O livro que inspirou a série

Esse livro me despertou a curiosidade após conhecer a série de sucesso produzida pelo Netflix. Ao saber que a personagem principal era baseada em uma mulher real que viveu uma situação bem parecida eu logo tive interesse em ler o livro. Então vamos falar um pouco sobre o livro e fazer uma breve comparação com a série no final.
O livro traz um relato verídico sobre algumas fases da vida de Piper Kerman. É como se fosse o diário da autora e nele são narrados fatos que antecedem a sua prisão, os momentos em que esteve presa e após ser libertada. O livro que inspirou a série do Netflix possui uma leitura leve e fácil.
Piper foi condenada a prisão devido ao seu envolvimento com o tráfico de drogas quando ainda era jovem e recém formada da faculdade. Durante esse período da vida ela encontrava-se sem rumo e acabou conhecendo uma glamorosa traficante Norma, com quem teve um romance. Além disso, Norma a convenceu de transportar uma mala em uma viagem internacional contendo dinheiro oriundo do tráfico de drogas para a Europa. Registrando assim uma breve passagem pelo mundo do crime.
Após anos o seu passado volta a tona quando um policial a procura com uma intimação para comparecer ao tribunal. Nessa fase da vida a autora já possui uma vida estável, um bom emprego e um companheiro apaixonado. Após alguns anos de espera pelo julgamento Piper é condenada a 15 meses de reclusão em uma penitenciária federal.
A autora descreve como é a vida na prisão, como é o sistema carcerário dos Estados Unidos, apresenta e conta a história de algumas presas das quais esteve mais próxima durante esse estágio da sua vida, mostra ainda como o sistema influencia na vida delas alterando comportamentos e sentimentos. Essa é uma parte densa do livro e Piper consegue transmitir de forma clara como foram esses meses de reclusão e nos faz pensar que poderia ser qualquer um na mesma situação. Além de se apresentar como uma mulher forte que aceitou sua culpa e encarou a punição de frente sem se deixar abater.
Quase chegando ao final da sua pena Piper é transferida para outras prisões e fica chocada com a escassez de recursos em outros locais. Ela chega a sentir falta da primeira penitenciária e de suas colegas de reclusão que ganharam significado em sua vida. Esse é o único momento do livro que relata maiores dificuldades para Piper, o que nos leva a pensar se o sistema carcerário dos Estados Unidos não é tão "barra pesada" quanto o brasileiro. A autora reflete ainda sobre a dificuldade de outras presas para retomarem suas vidas após a cadeia, como o sistema não ajuda nessa reintegração e como a falta de recursos dificulta ainda mais essa reinserção. O livro nos faz refletir sobre o que poderia ser feito para mudar essa triste realidade.
Piper ressalta o tempo todo como as pessoas que estavam fora da prisão a ajudaram a se manter forte para cumprir toda a sua pena. No seu caso ao ser libertada ela contava com a sorte de ter um emprego esperando por ela, um marido e uma casa. Essa expectativa ajudou a se manter firme e forte durante o tempo de reclusão.
O livro é bem diferente da série que ele inspirou. A série é repleta de intrigas, a aceitação da Piper é um processo bem mais lento e complexo. As outras prisioneiras apresentadas na série são bem mais complexas, com nomes diferentes do livro e possuem um foco maior nas suas respectivas vidas antes da reclusão. Além disso, na série algumas personagens secundárias ganham um destaque maior a fim de incluir um pouco de drama e comédia. Alguns outros fatos como o relacionamento de Piper com o seu noivo Larry são apresentados de forma bem diferente na série. Outra diferença gritante é a presença de Alex (Norman no livro) na série enquanto no livro só aparece no finalzinho. Enfim, a série apresenta cenas bem mais emocionantes desde o primeiro momento, já o livro se desenvolve de uma forma mais tranquila e lenta. Confesso que a série possui alguns atrativos maiores, porém ainda recomendo a leitura do livro que apresenta a história da autora de forma fidedigna. 


Deixe um comentário