele são bem descritos de forma delicada e sensível, o desenvolvimento da história ocorre de forma simples, porém capaz de encantar aos leitores que gostam de dramas. A trama em nenhum momento perde o seu foco principal, todos os fatos se conectam com maestria e todas as pontas ficam devidamente amarradas no final. A escrita do autor é fluida e é possível ler o livro em apenas algumas horas.
Meu objetivo com essa resenha não é entrar em pormenores em relação a trama, pois acredito que a experiência de leitura será bem mais ampla com uma quantidade menor de informações. Acredito ainda que cada leitor irá extrair uma lição diferente ao longo da leitura. Mesmo com a pouca idade do narrador, não sou capaz de delimitar uma faixa etária para a qual indicaria esse livro, recomendo para todos que estão passando por situações difíceis e até mesmo para quem está em busca de um livro diferente de drama.
Se você já leu este livro não deixe de nos contar o que achou nos comentários e se ainda não leu também deixe a sua opinião iremos adorar conhecê-la.
››


Olá pessoal, tudo bem?
O ano está apenas começando e já temos muitas novidades editoriais. A minha lista de desejados continua crescendo e hoje selecionei os cinco livros desejados desse mês. Vamos conferir?

Sempre gostei das obras de Jane Austen e desde que eu vi o lançamento desse livro pela editora Rocco fiquei bem animada. Um livro que fala sobre as obras de uma das maiores autoras não poderia deixar de entrar para essa lista.  Espero que seja uma boa leitura!

Sinopse: Cinco mulheres e um homem se reúnem para debater as obras de Jane Austen na Califórnia do início dos anos 2000 e acabam descobrindo, entre casamentos frustrados, arranjos sociais e afetivos, que suas vivências não são assim tão diferentes das experimentadas por Emma ou outras personagens da escritora britânica que tão bem descreveu a sociedade de sua época, dois séculos atrás. No livro, que figurou na lista do mais vendidos do The New York Times e deu origem ao filme homônimo estrelado por Kathy Baker e Emily Blunt, a premiada escritora norte-americana Karen Joy Fowler disseca as relações contemporâneas com acuidade, humor e ironia dignos da autora de Orgulho e preconceito e outras obras que continuam fascinando leitores de todas as idades. Uma homenagem a uma das maiores escritoras da língua inglesa e uma deliciosa comédia de costumes dos nossos tempos.
Ponto forte: No ano do bicentenário de sua morte, Jane Austen (1775-1817) continua atraindo leitores de várias idades, especialmente jovens. O livro é uma excelente porta de entrada para a obra de Jane Austen e agrada em cheio também aos já fãs da autora.

E para começar o ano bem, não poderia deixar de colocar um romance histórico nessa lista. Codinome Lady V despertou a minha atenção pela sinopse. Afinal, imagina como dever ser complicado ser uma mulher que só atrai os homens pelo seu dinheiro, mas que quando coloca uma máscara conquista um dos cavalheiros mais desejado da sociedade. Sem dúvidas não poderia deixar de ler e adicionar na minha meta de leitura.

Sinopse: Cansada de rejeitar pretendentes interessados apenas em seu dote escandalosamente vultoso, Minerva Dodger decide que é melhor ser uma solteirona do que se tornar a esposa de alguém que só quer seu dinheiro. No entanto, ela não está disposta a morrer sem conhecer os prazeres de uma noite de núpcias e, assim, decide ir ao Clube Nightingale, um misterioso lugar que permite que as mulheres tenham um amante sem manchar sua reputação.
Protegida por uma máscara e pelo codinome Lady V, Minerva mal consegue acreditar que despertou o desejo de um dos mais cobiçados cavalheiros da sociedade londrina, o Duque de Ashebury. E acredita menos ainda quando ele começa a cortejá-la fora do clube. Por mais que ele seja tudo o que ela sempre sonhou, Minerva não pode correr o risco de ele descobrir sua identidade, e não vai tolerar outro caçador de fortunas.
Depois de uma noite de amor com Lady V, Ashe não consegue tirar da cabeça aquela mulher de máscara branca, belas pernas e língua afiada. Mesmo sem saber quem ela é, o duque nunca tinha ficado tão fascinado por nenhuma outra mulher antes.
Mas agora, à beira da falência, ele precisa arranjar muito dinheiro, e rápido. Sua única saída é se casar com alguma jovem que tenha um belo dote, e sua aposta mais certeira é a Srta. Dodger, a megera solteirona que tem fama de espantar todos os seus pretendentes.

Desde que comecei a acompanhar essa série tenho me encantado com as adaptações dos contos de fadas que trazem algumas lições e que mostra que para ter um final feliz nem sempre precisa seguir a história original. Abby e seu irmão Jonah vivem diversas aventuras e já estou ansiosa para ler o quarto livro da série.

Sinopse: Tudo o que Abby queria era passar uma noite tranquila e divertida comendo brigadeiros e trocando segredinhos com a melhor amiga, Robin. Tudo o que Abby não queria era ser sugada novamente para dentro de um conto de fadas, ainda por cima vestindo um pijama.  Tudo o que a Bela Adormecida queria era dormir por cem anos, acordar e conhecer seu príncipe encantado. Tudo o que a Bela Adormecida não queria era descobrir que a amiga sonâmbula de Abby tomou seu lugar e chegou antes na roca enfeitiçada.  E Jonah, bem, tudo o que ele queria era um cachorrinho fofo e um crocodilo que luta caratê (irmãos mais novos são tão bobos!). Mas nem nos contos de fadas as coisas acontecem como o desejado. E sobrou para Abby salvar o dia mais uma vez!

Depois de ouvir tantos comentários maravilhosos a respeito da escrita da autora, apesar de ainda não ter lido nenhum livro da Chris Melo, não poderia deixar de colocar Sob Um Milhão de Estrelas na minha lista de desejados. Espero poder ler esse livro ainda esse ano.

Sinopse: Alma Abreu está prestes a lidar com um inventário e uma série de histórias de um passado tumultuado que pertence mais aos seus pais do que a ela mesma. Mas este parece o menor de seus problemas no momento. Passar alguns dias na pacata Serra de Santa Cecília veio bem a calhar para a jovem médica, após um incidente no hospital que a deixou sem chão. Ela só não esperava se envolver tanto com a pequena cidade – e com o prestativo vizinho da charmosa casa que sua avó lhe deixou, além de um animado grupo de amigas, filhas das melhores amigas de sua mãe –, a ponto de pensar em deixar sua vida em São Paulo para trás. Será que a vontade de ficar é apenas medo de enfrentar seus problemas? Mas como voltar à velha rotina depois de tudo o que descobriu e viveu em Serra? 

Desde que eu li a sinopse desse livro, fiquei bem animada para a leitura. Dois adolescentes que estão vivendo momentos complicados e um acha que o outro vive uma vida fácil até trocarem de corpo por um final de semana. Já vi filmes assim e vai ser uma experiência diferente poder fazer a leitura. Estou com boas expectativas em relação A Troca. O livro inspirou o filme da Disney "The Swap".

Sinopse: Ellie tem 12 anos e está sofrendo bullying nas mãos da ex-melhor amiga. Jack, aos 13, tem 3 irmãos mais velhos e um pai que não saem do seu pé. Quando os dois se encontram, desejam ter a vida “fácil” um do outro, trocam de corpos e enfrentam um fim de semana que vai ensiná-los a abraçar sua individualidade.

Bom pessoal, essa foi a minha lista de desejados para o mês de janeiro. E a de vocês? Não deixem de comentar quais livros vocês gostariam, vou ficar muito feliz em conhecer novas leituras.

››